As profissões infernais

 (Pacheco Pereira, in Público, 06/10/2018)

JPP

Pacheco Pereira

A escola perdeu a sua função e, no meio de tudo, estão professores sitiados no meio de um inferno cheio de hormonas sem regras.


Para além de outros disparates e fake newsa minha “biografia” na Wikipédia começa com a seguinte frase: “É professor do ensino secundário.” Como se sabe, a Wikipédia é um lugar de muita vingança e má-fé e quem a escreveu usa a expressão “professor do ensino secundário” como um mecanismo de desvalorização, porque sabe muito bem de que grau de ensino fui professor, até porque acrescenta mais abaixo “também leccionou no ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa e em instituições de ensino particular; nomeadamente na Universidade Autónoma de Lisboa”. Ou seja, trata-se de um “professor de ensino secundário” que leccionou na universidade, certamente por grande favor. Como eu não quero saber da minha página da Wikipédia para coisa nenhuma, nunca corrigi nada. Corrijo mais facilmente quando me tratam por professor doutor, que não sou, para não correr o risco de ser incluído na escola Sócrates-Relvas de abuso de classificações académicas.

Se a intenção é usar a expressão “professor do ensino secundário” como classificação pejorativa, estão bem enganados. Fui de facto professor do ensino secundário com muita honra e fiz a diáspora habitual dos professores, dei aulas em Vila Nova de Gaia, Coimbra, Espinho, Boticas e no Porto e aprendi muito mais nesse deambular do que na universidade. Por uma razão muito simples: é que já era então muito mais difícil ser professor do ensino secundário do que universitário. E a realidade é que, quer num quer noutro grau de ensino, as coisas pioraram muito desde esses anos.

É que o problema não é o dos adolescentes de hoje, é também o dos pais dos adolescentes de hoje, parte deles também professores, normalmente os mais hostis aos seus colegas.

O problema é uma sociedade que deixou todos os problemas, de raça, de exclusão, de pobreza, de marginalidade, de droga para a escola e na escola para os professores. As famílias demitem-se e acham que é a escola que lhes deve socializar os filhos com um mínimo de “educação” e, como isso, não acontece atiram-se contra os professores.

Não é preciso ir mais longe do que a absurda prática de deixar levar telemóveis para as aulas, sabendo-se como se sabe que não há qualquer utilidade no seu uso, e que servem apenas para uma nova forma de se estar “agarrado”. A completa falta de qualquer autoridade nas escolas torna-as um falanstério de ruídos, perda de atenção, violação da privacidade e crime, em que o comodismo dos pais, e a sua idêntica falta de autoridade, isola a função de ensinar de qualquer utilidade social.

A escola perdeu a sua função e, no meio de tudo, estão professores sitiados no meio de um inferno cheio de hormonas sem regras. Não admira que seja das profissões que mais frequentam psiquiatras e psicólogos e que ardem mais depressa do que o pavio de uma vela curta. Venham pois hipocritamente atacar os professores, esses preguiçosos privilegiados.

res+eito

Uma questão interessante de discutir em democracia é a de saber que critérios devem existir para pagar salários mais elevados e se um dos fundamentais não é a dificuldade no exercício da profissão. Se um homem do lixo, que faz um trabalho que ninguém quer, se um mineiro, que tem um trabalho duríssimo, não deveriam ganhar muito mais do que um burocrata ou mesmo um trabalhador qualificado ou um gerente bancário ou um técnico de informática? E carregar sacos e caixas de cerveja, ou passar o dia a abrir valas debaixo de um sol impiedoso nas ruas da cidade? A resposta habitual é que as qualificações significam “valor” e produtividade, e é verdade. Mas devem esses serem os critérios principais na atribuição de um “valor” no salário? O “valor” económico deve sobrepor-se à “justiça” social? Não é uma questão fácil de responder, mas merece ser discutida.

E é por isso que eu nunca alinho nessa lenda de que os professores são uns privilegiados e que não merecem o parco salário que ganham. Experimentem ir para Almada ou para Campanhã ou para o Seixal ou para Sacavém ou para Setúbal dar aulas a alunos e alunas de 13, 14, 15, 16, 17, 18 anos…

Anúncios

7 pensamentos sobre “As profissões infernais

  1. Em nome de todos os professores, obrigada Dr Pacheco Pereira. E até no ensino primário, precisamos de gente competente, formados para essa função tão importante quanto exigente e bem especial. Ensinar com profissionalismo aos nossos pequenos, a ler, contar, escrever, se comportar, respeitar os outros, abrir os seus cérebros para múltiplas coisas, não conheço missão mais digna. Demasiadas vezes pouco amparada pelos pais que não entendem o processo educativo.

    Gostar

  2. O Pacheco Pereira, é acima de tudo, uma pessoa que complica tudo de uma forma tão complicada, que ao fim de tantas trocas e baldrocas, até dá para se armar em vítima e parecer uma boa pessoa.
    Senão vejamos: o que é que eu, contribuinte a quem querem sacar mais algum, para dar um bónus aos professores, que foram roubados como eu fui, por um governo a quem não exigiram nada e até ajudaram a chegar ao poder, tenho a ver com o titulo atribuído ao autor do texto no Wiquipédia?
    Mais, onde é que o autor ouviu alguém dizer, que os professores são menos importantes que um deputado ou um intelectual que dá umas aulas numa Universidade e que não merecem um parco salário como um outro qualquer cidadão, cantoneiro, varredor, operador fabril, vigilante, mineiro ou até, os gatunos autorizados que por aí proliferam com o seu apoio disfarçado?
    Dar aulas em Almada, Campanhâ, Seixal, Sacavém ou Setúbal, é diferente de ser vigilante, cantoneiro, cozinheiro de cantinas escolares, auxiliar administrativo, e mesmo ser pai nesses concelhos (que em tantos aspectos são marginalizados pelas políticas aplicadas por políticos, que em regra são defendidos pelo autor) porquê?,

    Gostar

  3. Desculpem mas até parece que o Laranjo anda a fumar substancias estranhas….
    Nota : eu não preciso ser professor para saber que o que P Pereira diz é verdade!

    Gostar

  4. O ideal para os Prof. era que o orçamento do fosse distribuído entre todos eles ,todos os outros funcionários públicos ficariam com o que resta-se , mas e admissível um pensamento assim de pessoas que tem formação ,acho que não, fazem lembrar as crianças quando vão a feira com os pais e fazem birra porque os pais não fazem o que querem !
    acho bem que acordem coloquem os pés assentes no chão e pensem , um orçamento do estado e o mesmo que o orçamento da nossa casa só que mais difícil, por isso pensem no que andam a fazer!

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.