O CRESCIMENTO do PEDRO

(Joaquim Vassalo Abreu, 24/05/2017)

passos_paroles

Do Pedro, sim, mas do outro que não o meu Neto. É que o meu Neto é Vassalo e o de quem vou falar é Coelho!

Como sabem, eu já há uns quinze dias que, por motivos de ordem superior, ando literalmente afastado das notícias e do mundo e só agora, devagarinho, vou retomando a sequência de vida que se aproxime da realidade. E vou-me actualizando e lendo, por alto, o que de mais relevante tem acontecido na nosso País. Mas não tanto do mundo! É isso: uma coisa de cada vez!

E, mesmo estando actualmente em Barcelona, soube coisas várias: que o PIB Português deu, com este governo, um estimulante salto; que o nosso défice continua em trajectória descendente; que o nosso saldo primário está entre os melhores da Europa; que a confiança dos cidadãos e empresários continua em alta; que o desemprego continua a sua trajectória descendente e a concomitante criação de emprego em subida; que o nosso Centeno é cada vez mais respeitado na Europa e que, finalmente, vamos sair do procedimento por défice excessivo!

Não é coisa pouca, mas o Pedro, não o meu neto mas o outro, que tanto desejou a vinda do Diabo, vê-se agora constrangido a apelar a conselhos impuros e decadentes para que o tal “crescimento” seja sustentável e, quiçá, maior que o naturalmente atingível…

E sugere ao Costa que tome ” coisas”. Aquelas ” coisas” que alguns tomam para ter mais ” vitalidade”, mais ” virilidade”, mais ” potência”, mais ” pujança”, mais ” desempenho” e coisas assim e a que ele, assim como não quer dizer o que quer dizer, chama de ” reformas”! Ou ainda, e isto não passa de uma não sei se plausível hipótese, recorrer, para crescer, a um daqueles tratamentos que aparecem nalguns jornais, na internet e em sites que ninguém vê, que resolvem de imediato o problema da dimensão da coisa, e do seu precário crescimento…

Vocês até se podem rir e achar isto demasiado estúpido mas, pensando bem, depois da “TINA”, que restará ao Pedro?

O que fica é que, afinal, o Pedro diz que, apesar do ” there is no alternative”, ao ” sadismo” que ele praticou, e ” coisas” que experimentou e tomou, só com “reformas” estruturais é que vamos,  diz ele, lá!

Mas Pedro, cuidado! Essas coisas criam habituação e, qualquer dia, nem o coração aguenta. Eu conheço muitos casos e daí o meu aviso. E Pedro, repare: eu tenho a dimensão que tenho, sou até para o baixo, normalíssimo da silva, gostaria de ter crescido mais um pouco, em todos os aspectos, mas…para quê Pedro? Sempre cumpri os meus deveres  de cidadão na sua plenitude e, de reformas, só preciso da que tenho, e que, ao fim de 43 anos de trabalho e descontos, acho que mereço.

E mais Pedro: eu quando era jovem também li os livros proibidos do Marquês de Sade. E vi os ” 120 dias de Sodoma” do PASOLINI. E abjurei e esqueci. E conheço a história, Pedro!

Com que então os heróis são os Portugueses, não é? Sabe-me dizer, Pedro, qual foi ao longo da História o General, o Almirante, o Marechal, o Rei, o Governador que morreu em guerra? Ficou o D. Sebastião porque se perdeu no nevoeiro. E o Vasco da Gama? E o D. Henrique? É o Fernão de Magalhães ( ouvi dizer que partiram cinco naus com quase trezentos tripulantes  e só chegaram dezoito. O Fernão incluído! ) Eles têm todos estátuas e nomes de ruas e os Portugueses, os tais para quem o Pedro dirige o mérito?

E fala o Pedro de ” reformas” que façam diferença no futuro?  As suas Pedro? Dispensamos, definitivamente dispensamos e eu, como Português, que sofreu também, embora muito menos que outros, os mais frágeis, os mais marginalizados, os mais pobres, digo-lhe, e digo-lhe também em nome de todos estes, que dispenso o seu elogio.

Dispenso os parabéns de quem nos impôs sádicamente os sacrifícios que impôs e que tanto “gozo” deram à sua deturpada mente.

Vá, emigre, vá para longe, desapareça e vá ensinar as suas ” reformas” a outros…olhe: aos alemães, aos húngaros, aos austríacos, aos eslovacos, aos polacos, ao Trump, à May, ao Schauble, ao Rajoy, ao …. Isso mesmo.

E, já agora, cresça Pedro, cresça e cresça bem, mas desapareça. E leve consigo a Madona! Aquilo é que iria ser, Pedro!


Fonte aqui

Anúncios

4 pensamentos sobre “O CRESCIMENTO do PEDRO

  1. as “reformas” do Pedro são apenas aquelas que ele não teve tempo de concretizar, e se tornaram numa obsessão. A CGD e a Segurança Social são 2 objectivos. Sucedem-se aos “preclaros” operadores de aeródromo, que ele tão bem imaginou.

    Gostar

  2. Pois é pedro (a minúscula é tanto intencional quanto merecida, porque, miseravelmente, não passas de um qualquer coirão, um mentecapto e mentiroso compulsivo, quanto pedante, de baixo nível e incompetente, para além de outras coisas que também és, tais como: esquecido – há quem designe isso de vigarice – de fazer descontos para a segurança social, de viver à pala das fantasmagóricas tecnoformas, etc., desde que, ainda na adolescência, os teus pais correram contigo de casa e tu decidiste descer ao povoado, qual lobo faminto, para vires beber sofregamente os inputs de cultura das noitadas nas Docas de Lisboa), assim vai a tua reputação como político, agora bobo da côrte, como qualquer vasconcelos ou conde de andeiro. E como diz o povo: pela língua morre o peixe.
    Pena é, não decidires agora dedicar-te às cantigas, pois, tantas vezes entoei nos inesquecíveis tempos da Revolução de Abril: “A cantiga é uma arma…” e tu poderias usá-la para tentares defender-te dos ataques a que te expões sempre que abres a boca evacuando as tuas descabeladas teses. Só que, naqueles gloriosos momentos, nós acrescentávamos: “…contra a burguesia”, enquanto tu nada tens contra tal gentalha, à qual julgas pertencer por direito próprio pelo que fizeste em prol dessa canalha, mas não passas de uma marionete do capitalismo, esse hediondo sistema, agora, mais uma vez e depois de mais de 400 anos de exploração vampiresca, em profunda agonia permamente desde 2007/2008, aqui e ali com alguns espasmos, qual moribundo em fase terminal, de que a economia lusa, desde que geringonçada, é um exemplo, dados os últimos resultados que, imagine-se, fizeram com que um nazi, que anda numa cadeira de rodas lá pelos corredores de Bruxelas e da terra dele, como que tivesse ganho vergonha na puta daquela enrugada cara, pelas baboseiras que evacuou aquando do início da lusa geringonça (de que a escumalha da direita lusa, onde também navegas e te sentes bem, ó láparo da caca, já quase deixou de falar e ou escrever), com as famigeradas ameaças não do (teu) diabo, mas de um novo resgate, desceu da cadrira de rodas e, como que de joelhos, veio como que penitenciar-se ao comparar o Professor Mário Centeno [que ocupa o lugar deixado pela tua professora (zeca), a “de albuquerque” (ambém em minúscula por mérito próprio)] ao nosso CR 7.
    Mas, ó pedrito da caca, olha que o referido nazi esqueceu-se de falar dos “preciosos” contributos do teu governo!…e esta, hem, como diria o saudoso Fetnando Peça !!!!

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s