Diz o/a menino/a: “Ai como eu gosto de ser seviciado…”

(Pacheco Pereira, in Público, 26/02/2020)

Tenho algumas matérias recorrentes nestes artigos, que são uma espécie de campanha. Todas têm um aspecto em comum: o combate a formas atávicas do nosso atraso como sociedade, à nossa complacência com práticas inaceitáveis numa forma “civilizada” de viver, ou decisões que nos fazem andar para trás por inércia, preguiça ou cobardia. E deixem-se de hipocrisias, toda a gente sabe o que significa “civilizada”, por oposição a bárbara, ou “andar para trás”, em contraste com andar para a frente. Não precisamos de grandes polémicas sobre a “civilização”, nem sobre o sentido da história, para aceitarmos que há atitudes culturais que fazem o mundo em que vivemos, no pequeno tempo em que cá estamos, melhor. Direitos, garantias, comportamentos, que distinguem o mundo com tortura ou sem tortura, o mundo da igualdade entre homens e mulheres, o mundo que pune a violência, o mundo que preza, respeita e defende o adquirido na cultura e na ciência, o mundo que assenta na liberdade, o mundo em que se é “mais humano”, mais próximo do “milk of human kindness”, em vez do sangue.

Verdade seja dita que Lady Macbeth detestava essa “human kindness”, que associava à fraqueza, mas numa altura em que as sociedades democráticas estão em crise, com o reservatório do ódio das redes sociais, precisamos de dar força a essa humana fraqueza e não ser complacentes com a sobrevivência diária e reiterada de manifestações de barbárie de todo o tipo, no meio do nosso silêncio. Daí, voltando ao princípio, que escreva várias vezes sobre mil coisas pequenas e grandes que são da família alargada de Lady Macbeth, mesmo que não pareçam.

Três são recorrentes nestes artigos: a violência contra os animais traduzida no espectáculo do gáudio público com a tortura dos touros; outra, o aviltamento das praxes, e uma, que não parece ser da mesma família mas que é, a degradação da língua portuguesa pela ortografia oficial do “acordês”. Em todas estas perversões ou não andamos para a frente, ou andamos para trás, e todas comunicam entre si num desprezo pela dor gratuita noutros seres, na vontade de sujeição e humilhação, de dar e de receber, por uns finórios de colher de pau na mão, e por fim na inércia na ignorância da riqueza expressiva da língua. As duas primeiras já cá não deviam estar há muito tempo, a terceira é o resultado de uma engenharia desastrosa que só sobrevive pela indiferença dos poderosos pela riqueza expressiva do português.

Hoje voltamos à praxe, esse mundo personificado por uma colher de pau que não é para cozinhar, por uma moca que é para partir cabeças e por uma tesoura que não é para esculpir os cabelos. A trilogia original era uma palmatória, uma moca e uma tesoura.

Estes tempos de pandemia voltaram a colocar de novo a questão das praxes, que só a cobardia das instituições universitárias tem permitido sobreviver, com um pé ou mesmo com os dois dentro das instalações académicas ou nas suas imediações, poluindo as ruas das cidades com as cenas vergonhosas de poder e submissão.

Apetece dizer que há coisas boas que advêm de coisas más, e que a pandemia, ao levar as autoridades académicas a proibir com diferentes graus de rigor as actividades da praxe, são disso exemplo. Mas não digo, porque é tudo mau e mesmo esta proibição, que não é mais do que uma suspensão, vai deixar quase tudo na mesma, a não ser uma geração de órfãos da praxe, dos da colher de pau e dos que levam com ela.

pandemia se há coisa que não faz é educar, como se vê num decreto de um grupo chamado em latim macarrónico Magnum Consillium Veteranorum: “A Tradição Académica, nas suas variadas vertentes, configura-se como uma componente integrante e indissociável da frequência do Ensino Superior em Portugal, com uma forte carga histórica e simbólica, sendo responsável pelo acolhimento e integração de sucessivas gerações de estudantes universitários numa nova fase da sua vida. Não obstante a assumida vontade em perpetuar esta Tradição…”, lá veio a covid estragar a festa da colher de pau. Estou, aliás, a imaginar os lamentos dos meninos e das meninas: “Olha que pena, logo este ano em que eu entrei para a faculdade não vou poder ser seviciado(a), para depois daqui a um ano poder andar a apascentar pelas ruas da cidade uns “caloiros” a fazer imbecilidades em público”.

Poucas coisas são mais deprimentes sobre o estado da chamada “juventude” do que a aceitação ou, pior ainda, a vontade da praxe, de a praticar e de ser “praxado”. Quanto a mim, podem ir a todas as manifestações verdes e pela Amazónia, ou chorar pelo Tibete, mas, se aceitarem andar a pintar a cara, a arrastar-se pelo chão e a engolir as obscenidades duns tipos vestidos de padre, numa exibição de sadismo e de masoquismo, é porque não cresceram o suficiente para ter voto em qualquer matéria.

Historiador


As praxes e as Universidades

(Carlos Esperança, 05/06/2019)

Neste antigo reino, onde a clerezia era influente, foi criada a Universidade que os padres dominavam. A teologia era a ciência oculta que a engrandecia, a única sem método nem objeto. Os padres, geralmente cultos, dominavam o conhecimento, que divulgavam com a superstição, à mistura, vigiando as heresias e proscrevendo os réprobos.

Durante séculos foi única, os hereges eram banidos e tinha lugar de relevo a fé. Depois de numerosas vicissitudes foi arejada pelos ventos do liberalismo e a laicidade penetrou naquele antro com odor a sacristia.

O reino passou a República e a laicidade, que era a prática, a obrigação. Veio a ditadura depois e, mais tarde, uma democracia moderna. No eterno retorno, as vestes talares dos docentes e discentes foram o veículo da recuperação das piores tradições e da criação de outras que contaminaram numerosas escolas, às vezes em vãos de escada, com cursos exóticos e diplomas por equivalência, sem dispensarem as praxes.

As cerimónias iniciáticas substituíram o vinho pela cerveja na consagração académica, e o sexo, simulado ou explícito, saiu à rua. Há escolas onde uma caloira exibe um mamilo por um copo de cerveja, os dois por outra bebida, com a saciedade a privar do êxtase a turba gulosa, enquanto um colega exibe o traseiro, de borla, perante o fastio geral, antes de cair de bêbedo.

Advertisements

A entrada faz-se com carros roubados a supermercados, desfilando de pijama e cartazes vexatórios pelas ruas das cidades, e a saída com a bênção das pastas. Da cerveja à água benta, em três anos de Bolonha, ficam fotos que comprometem e desatinos que pontuam a futilidade de atos embaraçosos, na ausência de causas para quem se presta a humilhar e a ser humilhado num percurso onde a ciência devia ser o objetivo e a genuflexão uma postura a evitar.

Mas há coisa mais bonita do que ver estudantes em coma alcoólico ou enlevados com a aspersão da água benta na cabeça, na batina e na pasta?

Ámen.


MOREIRA À AMÉRICO TOMAZ

(Soares Novais, in A Viagem dos Argonautas, 12/05/2019)


Fonte aqui