A guerra económica contra Gaza

(Alexandre Abreu, in Expresso Diário, 23/05/2018)

abreu

Mais de cem palestinianos foram assassinados pelas forças armadas israelitas nas últimas semanas junto à fronteira entre Gaza e Israel em circunstâncias em que não representavam qualquer ameaça. É imensamente trágico que um Estado que resultou de uma das maiores, se não a maior tragédia do século XX – o Holocausto – seja hoje o perpetrador de quotidianas violações de direitos humanos, assentes numa cultura de superioridade racial e desumanização dos palestinianos.

Não é possível ouvir responsáveis israelitas a justificar os assassinatos com o argumento que ‘não conseguimos pôr todos os manifestantes na cadeia’ sem escutar ecos do passado e sentir um calafrio na espinha.

Porém, a violência da ocupação israelita não se limita àquela que é directamente perpetrada pelas forças armadas. Igualmente terríveis, imorais e ilegais – à luz do direito internacional – são os constrangimentos exercidos sobre a viabilidade dos territórios ocupados palestinianos. O caso de Gaza, que é um verdadeiro campo de concentração a céu aberto, não é único, mas é o mais chocante. A grande maioria dos seus dois milhões de habitantes não pode entrar ou sair do território, cuja área é semelhante ao concelho de Sintra, em resultado do fecho das fronteiras terrestres e do bloqueio marítimo e aéreo israelita. Esse mesmo bloqueio, imposto por Israel desde 2007, implica igualmente que as perspectivas de viabilidade económica e social do território sejam inexistentes.

Israel limita enormemente a entrada e saída de bens, incluindo a importação de materiais de construção, alimentos e até medicamentos. As exportações também cessaram praticamente após 2007. Segundo uma estimativa do Banco Mundial, o PIB do território caiu mais de 50% em resultado do bloqueio. A indústria anteriormente existente foi dizimada. A taxa de desemprego, de mais de 40%, é a mais alta do mundo. Cerca de 40% da população, três vezes mais do que na Cisjordânia, vivem em situação de pobreza. Estes não são problemas de subdesenvolvimento, mas de ‘des-desenvolvimento’ deliberadamente imposto por Israel, para usar o termo de um relatório das Nações Unidas.

Imagine o que é viver sem acesso a energia durante mais de vinte horas por dia durante anos em resultado do racionamento de combustível por parte de uma potência ocupante. Imagine uma situação em que apenas 10% da população têm acesso a água potável em condições de segurança. Imagine um território em que os pescadores são alvejados pela potência ocupante quando se afastam mais de 5km da costa para tentarem aceder a zonas de pesca menos exauridas. Em que, segundo um estudo da Organização Mundial da Saúde, 65% dos bebés com menos de um ano sofrem de anemia.

A situação que se vive em Gaza, perante a ignorância ou indiferença da maior parte do planeta, é a de um território sujeito a uma guerra económica que constitui, na descrição do Comité Internacional da Cruz Vermelha, uma forma de punição colectiva. O relator especial das Nações Unidas para a situação dos direitos humanos nos territórios ocupados caracterizou o bloqueio israelita como um crime contra a humanidade, para além de uma violação reiterada do direito internacional. Nos anos ’80 do século passado, o apartheid sul-africano pôde ser desmantelado em grande medida graças às sanções internacionais e ao boicote dos cidadãos de todo o mundo. Hoje, devemos todos mobilizar-nos para corrigir esta outra mancha na consciência da humanidade.

Anúncios

3 pensamentos sobre “A guerra económica contra Gaza

  1. Mas, e os gringos/yankees????…
    Será que não existem como locomotiva do criminoso imperialismo internacional e para os serventuários a “maior democracia do mundo”???…
    Será que nada têm a ver com os referidos crimes contra a humanidade naquela explosiva zona onde os fascistas se pavoneiam há dezenas de anos com a cumplicidade da ONU (que por isto, também – sou do tempo em que aconteceu um extermínio no RUANDA que esquecerei quando morrer – se constitui numa organização criminosa: 《quem cala, consente》ou 《tanto ladrão é o que vai à horta, como aquele que fica à porta, duz o POVO, lá do alto da sua sabedoria toda de experiência feita), agora chefiada por um luso “socialista de boca”, o tal que padece de enorme alergia aos pântanos – mesmo os que ele próprio constroi com as ajudas tipo “queijo limiano” – mas que tudo fez para se ir meter num outro pântano ainda maior e que ele próprio está a ajudar a alargar e a tornar mais fundo e com cheiro cada vez mais pestilento assumindo e aceitando medonha tarefa, com um comprometedor sorriso servil enquanto abotoava o casaco perante o pedante do trump(zeco) que, sorrindo de gozo e sobranceria, o olhava, lá do alto da sua estatura, como qualquer senhor olha qualquer servo da gleba, numa fotografia que em escassas horas viralizou na internet ????…
    Pois é, enquanto se continuar a tapar o Sol com a peneira – como não tivesse existido o Vietname do Ho Chi Minh, o Chile de Allende, o Iraque do Sadam, os golpes em quase todos os países latino-americanos de que o Brasil ainda está em curso e na Venezuela se prepara uma intervenção militar em nome da “ajuda humanitária” que os próprios yankees, com o bloqueio económico generalizando, vêm provocando aos venezuelanos -, os crimes em Gaza não terminam, a maior “democracia” do mundo continuará a ter nas armas de guerra e na droga as suas maiores receitas e, o que é lamentável para o Zépovinho Luso, é que tal gentalha são considerados pelas elites burguesas e capitalistas das lusas governanças dos últimos 40 anos, invariavelmente, como os: “nossos parceiros” ou “nossos aliados” ou “nossos amigos” ou “nossos credores”…ainda que não passem de criminosos vampiros da HUMANIDADE!..
    aci

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.