Uma nova ordem internacional?

(Carlos Blanco de Morais, in Público, 31/12/2016)

blanco_morais

Todos os dirigentes contemporâneos, de Bush a Merkel e a Obama, figurarão na História como a mais medíocre e desacreditada geração de líderes desde o pós-guerra.


O “Brexit”, a eleição de Trump e a queda de Alepo sinalizaram um virar de página sobre as relações de força que esculpiram a ordem internacional edificada após a queda do Muro de Berlim.

O ciclo que se encerra pressupôs que os Estados Unidos seriam a única superpotência investida no ónus da defesa do mundo livre, articulada com a NATO e com a União Europeia. Supunha também que a Rússia não passaria de uma potência regional e que a China se destacaria como um grande parceiro económico. Três eixos estratégicos marcaram este tempo de vésperas: i) a progressão da NATO na área de influência russa, desintegrando o espaço sérvio, “filiando” os Estados bálticos e preparando a inclusão da Geórgia, Ucrânia e Moldávia; ii) o intervencionismo militar unilateral no mundo islâmico, marcado pelas invasões do Afeganistão e Iraque e pela ingerência na Líbia e Síria, sob a égide do discurso do combate ao terrorismo, derrube de déspotas e apoio à democracia no contexto das “primaveras árabes”; iii) e estímulo a uma ordem económica e financeira global, gerida entre grandes potências e blocos regionais.

O ocaso da Pax euro-americana

Só que o mundo ficou mais perigoso nestes 27 anos. O primeiro eixo estratégico foi travado pela reação da Rússia contra uma intromissão dos vencedores da Guerra Fria nas suas áreas de influência e na sua política interna: a Geórgia foi castigada depois da sua sangrenta intervenção na zona russófona da Ossétia do Sul; o golpe de Estado que com patrocínio euro-americano derrubou um presidente ucraniano pró-russo saldou-se na anexação da Crimeia por Moscovo e numa guerra civil nas regiões orientais do país; e a tentativa de derrubar Assad na Síria culminou na queda de Alepo com o apoio decisivo de Putin.

O segundo eixo estratégico, centrado nas aventuras armadas de democratização do mundo islâmico, também fracassou. As “primaveras árabes” terminaram num flop, com um total roll back no Egito e a disseminação de guerras civis que, provocando centenas de milhares de mortos, destruíram o Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria, convertendo-os em “fábricas de terroristas”. A par de um êxodo “bíblico” de refugiados e imigrantes que inundaram a Europa, os EUA alimentaram “ninhos de vespas” jihadistas nesses teatros de guerra, armando grupos salafistas pró-sauditas. Nasceu neste melting pot um novo tipo de terrorismo islâmico, de uma crueldade inédita desde os tempos de Tamerlão que migrou de um Levante em chamas para explodir nas ruas do Ocidente.

Finalmente, o vetor da globalização confrontou-se com uma crise financeira gerada por um capitalismo transnacional que dita a sua própria lei e a lei das nações e que, em nome de bens a baixo custo, destruiu empresas, empregos e vidas. Com ele progrediu um multiculturalismo divisionista e gerador de insegurança que nos EUA e na Europa potenciou a reação crispada de nacionalismos identitários.

Todos os dirigentes contemporâneos, de Bush a Merkel e a Obama, figurarão na História como a mais medíocre e desacreditada geração de líderes desde o pós-guerra. Alepo é o símbolo da derrota desses obscuros jogos de poder, em que os EUA e a UE estiveram ao lado de jihadistas e da filial síria da Al-Qaeda para combater Putin, esquecendo que, sem a intervenção russa, a bandeira do ISIS flutuaria em Damasco.

Vetores de um novo ciclo

2017 inaugurará um tempo neo-realista nas relações internacionais. Trump já sinalizou que, sem uma parceria com a Rússia, os EUA não apagarão os conflitos que crepitam na bacia do Mediterrâneo, não vencerão o terrorismo e não conterão o Irão. Tal prenuncia uma política pragmática de acordos pontuais em áreas críticas, que a nomeação de Tillerson para secretário de Estado, um veterano do petróleo com experiência negocial com Moscovo, vem confirmar.

A prioridade na destruição do ISIS e na pacificação da Síria e Iraque será o primeiro teste dessa nova parceria, implicando o abandono dos rebeldes anti-Assad. Seguir-se-á um teste de distensão militar no Leste europeu que passará pela consumação da anexação da Crimeia e pelo termo das sanções à Rússia. Quanto à NATO, os EUA induzirão o aumento das despesas militares dos seus membros e a Aliança poderá ser reorientada para o combate ao terrorismo e não mais para progressões no Hinterland russo. Neste trade-off, os EUA poderão obter o apoio de Moscovo na contenção do poder nuclear iraniano e norte-coreano, na estabilização das situações críticas no Iraque, Afeganistão e Iémen e no respeito pelas fronteiras da NATO, com relevo para a Polónia e os bálticos.

A globalização será retardada com o fim antecipado dos acordos de comércio Transatlântico e Transpacífico e a criação de barreiras às imigrações. Em termos regionais reforçar-se-á um bloco de Estados anglo-saxónicos e a União Europeia enfraquecerá como pólo de poder, debilitada pelo “Brexit” e pelas convulsões migratórias e identitárias. Fillon, o provável novo Presidente francês, procurará fazer uma ponte com Trump e Putin e Merkel ficará mais isolada, como último bastião da velha ordem. Finalmente, a ONU será condicionada por uma parceria entre grandes potências e a China constituirá a maior incógnita nesta equação.

Se bem que a violência continue a assolar o Médio Oriente e os EUA e UE experimentem tempos de tensão política e securitária, já o risco bem mais grave de guerras entre grandes potências e alianças militares esmaecerá.


Professor catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa e coordenador do Centro de Investigação de Direito Público

Anúncios

2 pensamentos sobre “Uma nova ordem internacional?

  1. Felizmente o Sr. professor desamparado conta o “grande” Putin e o enorme Trump para se sentir seguro no seu mundito. O Jornal “Público” já dá voz a estes desenterrados do Salazarismo.

    Gostar

  2. É preciso muita falta de perspectiva histórica. Qual foi então a geração de grandes lideres ? A de Reagan, Thatcher, Mitterand (ah ah) e Gorbatchev ? Ui, os liberais… Ou a de Hitler, Estaline e Roosevelt ? fffffff. Pois eu digo que a actual é uma geração de líderes decentes, e receio mais os que possam vir a seguir.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s