Porque apoiei este Governo apesar de ter saído do PS, e porque não quero que o PS tenha maioria absoluta

(Alfredo Barroso, in Facebook, 16/09/2019)

Alfredo Barroso

(Uma explicação, outras se seguirão)

Não tenho qualquer animosidade especial em relação ao PS, partido de que fui um dos fundadores, em 1973, no qual militei, até à marginalização absoluta, durante 42 anos, e do qual me desfiliei em 2015. As minhas divergências começaram com António Guterres, decidido a copiar o estilo “Terceira Via” – na realidade o estilo neoliberal – de Tony Blair, aliado do perigoso idiota Bush filho, presidente dos EUA, na criminosa invasão do Iraque que pôs o Médio Oriente em polvorosa, como hoje bem podemos constatar.

A “neoliberalização ideológica” do PS e da maioria dos partidos da Internacional Socialista foi assim como que uma espécie de suicídio colectivo que deu cabo das melhores intenções de alguns líderes políticos aparentemente de esquerda, que acabaram por pôr em prática políticas contrárias aos interesses das classes populares e de boa parte das classes médias, “proletarizando-as”.

E foi então que comecei a bater-me pela necessidade dos partidos de esquerda – PS, BE e PCP-PEV – manifestarem a vontade de estabelecer uma plataforma mínima comum capaz de viabilizar Governos sustentados à esquerda, rompendo com a tradição, nefasta para o PS e para o País, deste partido governar ao centro, em alternância ou em conivência com o PPD-PSD e, inclusive, com o CDS-PP, integrando assim o famoso “arco de governação” tão caro a Paulo Portas.

Ora bem, António Costa teve a coragem de romper com esse ridículo “arco”, afastando-se do PPD-PSD e estabelecendo com o BE e o PCP-PEV a tal “plataforma mínima comum” capaz de viabilizar um Governo que durou uma Legislatura.

É por estas e outras razões que me preocupa a possibilidade do PS vir a obter uma maioria absoluta e derivar para a direita. Sobretudo depois de ouvir o ministro das Finanças, Mário Centeno, defender a maioria absoluta, dizendo que com ela seria muito mais fácil “governar” – ou seja, presumo eu, seria muito mais fácil fazer “cativações” que distorcem e retorcem os Orçamentos de Estado em prejuízo da qualidade dos serviços públicos e do investimento público, tão necessários ao País.

Passei tantos anos da minha vida política – sem quaisquer ambições pessoais e sendo até prejudicado por isso – a defender a constituição e viabilização de Governos sustentados à esquerda, que não há-de ser agora que desistirei de os defender. Creio que terão sido muito poucos os comentadores e cronistas políticos que defenderam tão aberta e afincadamente este Governo do PS e o seu primeiro-ministro, António Costa.

Todavia, preocupa-me a perspectiva de o PS alcançar maioria absoluta e, por isso mesmo, vou votar no sentido de tentar evita-la. Há pessoas que andam na vida política, não para conquistar cargos políticos e garantir carreiras auspiciosas, mas sim para serem fiéis às suas ideias e ideais políticos e sociais. É esse o meu caso.

E sei de gente vária, até de amigos meus, que não conseguem compreender tal atitude. Paciência. Estou de bem comigo próprio, e posso dizer, sem jactância, que saí da vida política activa mais pobre do que para lá entrei, logo após o 25 de Abril de 1974. Em todo o caso, acho que chegou o tempo de deixar a minha actividade de cronista político – desde há vários anos a escrever quase sempre “de borla” – para me dedicar um pouco mais a mim próprio, nos poucos anos que ainda me restam. Estou algo pessimista em relação ao futuro, mas espero que o futuro me desminta e que tudo corra pelo melhor no melhor dos mundos possíveis, como diria o professor Pangloss…

Campo d’ Ourique, 16 de Setembro de 2019


Advertisements

Um pensamento sobre “Porque apoiei este Governo apesar de ter saído do PS, e porque não quero que o PS tenha maioria absoluta

  1. No geral concordo.

    Apenas noto a treta habitual.

    O PS só derivou para a direita com o Guterres ?

    O partido que “meteu o socialismo na gaveta”, destruir o prec, a reforma agrária, começou o processo de privatizações, e, como o próprio Barroso tão bem observou, só fazia alianças com partidos de direita, ERA DE ESQUERDA ?

    Apenas alguns flash backs..

    – Ainda não há muito tempo, o Alvaro Barreto esse grande apoiante de Passos Coelho e ex-ministro socialista que chegou a propor deixar de tratar os velhos para poupar dinheiro durante a crise, se gabava que a grande obra da vida dele tinha sido destruir a reforma agrária – durante o governo socialista de que fez parte.
    Ainda teve a lata de discorrer que, destruída a reforma agrária comunista, se calhar deviam ter feito qualquer coisa pela reforma agrária social-democrata que estava no programa do PS. Mas que não fizeram nada – não se lembraram, coitadinhos, de tão entusiasmados que estavam a destruir a única reforma agrária que existia.

    – Quando se lê a construção do SNS e se vê que se deveu quase exclusivamente á casmurrice do Arnaut, que pelo aparelho socialista não se faria nada, quando se lê que o aparelho era HOSTIL ao SNS. Quando se lê que um Vitor Constâncio, conhecido por financiar os tubarões do BCN com o nosso dinheiro, GOZAVA com o Arnault garantindo que seria impossível arranjar dinheiro para fazer o SNS…

    – Sabemos pela mão de quem as grandes famílias capitalistas do pré-25 retomaram posse da nossa economia. Um exemplo, Soares e Ricardo Salgado sempre admitiram com orgulho que foi o primeiro que, para trazer de volta o segundo, chegou a arranjar-lhe um empréstimo em França, garantido pelo estado Português, para o o ricardinho poder voltar a tomar posse do BES.

    Mas que grande serviço ao país ! Mas que grande “esquerdismo” !

    Tenha mas é vergonha ó Barroso.

    O PS é tão de esquerda como o PSD.

    São partidos de ALDRABÕES direitistas que roubaram a imagem da social democracia desde o início.

    O PS não se “converteu” á terceira via.

    O PS foi a terceira via avant la lettre.

    Vão aldrabar as vossas mãezinhas.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.