Da língua geral ao ridículo total

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 24/11/2018)

mst

Miguel Sousa Tavares

“Sei bem que o novo politicamente correcto é o politicamente incorrecto”
ANTÓNIO COSTA


Há mais de vinte anos, estava em filmagens no Brasil para uma grande reportagem da RTP sobre a história da colonização portuguesa da Amazónia, desde o marquês de Pombal até ao apogeu da época da borracha — que nos deu um dos melhores romances de sempre da literatura portuguesa: “A Selva”, de Ferreira de Castro. Nos tempos que correm, em que falar das Descobertas ou da colonização portuguesa já é quase motivo para se ser apontado como repulsivo colonialista-esclavagista, duvido que o tema da reportagem e os custos que a sua longa e complexa empreitada envolveram fossem autorizados sem controvérsia na televisão pública. Mas, adiante, que isso é outro assunto, ainda que dentro do mesmo amplo contexto em que tudo isto se move. Andava então por uma terrinha chamada Santarém — uma das várias terras com nomes de outras terras do Ribatejo existentes no Amazonas, reflectindo decerto a origem dos seus colonizadores — quando me deparei com um comício político para uma eleição local. Numa noite quente e abafada, num palanque ao ar livre, um caboclo já de meia idade, candidato a prefeito local, subia ao palco para discursar para umas dezenas largas de pessoas. Aproximei-me para ouvir o seu discurso, que começou rigorosamente assim:

— Meus povos… — e, olhando à roda, enquanto segurava desajeitadamente no microfone, fazendo uma pausa, acrescentou:

— E minhas povas.

Sorri, extasiado: ali, numa pequena povoação do faroeste amazónico, a milhares de quilómetros do que poderíamos imaginar ser aquilo a que chamamos civilização, eu tinha acabado de assistir, pela boca de um caboclo, ao nascimento da linguagem politicamente correcta, do ponto de vista sexista. Anos depois, tendo tido o privilégio de realizar a primeira entrevista com Dilma Rousseff após ela ter sido eleita para o seu primeiro mandato, à entrada para a dita entrevista, no Palácio do Planalto, em Brasília, uma das suas assessoras fez-me notar que a Presidente gostava — ou melhor, fazia questão — de ser tratada por “Presidenta”. Ao que eu sorri outra vez e segui em frente: isto é, durante os 45 minutos que durou a entrevista, tratei-a sempre por senhora Presidente — conforme se diz na língua em que eu falo e escrevo, que é a língua que recebi de Ferreira de Castro e de tantos outros de que sou tributário, a língua que levámos ao Brasil e que misturámos com a dos tupi-guarani da Amazónia, chamando-lhe a “Língua Geral”. Essa mesma língua que os brasileiros trataram depois de adaptar e enriquecer à sua maneira e que a nós, portugueses, nos cabia simultaneamente defender — no menos, que é, por exemplo, não tratar a Presidente do Brasil por Presidenta só porque ela acha que assim deve ser, ou no mais, que era não ter assinado com o Brasil esse acto colonial invertido que foi o Acordo Ortográfico, uma indigna traição à língua de Camões, aprovada na Assembleia da República, entre outros, pelo Bloco de Esquerda.

Então, durante anos contei como anedota a história dos “meus povos e minhas povas” e nunca alguém dos que a escutaram deixou de se rir com ela, não vendo ali outra coisa que não isso mesmo: uma anedota. Mas eis que mais de vinte anos volvidos, a mesma frase, dita por outras palavras, regressa à actualidade pela boca de um dirigente do Bloco de Esquerda e, como dizia o outro, já não como comédia, mas como ridícula tragédia. Não como anedota, mas para ser levada a sério, no âmbito do que o seu autor chama “a linguagem inclusiva”.

A coisa passou-se durante a recente Convenção do BE, quando o presidente do seu grupo parlamentar, Pedro Filipe Soares, subiu ao palco e se dirigiu aos militantes tratando-os por “camaradas e camarados”. Segundo o próprio nos informa, esta pérola de cultura gramatical “inclusiva” despertou “uma inesperada atenção nacional”, pois que “mexeu no vespeiro do politicamente correcto”. Ora, vamos por partes, do menos para o mais. Primeiro, o homem e as suas circunstâncias; depois, o conceito e o seu vespeiro; enfim, o pormenor da língua como instrumento de desestruturação social à conta do combate politicamente correcto.

