Imprudência e fúria — a história da Festa do Avante! em 2020

(José Pacheco Pereira, in Público, 05/09/2020)

Pacheco Pereira

Em memória de Ruben Tristão de Carvalho

Na altura em que estiverem a ler isto está em curso a Festa do Avante! entre protestos e congratulações. Houve de tudo. O PCP foi imprudente e depois arrogante, menosprezou um factor que tinha a obrigação de conhecer muito bem: em tempos de crise não há nada mais explosivo do que a percepção (e nalguns casos a verdade) de que há desigualdades de tratamento, filhos e enteados. A Festa do Avante! foi vista como um caso excepcional de complacência das autoridades sanitárias, por troca de favores políticos, que permitiriam ao PCP fazer ajuntamentos, comes e bebes, exposições, concertos, que estavam proibidos a outros grupos e, em particular, aos profissionais dos espectáculos e festivais, que passam momentos de grandes dificuldades. Não é inteiramente verdade, mas tem uma parte suficiente de verdade para gerar um sentimento de indignação, que depois tem vindo a ser usado politicamente para atacar o PCP, o governo e as autoridades sanitárias.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Acresce que há possibilidade de existirem cadeias de transmissão da covid com origem no ajuntamento da Festa. É um enorme risco para o PCP, que tem conseguido manter intacta a reputação de ter uma capacidade de organização e militantes disciplinados, e que foi capaz de organizar eventos como o 1.º de Maio sem efeitos epidemiológicos conhecidos. Mas gerir uma multidão não é a mesma coisa, e por muito que o serviço de ordem do PCP seja eficaz, há perigos reais e uma enorme responsabilidade.A fúria actual com a Festa do Avante! é tudo menos inocente. Tem uma clara motivação política

Mas, a fúria actual com a Festa do Avanteé tudo menos inocente. Tem uma clara motivação política, longe de qualquer preocupação com a pandemia e muito menos com os trabalhadores dos espectáculos e festivais. Ela insere-se numa clara deslocação para um radicalismo de direita que se tem vindo a acentuar em várias áreas da sociedade portuguesa, e de que o Chega é apenas a ala populista mais visível, e as redes sociais o viveiro do ódio, mas que encontra expressão numa elite que está órfã do poder, apoiada em think tanks, subsidiados por grupos empresariais, com um peso crescente na comunicação social.

Repetirei de novo que uma parte importante desta deriva vem da impotência, mas com o tempo essa impotência transforma-se em raiva. A vida política portuguesa vai ser crescentemente perigosa, num caminho que encontra em Trump um inspirador não nomeado por vergonha, mas real.

Metem-se agora com o PCP, porque o PCP está mais fraco e tem-se deixado acantonar e isolar da opinião pública. Mas a duplicidade é flagrante: nos últimos meses houve duas manifestações do Chega, uma de um grupo que partilha as teorias conspirativas contra as máscaras e a distanciação social, duas manifestações anti-racistas, uma das quais com bastante gente, vários eventos religiosos, feiras por todo o país, só para referir ajuntamentos legais, e nenhum dos argumentos usados contra a Festa do Avante! foi usado e, nem de perto nem de longe, a mesma veemência. Sobra apenas o argumento do número de presentes, que o PCP anunciou serem à volta de 30.000 e a DGS reduziu para metade.

Encurralado, o PCP subiu a parada, até porque a Festa do Avante! não é para o partido um comício, ou uma festa comum, tem um importante elemento identitário e comunitário. Todos os partidos comunistas tiveram na sua história uma festa associada com o jornal partidário, seja o L’Humanité, o Unitá, ou o Mundo Obrero, que faz parte da prática comunista. Não é de facto, como diz o PCP, “uma festa como as outras”, porque a cultura política comunista tem uma identidade própria, com a vantagem de permitir sinais de pertença e reconhecimento e a desvantagem da auto-suficiência e do bunker.

O papel da Festa na mobilização partidária começa antes, na sua montagem em grande parte feita por voluntários, que realizam “jornadas de trabalho”, e depois asseguram a realização do evento, e finalmente nas diferentes excursões de camionete e de comboio, que asseguravam que os militantes de Trás-os-Montes se podiam encontrar com os do Alentejo. No recinto são comuns formas de reconhecimento tribal entre “camaradas”, quer através das bancas de comida, objectos, artesanato local, quer inclusive com as delegações estrangeiras de outros partidos comunistas e movimentos revolucionários. A Festa é ao mesmo tempo provinciana e cosmopolita, e transmite aos que a visitam esse sentimento de que fazem parte de uma comunidade nacional e de um movimento internacional, com amigos e inimigos. Se tivermos em conta que muitos dos que a visitam não viajam facilmente, nem tem condições económicas para conhecer o mundo, isso é um momento importante nas suas vidas.

