O Regresso dos “Blade Runners”

(Joaquim Vassalo Abreu, 11/10/2017)

rio_santana

Ou o regresso de uns ” caçadores de androides” apostados em libertar uma corporação política de uns quantos  “replicantes” que, já sem pilhas e sem força, a conduziram a um estado de torpor e inoperância nunca vista!

Quem são eles? Serão eles capazes? De onde aparecem? Que vão eles fazer? Aqui reside o real enredo da novela que, qual romance, vou tentar desenrolar. O novelo, claro!

Consta que são dois policiais, mais ou menos aposentados que, perante a deserção total, resolvem, por razões apenas de imagem e consciência, totalmente coniventes com o ” que se lixe”, resolvem avançar…mas para recuperar também os seus “ismos”,  já claramente há muitos esquecidos: o “Santanismo” e o “Rioismo”!

Mas, perante a realidade actual, causa-me alguma perplexidade o avanço destas criaturas! Pois vejamos: um deles, o Santana, tão bem estabelecido e sentado numa poltrona de sonho, numa Casa que dizem Santa, onde permanece com o beneplácito de todos os anjos deste mundo e do outro, mais ainda do Costa, corre em nome de quê?

E o outro? Sim, esse de Rio, velejador consagrado, dono de um “great river”, iluminado pela doutrina alemã e ainda renomado contabilista, como resolve ir de barco ” Rabelo” para o seu desígnio lisboeta, se sabia que a sua falta de velas, o casco mortificado de tão parado estar, a ausência de motores e a incerteza de manobradores o deixariam sempre naquele vou não vou, avanço não avanço, é desta não é desta? Para quê, se agora há o Alfa, a Raynair, a TAP e sei lá que mais? Em nome de quê?

Tudo isto é dúbio e difícil de perceber, mas eu vou alvitrar: ambos em nome do seu PSD, ou melhor PPD/PSD, e isto porque o “Popular” nunca se deve perder de vista.

Um, o Santana, recordando aquele velho partido por quem tantas lutas travou e da qual ficaram frases pérolas para a história, como aquela ” Não vou estar aqui, mas vou andar por aí…”, e mesmo aquela ” são outros os colos de que eu gosto…” e isto só para citar duas. Daqueles congressos de discursos de ir às lágrimas, tal a sedução encantatória desse ” menino guerreiro”! A “Saudade”, essa palavra intemporal é grave, soou na sua mente de modo irrecusável.

Do outro já disse: do “alemão” bom contabilista, de pensamento parco, mas…tal como o outro, de cabelo grisalho e lambido, bem estirado para trás e escalado e delineado por potente gel fixador.

Mas, hélas, ambos foram beijar a mão ao “padrinho”, e nem de outro modo poderia deixar de ser! Foram ao Costa, portanto, dizerem ambos das suas intenções, explicarem das suas razões e pedir a sua compreensão.

Ao primeiro, ao Santana, terá dito: ” Mas sabes o que vais fazer?”. ” Tenho que ir António, tenho que ir. Sabes o que é aquele impulso, assim quase que como uma mola, tal qual uma paixão, que nos obriga a erguermo-nos em nome de um superior desígnio…percebes? Mas conto com a tua superior e leal amizade, para uma futura, que até pode ser curta, propriedade da poltrona da Casa Santa”. Percebo, diz o Costa, acrescentando: ” mas porta-te bem, e alega razões pessoais, inadiáveis e irreprimíveis para não ires ao congresso, tá?”

Até o Marcelo, seu companheiro em-chefe, muito preocupado o foi visitar. Foi almoçar com ele, mesmo que o fausto almoço se tivesse resumido a uma simples sandes de leitão, a dividir por dois, ambos frugais e de parco comer. E perguntou-lhe: Pedro, já falaste com o António? Quem, com o Vitorino? Não pá, com o Costa! O Santana, refastelado na sua poltrona, lá lhe respondeu com aquela voz pastosa e ensonada: Já companheiro em-chefe, está tudo acordado! Então avança, diz-lhe o Marcelo, mas não te esqueças: defenestra esse projecto de rio e depois mando-o às malvas. Engraçado: isso mesmo me disse o António! Quem, o Vitorino? Não, o Costa!

Mas, entretanto, o Rio, o tal ” alemão” da Foz, também não ousou avançar sem antecipadamente falar com o Costa. Disse-lhe ele que em nome de uma velha amizade, de antigos projectos conjuntos, daquele programas para dez anos com que sonhavam salvar Portugal, dos fogos do S. João do lado de cá do rio, das sardinhas  lá em Alfama…perguntando-lhe: que dizes António, avanço?

Mas o mundo mudou, recorda-lhe o Costa, a vida mudou e até a política já não é a mesma, Rui. Mas acho bem, acho muito bem e conta comigo! Conto contigo, perguntou o Rui perplexo? Isso, respondeu o Costa assim enfaticamente…

Mas o Rui, não o outro mas este, o Rio, é só digo Rui para não dizerem que do Rio me rio, saiu de lá pensativo e acabrunhado. Que quereria ele dizer com o ” conta comigo”? Se ao menos pudesse perguntar ao Marcelo…

De modo que este apadrinhado regresso do romântico sonhador, que até se esqueceu de que já é senador, dono de uma cabeleira grisalha  e lambida e do seu arqui-amigo Rui, o “alemão”, aquele com fama de contabilista mas sem qualquer cadeira de sonho, seu émulo e concorrente na cabeça grisalha, cabelo espetado para trás, alinhado à base de gel, mas bem escalado e delineado, fazendo-me lembrar, como disse o regresso dos ” Blade Runners”, me faz também suscitar a seguinte pergunta:

Qual deles aguentará mais tempo esse cabelo grisalho, esticado e lambido, ambos sujeitos às manobras dos ventos? Qual usará o melhor gel fixante? Vou esperar de poltrona…


Fonte aqui

Anúncios

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s