Confesso que practicamente não dei pela Convenção do BE: tinha outras coisas bem mais interessantes para fazer no fim-de-semana e limitei-me e olhar para os títulos dos jornais. Por junto, fiquei a saber que Mariana Mortágua está pronta para ir para o Governo, para o reservado lugar de ministra das Finanças que lhe destinou Francisco Louçã — o que, por si só, é razão para que metade dos contribuintes comece a fazer as malas para se pirar daqui para fora. Não fosse o próprio Pedro Filipe Soares, num assomo de ousada eloquência, ter ocupado uma página do “Público” a contar o episódio dos “camaradas e camarados”, justificando-o como “mais um passo numa luta em várias frentes, mas com um mesmo objectivo: vencer a agenda patriarcal e machista” (além da sempre aplaudida “evolução da língua”), e eu nem teria dado pela tal “atenção nacional” que ele garante ter despertado. Fico, pois, a aguardar os passos seguintes do prometido combate à agenda machista gramatical, que não devem tardar: “colegas e colegos”, “polícias e polícios”, “coronéis e coronelas”, “generais e generalas”, “bombeiros e bombeiras”, “torneiros-mecânicos e torneiras-mecânicas”, “alfarrabistas e alfarrabistos”, “árbitros e árbitras”, “anestesistas e anestesistos”, “dentistas e dentistos”, etc., e etc., que o cardápio é infinito.

O senhor deputado do BE e todos os outros deveriam estar, não apenas preocupados, mas angustiados com uma geração que não lê — nem livros, nem jornais, nem revistas. Mas, em vez disso, quer agora ensinar-lhes a corrigir conceitos sexistas de gramática! Por amor de Deus, senhor deputado! Porque não vai arejar ideias até Santarém, na Amazónia?

Quanto ao fatal conceito do politicamente correcto, depois da nova definição fornecida por António Costa, já ninguém se entende. Reconheço que a sua frase, acima citada, é profunda e resulta, certamente, de profunda reflexão, obviamente testada com os seus spin-doctors. O problema é que, às vezes, estas soberbas proclamações, de tão densas, acabam por querer dizer tudo e coisa alguma. “O novo politicamente correcto é o politicamente incorrecto”? Pois que seja. E o que muda tão cintilante constatação? A meu ver, nada: eu continuo a perceber, nem que seja só por instinto, que o lado dos “camarados”, do Acordo Ortográfico e da “evolução da língua”, da agenda do PAN e de tantas causas fracturantes que já nem sabemos quantos géneros cabem num simples cartão de cidadão, não é o meu lado. Se com isso sou politicamente correcto ou incorrecto, é-me absolutamente indiferente. Dentro do vespeiro, espero continuar a dar com a saída.

Porém, no meio do folclore, o pormenor da língua permanece essencial. Mas, tal como na querela das touradas, há quem insista em não perceber (ou não consiga perceber genuinamente) que a questão de fundo não é discutir se se gosta ou não de touradas, mas se uma ministra da Cultura pode ou não discriminar um espectáculo em função do seu gosto pessoal, também aqui o essencial é o deputado do BE achar que pode, sem danos colaterais, introduzir na gramática invenções em benefício da “linguagem inclusiva” e do “combate ao machismo patriarcal”. Isto, para uma geração de miúdos (e miúdas, senhor deputado!) para quem o simples e mais elementar domínio da língua portuguesa se está a tornar um gravíssimo problema de identidade e soberania nacional. Já dramaticamente baralhados por essa brilhante contribuição dos governos e dos deputados para a compreensão do português lido e escrito que é o Acordo Ortográfico, viciados e adulterados pela linguagem das redes sociais e dos SMS, as novas gerações de alunos são incapazes de ler e de entender, e menos ainda de escrever, o mais vulgar texto, na língua dos seus pais e avós. Uma simples consulta aos testes dos examinados que entram nas universidades é de deixar os cabelos em pé. Era com isso que o senhor deputado do BE e todos os outros deveriam estar, não apenas preocupados, mas angustiados: com uma geração que não lê — nem livros, nem jornais, nem revistas. Mas, em vez disso, o senhor deputado quer agora ensinar-lhes a corrigir conceitos sexistas de gramática! Sinceramente, senhor deputado, porque não vai arejar ideias até Santarém, na Amazónia?


Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia

Anúncios

12 pensamentos sobre “Da língua geral ao ridículo total

    • Senhor Professor de Língua portuguesa Dr.Miguel Sousa Tavares.
      Eu também escrevo em Português, nem sei escrever de outra forma, mas devo confessar que quando escrevo na Língua de Camões, quer dizer que escrevo em Português, e não na “língua” de Camões, nem ele, se fosse vivo, deixaria que alguém lhe escrevesse na língua (uma indigna traição à língua de Camões).
      Outro exemplo do texto:
      – “Porém, no meio do folclore, o pormenor da língua permanece essencial”, claro, tem aftas, mas se o “pormenor da Língua permanece essencial”, então entende-se que estamos a falar da Língua portuguesa.
      Saibamos, pois, colocar letras maiúsculas onde devem ser colocadas, porque se não, estamos a misturar a Língua portuguesa, com a língua acordista, língua de bacalhau, língua de vaca, ou outra língua qualquer.

      Gostar

  1. MST exerce a arte da escrita honrando a sua linhagem. Eu sou um mero escriba, que tenta traduzir o pensamento em pequenos textos ortográfica e gramaticamente correctos, o que vai sendo cada vez mais difícil… Não me alongo, mesmo nada. Apenas o suficiente para acentuar que, nestes tempos loucos (naquele sentido de tontos), muita gente com responsabilidade anda, de facto, perigosamente à deriva, desfocada do essencial, que deveria ser agarrar a oportunidade de projectar este país num novo futuro, de maior felicidade colectiva, maior equidade social e maior sustentabilidade. Mas não, essa gente com ideias pretensamente fracturantes não enxerga longe, não sabe interpretar a teia de forças e interesses económicos globais que condicionam a nossa vida (condenando-nos a uma sobrevivência indigente e submissa), e entretém-se a preencher a agenda com tontices. O que é lamentável e condenável.

    Gostar

  2. Gosto muito do MST e concordo com a generalidade deste artigo, mas a converseta que relaciona os persistentes e ancestrais défices literários de parte da população com o AO90 toca nas raias da demagogia. Eu percebo que mudar de hábitos é complicado, eu percebo que os “p” e os “c” e outros apêndices íleocecais servem de algum garbo patriótico-ortográfico, percebo também que nem tudo está bem feito no AO90, mas estes achaques de crapido por quem pode escrever como quiser já enjoam.
    Eu também já li e ouvi ao MST a construção frásica “é suposto + verbo no infinitivo” que é de evitar na Língua Portuguesa, o que quer dizer que também foi permeável a este anglicismo que anda por aí há uns 30-35 anos e é tudo menos “bom Português”.

    PS: Apesar de não ter conseguido o recorde do Embaixador Francisco Seixas da Costa, este texto não contem qualquer palavra sujeita alteração pelo AO90.

    Gostar

    • Os “p” e “c”, como diz, são bites – são… informação! Iinformação para o leitor, que não há qualquer motivo para sonegar através da eliminação! – os tempos das “simplificações”/amputações do positivismo francês de 1840, adoptados pelas crendices da maçonaria (ainda hoje!) – são velhos erros, tal as teorias de Lombroso das bossas do crânio – que Afonso Costa queria que inspirassem um Código Penal! Adiante.
      De facto, não há uma ortografia perfeita – para “aperfeiçoar” ou “simplificar” porque, simplesmente, o acto de escrever e o acto de ler têm exigências diferentes – conforme provam as descobertas das modernas ciências neuro-cognitivas e o processo da aquisição da escrita é muito mais complexo do que julgavam os pobre “sábios” de 1911…. pouco tendo a ver com a morfologia e ortografia das palavras.
      Talvez ler um pouco dos trabalhos da Prof. Utah Frith, em vez de mais do que ultrapassados autores de há quase 200 anos ajudasse.

      Gostar

  3. Caro Miguel Sousa Tavares: o denominado “acordo ortográfico” não está em vigor em Portugal, pela simples razão que não está em vigor na ordem jurídica internacional (falta de ratificação por unanimidade – regra que não pode ser alterada nos termos da Convenção de Viena sobre o direito dos tratados – nomeadamente art 10º) – não vigência que o governo português reconheceu pública e oficialmente, quando Angola exigiu que as actas da CPLP fossem redigidas numa versão sem ortografia acordizada e o representante oficial teve de anuir, não se tendo atrevido a invocar a vigência do acordo – que vincularia Angola, se apenas 3 ratificações fossem necessárias!
    Ora, não estando em vigor na esfera internacional, não pode vigorar em Portugal, nos termos do art 8º da Constituição Portuguesa.
    Que tal logro seja impingido aos portugueses, fazendo do estado de direito um boneco de trapos, eis o que seria interessante discutir e, até, investigar.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.