Quando é isto a referência

(Por Valupi, in Blog Aspirina B, 07/01/2017)

O Público, cumprindo-se como o semipasquim que é, despediu José Vítor Malheiros alegando falta de dinheiro para lhe pagar. Este cronista não era só uma memória viva do jornal enquanto instituição e desde a sua fundação, era e é também uma voz que verte salubridade e inteligência no espaço público.

malheiro

José Vítor Malheiros

Entretanto, o Público e o seu director que já se declarou fã mantêm João Miguel Tavares na lista de pagamentos. É até provável que vejam na figura uma estrela da companhia, adorando de cada vez que ela consegue arranjar alguma “polémica” com outros avençados da opinião. Nada contra, obviamente, a começar porque não contribuo para as despesas desse jornal. Mas chamo a atenção para este caso:

O Presidente da República ficou desgostoso por os portugueses terem elegido “geringonça” como palavra do ano. Ele teria optado por “descrispação”. É uma escolha surpreendente de Marcelo, desde logo porque a palavra não existe. Porto Editora, Houaiss, Aurélio, Academia – nenhum dicionário cá de casa a reconhece.

Caluniador pago pelo Público

Este profissional da calúnia vem para os jornais exibir o seu ultrapositivismo lexical, declarando confiante que as palavras que calhem não aparecer nos dicionários que calhe consultar não existem. É uma ideia muito engraçada, vai sem discussão, mas ele usa-a para defender Cavaco e atacar Marcelo e isso, que num plano já filosófico continua a ter graça, no plano do entendimento e sua fruição cognitiva fica como uma extraordinária manifestação de estupidez.jmt1

O que há de notável no João Miguel Tavares não é a forma tosca como se projecta liberal de pacotilha, de imediato e na mesma frase atacando o Estado de direito ao serviço dos seus ódios e marca se preciso for, nem o uso da calúnia para ganhar dinheiro, onde não passa de mais um na legião. O que é verdadeiramente notável está na mediocridade impante do seu pensamento. E, claro, haver quem tenha dinheiro para lhe pagar na outrora chamada imprensa de referência.

Será que ainda vão a tempo de apanharem o Vítor Malheiros na porta e pedirem-lhe para ele dar ao ex-colega uma lição rápida sobre o que é a linguagem, a língua e a fala? Vá, rápido, que o homem ainda deve estar nas escadas.

Fonte: Quando é isto a referência | Aspirina B

Anúncios

2 pensamentos sobre “Quando é isto a referência

  1. Penso que foi bem despedido. Afinal de contas não iria escrever num jornal cujo Diretor é um filho da p ta. Ou não? O problema nesta merda de país é que pretende ser “democrata” com filhos da puta. Não. Aos bandalhos partes os cornos. É fácil. Nada de paninhos quentes. Acontece que neste País após o 25 de Abril , até os Pides que mataram antifascistas morreram na cama! O PCP QUE O DIGA!! Olha o Pintor…
    E se acaso acontece alguém tomar uma atitude mais “á séria”, os primeiros a censurarem o ACTO são os ” camaradas ” de esquerda!!… Então badamera….

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s