A China leva a melhor sobre a Alemanha

(Por Wolfgang Münchau, in Diário de Notícias, 05/03/2019)

Wolfgang Munchau

Provavelmente, a maior questão geopolítica para a UE atualmente, e especialmente para a Alemanha, são as relações futuras com a China. Na semana passada, uma revista alemã de negócios informou que um alto funcionário da chancelaria de Angela Merkel havia visitado a China para explorar as possibilidades de um acordo de não espionagem. Tais acordos geralmente não valem o papel em que estão escritos. O contexto desta visita foi a proposta da Huawei, fabricante chinês de equipamentos de telecomunicações, para a quinta geração de licenças móveis na Alemanha (sobre a qual uma decisão está prevista para este mês). Um acordo de não espionagem permitiria à Alemanha fingir que afinal a China não constitui uma ameaça à segurança.

A relação económica entre os dois países é interessante. A Alemanha é ambivalente em relação à China. Precisa de tecnologia chinesa, como a da Huawei. As operadoras de comunicações móveis da Alemanha estão particularmente interessadas na proposta de 5G da Huawei porque já usam o hardware da empresa chinesa nas suas redes.

Mas a Alemanha também está preocupada com as empresas chinesas que adquirem a sua tecnologia. Em dezembro passado, uma nova lei reduziu o limite de participações nas ações que acionam automaticamente uma investigação de fusões. A nova estratégia industrial, recentemente proposta por Peter Altmaier, ministro da Economia, quer proteger setores inteiros das aquisições chinesas – aviões, finanças, telecomunicações, comboios, energia e robótica.

No seu recente livro, Belt and Road, Bruno Maçães, ex-secretário de Estado dos Assuntos Europeus de Portugal, observa que o relacionamento sino-alemão mudou profundamente. Em tempos, a Alemanha via a China como um mercado de exportação de maquinaria com a qual a China desenvolveria a sua base industrial. Hoje, a China está a tornar-se o parceiro sénior no relacionamento.

A indústria automóvel será fundamental. É a fonte do sucesso passado da Alemanha e a prosperidade futura da China, mas os dois lados têm interesses opostos. O excesso de confiança na tecnologia diesel tornou a indústria automóvel alemã um investidor tardio em inteligência artificial e baterias elétricas. Maçães salienta que a China joga um jogo diferente. Os chineses não estão interessados em garantir principalmente as unidades de produção. Eles querem controlar toda a cadeia de valor do carro elétrico. Para isso, a China bloqueou grande parte do suprimento global de cobalto, um metal essencial na produção de baterias.

Os dois países têm muito em comum. Ambas são economias voltadas para a exportação, com grandes excedentes de poupança externa. Mas a estratégia económica da Alemanha não é tão consistente. A preferência política alemã é reduzir a dívida pública. No entanto, o maior problema do país está a ficar para trás na corrida tecnológica. A consolidação orçamental excessiva tem sido a principal causa do subinvestimento em estradas, redes de telecomunicações e outras novas tecnologias.

A Alemanha também está a subinvestir no seu setor de defesa. Ursula von der Leyen, ministra da Defesa, propôs recentemente um plano para aumentar o orçamento de defesa dos atuais 1,3% para 1,5% do produto interno bruto até 2023. Mas Olaf Scholz, ministro das Finanças, opõe-se.

O episódio é sintomático de um problema europeu fundamental: ao contrário da China, a política macroeconómica, a política industrial e a política externa e de segurança são executadas independentemente umas das outras. A proposta de 5G da Huawei mostra que a UE não está bem preparada para lidar com uma conexão entre segurança e política industrial. Os europeus também não prestaram muita atenção ao impacto das suas regras orçamentais, principalmente nas políticas de defesa e segurança. A China, pelo contrário, tem uma abordagem integrada à política económica e externa.

A China está a promover o renmimbi como uma moeda global, com o objetivo final de desafiar o monopólio do dólar como a moeda dos mercados de produtos. Os políticos europeus não estão acostumados a pensar em tais categorias políticas. Os alemães, em particular, nunca quiseram que a zona euro promovesse o euro como moeda global. No passado, o pensamento macroeconómico ultraconservador da Alemanha costumava ser mais ou menos consistente com os seus interesses industriais. Isso já não acontece: a UE está entalada entre duas potências económicas opostas e tem um regime monetário propenso a crises.

A redução da dívida do setor público foi uma escolha política. Se a Alemanha tivesse, ao contrário, investido em defesa e vantagem industrial futura, permitindo que a posição orçamental fosse até onde quisesse, estaríamos hoje num lugar diferente, mas isso exigiria um certo grau de pensamento geoestratégico que está ausente nas discussões políticas em toda a UE.

Talvez os europeus tenham estado tão autocentrados nos últimos 10 anos que não viram o que estava a acontecer. O protecionismo agora emergente, a súbita perceção de uma necessidade de proteção contra aquisições chinesas, são sinais de que a complacência está prestes a transformar-se em pânico.

© The Financial Times Limited, 2019.


4 pensamentos sobre “A China leva a melhor sobre a Alemanha

  1. Partilhei no facebook, em 2 de Março, um artigo daqui via cópia do respectivo link. Constatei, hoje, que foi censurado:
    “Esta publicação desrespeita os Padrões da Comunidade, pelo que só tu a podes ver” + a opção “Eliminar esta publicação”

  2. não sei quais são os padrões da “Comunidade” . Nem tão pouco sei que “comunidade” é esta. Mas sei, de certeza certa, que é vergonhosa a postura do FB. Até pela opacidade que justifique estas decisões estranhíssímas. Olimpicamente continuam calados.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.