O resto da Festa serve quer o financiamento do partido, quer uma tentativa de aproximação aos mais jovens pelos espectáculos e alguma abertura por essa via ao exterior (um visitante habitual era Marcelo Rebelo de Sousa…), sobrando a parte objectivamente menos importante para o interior dos discursos da rentrée do PCP para marcar o calendário. Este ano, no contexto da actual situação política, com os apelos do PS a entendimentos, o que lá se disser pode ser relevante.

Amanhã ver-se-á, e, se tudo correr bem com a pandemia, o que vai ficar destes dias será a fúria contra a Festa. O que se passa à volta da Festa é um sinal preocupante da evolução da vida política portuguesa, a caminho de um cada vez maior radicalismo, no limiar da raiva e da violência. Pensam que é exagero? Infelizmente é só esperar.


4 pensamentos sobre “Imprudência e fúria — a história da Festa do Avante! em 2020

  1. Nota. Sobre a decência isto do JPP e também aquilo, ó d’A Estátua, que não é para todos acho.

    Toma lá milho painço
    4 DE SETEMBRO DE 2020 ÀS 19:38
    Ó Eric, vai trabalhar, pá!
    Olha, o Venturinhas precisa de pázinhos como tu, cheios de sangue facho na guelra, isto, bem entendido, se não estiveres já lá enfiado, não no dito mas no chaga, claro.
    Eu sei, Valupi, que te dá um gozo danado este traficante ter voltado a andar por aqui, agora disfarçado de pombinha, e que te divertes à pampa com a foleirice dele. Mas há que não esquecer que o gajo é como o cheiro a merda, onde ele chega, as pessoas afastam-se, se é que me faço entender.
    Aliás, é mesmo essa a intenção dele, como já vimos em tempos aqui no Aspirina, só que nessa altura não tinha penas.

    Ui?

    Toma lá milho painço
    4 DE SETEMBRO DE 2020 ÀS 19:38
    O que o aspirina faz ultrapassa o admissivel em democracia. E vergonhoso! Divulga um texto que defende os valores do 25 de Abril contra a extrema direita e, logo a seguir, serve se da sua Pomba Branca para tentar confundir valores inconciliaveis, chegando ao ponto de elogiar o Joao Miguel Tavares insultando, pelo meio e sem vergonha, um sem numero de politicos respeitados e eleitos pelos portugueses por defenderem, sem margem para qualquer duvida, os valores do 25 de Abril!
    O mais grave de tudo isto, e que nao se trata de um caso isolado! O aspirina/Pomba Branca utiliza sempre esta tecnica do jornalixo! Um truque que a levou a perder toda a credibilidade mas que, para quem ainda nao deu conta, nao pode deixar de ser denunciado!

    Valupi
    7 DE SETEMBRO DE 2020 ÀS 13:38
    Olhe eu tenho tido a máxima paciência consigo, mas desta vez passou das marcas.
    1) O Aspirina B não conhece o/a Pomba Branca de lado nenhum.
    2) Ele comenta o que bem lhe entende e da forma que entende, tem aqui a mesma liberdade que você tem para asnear.
    3) Só que não posso admitir que alguém venha para aqui propalar a existência de uma correlação entre um frequentador deste blog e o autor do blog, nada havendo que o indicie, nem tendo qualquer prova disso mesmo.
    4) Assim, este é o meu único e definitivo aviso, meu caro: se reincidir com comentários do mesmo tipo, serão eliminados e será banido e impedido de comentar mais neste blog.
    5) De resto, trate-se: deve sofrer de alucinações persecutórias que não o deixam dormir e lhe potenciam um estado febril, continuado.

    ______

    Muito, mas muito, muito bem respondido, Valupi, que a força esteja contigo e qu’a coragem, a decência e a lucidez demonstradas nunca te faltem! Xô, para trás, bebe água del cano e, genoma de rafeiro, vai ganir para outro lado, busca-busca, que o caneiro de Alcântara, a praia paradisíaca de Algés ou as furnas de Monsanto sempre são melhores do que nada…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.