Bolsonaro vai em frente, tens aqui a tua gente!

(Por Valupi, in Aspirina B, 08/09/2018) 

ventura2

Candidato à presidência do Brasil pelo Partido Social Liberal, Bolsonaro tem despertado a oposição de parte da sociedade brasileira que alega que este adotou, ao longo de sua carreira, discursos e posturas de cunho machista, homofóbico, racista, contra minorias e a favor do uso da violência indiscriminada para combater a criminalidade. Trata-se de uma figura controversa, pelo discurso a tocar a xenofobia, pela oposição aos direitos da comunidade LGBT, das minorias, das mulheres. André Ventura não se revê nessas posições, mas encontra naquele político ideias muito positivas, o que contraria a corrente. E por isso o autarca de Loures não se surpreende com a liderança nas sondagens do candidato do PSL. “Não me surpreende, honestamente”, diz, em declarações ao PT Jornal. “É essa frescura de pensamento que os liberais ocidentais podiam aprender com Bolsonaro. E Portugal também, pois o politicamente correto está morto. E já só os que vivem à conta do regime é que acreditam nele”, assinala.

(Ver estas declarações do ex-candidato PSD à Câmara de Loures, André Ventura, aqui)


Uma das últimas grandes decisões políticas de Passos Coelho foi a de usar as eleições autárquicas de 2017 para fazer um teste em Loures. O teste consistiu em escolher, promover e defender um candidato cujo discurso apelasse às eventuais pulsões racistas, xenófobas e linchadoras de uma população residente num concelho dos subúrbios da Capital com histórico de violência associada a grupos étnicos ou com características discriminantes. Não sabemos que avaliação fez da experiência – embora o tratamento vexatório e calunioso dado ao primeiro-ministro e ao Presidente da República na sequência da escolha de Lucília Gago para PGR, posto que replica a mesma lógica populista, leve a admitir que gostou do resultado – mas sabemos que o seu candidato foi exímio no cumprimento do papel que lhe foi atribuído. Fez uma campanha no território do medo usando a chancela do partido e até conseguiu defender a pena de morte sem ter visto o presidente do PSD recuar meio milímetro no apoio à sua ignominiosa candidatura.

Não se trata de um caso isolado, muito menos de um erro do fulano que trouxe a Troika para nos regenerar. Já em 2010 ele tinha avisado com que códigos e tropas iria preparar o ataque ao poder, sendo o primeiro e único líder partidário com presença na Assembleia da República a introduzir o tema da criminalização de políticos por “derrapagens” nas contas públicas (precisamente o modus operandi da golpada que afastou Dilma do poder no Brasil em 2016). Um dos seus mais fervorosos apoiantes, Duarte Marques, acumulando o ódio político que o define com o ser deputado por um partido assim definido, foi para o Facebook exultar de alegria quando um certo cidadão foi detido para prestar declarações no Ministério Público, tendo usado uma exclamação triplamente mista, religiosa (“aleluia”), bairrista e judicial (“a malta de Mação não perdoa”), para dar conta do êxtase em que se encontrava pela caçada triunfal da mítica presa. E nada mais, nada menos, do que Miguel Morgado, António Leitão Amaro, Duarte Marques, Miguel Poiares Maduro e José Eduardo Martins assinaram um texto no Expressoonde garantem que António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa legitimaram “o branqueamento do sistema de corrupção e de abuso do poder do passado recente” e ficarão “irremediavelmente comprometidos com o regresso provável a um regime de impunidade que tantos danos causou a Portugal”. Ou seja, não se trata apenas da violência soberba de Passos e Cavaco contra as instituições e quem as representa ao mais alto nível da responsabilidade no Estado, há uma falange de jovens turcos no PSD prontos para dinamitarem os alicerces do Estado de direito democrático se lhes emprestarem uma caixa de fósforos. O dinamite que seguram na mão chama-se ora judicialização da política, ora politização da Justiça, e Joana Marques Vidal é a santa que ostentam brasonada nas armas.

De Cavaco e do seu “falar verdade aos portugueses” ao André Ventura e ao seu fascismo refrescante com sabor a caipirinha vão pouquíssimos anos e ainda menos vergonha na cara. Como a comunicação social é um vasto oceano alaranjado, prefere-se continuar a fazer pontaria ao ministro da Defesa em vez de soar os alarmes perante os sinais que se acumulam a respeito da radicalização da direita decadente.

Continua profético, portanto, e actualizadíssimo, por tanto, o dito atribuído a Manuel Bandeira: “O Brasil é Portugal à solta”.


Fonte aqui

Anúncios

3 pensamentos sobre “Bolsonaro vai em frente, tens aqui a tua gente!

  1. A propósito da frase atribuída a Manuel Bandeira, o Brasil parece – cada vez mais – refinar o pior dos Portugueses, sem exibir – minimamente – a alguma grandeza de espírito ou visão estratégica do mundo, daqueles Portugueses que foram capazes de construir um país com aquela dimensão. Tristes tempos…

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.