Passos perdeu ou desistiu?

(In Blog O Jumento, 10/10/2017)
passos_desiste
Passos não partiu por causa da derrota do PSD nas eleições autárquicas, mas sim por causa da vitória do PS e da esquerda nessas eleições. Parece a mesma coisa, mas no caso de Passos Coelho não é bem assim.
Passos Coelho bateu-se violentamente contra as chamadas reversões, designadamente aquelas que estavam destruindo os alicerces do seu projeto político. Convencido de que uma crise financeira ou uma crise política conduziria a um segundo resgate, Passos Coelho esperava que isso sucedesse a tempo de recuperar as medidas mais emblemáticas do seu governo: a preparação dos despedimentos em massa no Estado, os cortes dos vencimentos e a proletarização forçada da Função Pública, os cortes nas pensões, e as reformas na legislação laboral que forçassem uma desvalorização dos salários no setor privado.
Centeno trocou-lhe as voltas, graças a um controlo rigoroso da despesa evitou as consequências das armadilhas que Passos e Paulo Núncio montaram para provocar uma quebra de receitas fiscais em 2016. A situação económica europeia fez o resto, apesar de uma política fortemente restritiva a economia cresceu acima do que se esperava. A não ser que Marcelo se arme em líder da oposição e promova uma crise, o governo vai chegar ao fim da legislatura e António Costa estará no próximo governo.
Em vez de um segundo resgate que levaria Passos ao poder e de novo com carta branca para governar como se tivesse os poderes do Pinochet, o país saiu do procedimento do défices excessivo e, de forma surpreendente, a S&P deixou de considerar como lixo a dívida portuguesa. Os alicerces da reformatação económica e social serão totalmente demolidos com o OE de 2018.
Passos perdeu as autárquicas, mas também perdeu a esperança de retomar o governo no ponto em que estava e novamente com uma troika a apoiá-lo na sua experiência económica.
Mesmo que Passos persistisse em liderar o PSD estaria a tentar ser primeiro-ministro numa situação que não era a que desejava, governar apoiado numa intervenção externa, com os amigos do BCE e com Vítor Gaspar no FMI. Passos habituou-se a governar com o medo e com a chantagem, ignorando o Tribunal Constitucional, chamando piegas aos portugueses, contando com um banana em Belém e rebaixando o seu parceiro de coligação como fez com o irrevogável Portas.
Passos esperava eleições antecipadas, esse era o único cenário em que acreditava para ganhar eleições e poder continuar a sua obra. Destruído tudo o que fez e sem esperança de ganhar eleições que não sejam as antecipadas, Passos prefere deixar o PSD entregue a Rio ou a Santana, enquanto que vai em busca de um qualquer Ângelo Correia que lhe dê de comer até à próxima oportunidade.
Anúncios

Um pensamento sobre “Passos perdeu ou desistiu?

  1. “Os alicerces da reformatação económica e social serão totalmente demolidos com o OE de 2018.”
    Podem os clubistas continuar a dizê-lo as vezes que quiserem a ver se convencem idiotas, mas continua a estar longe da verdade, basta olhar para o terror na saúde ou a falta de direitos laborais. E com o CETA, o PS garantiu que tal será para sempre.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s