OS AMIGUINHOS DO POVO

(José Gabriel, 24/04/2018)

capitalista1
A direita em Portugal – e todos os assumem as suas políticas -, abomina o investimento em serviços públicos de, particularmente, três áreas: saúde, educação e segurança social – por esta ou outra ordem. Como o sabemos? Pelas suas práticas reiteradas cada vez que as suas políticas hegemonizam o poder. Para a direita e quem faça as suas vezes, investimento público significa, invariavelmente, sugar com avidez os recursos do Estado, de todos nós, e pô-los ao serviço dos interesses privados que a patrocinam.

Que isto seja frequentemente acompanhado de corrupção é um desgraçado bónus que fica à nossa conta; mas, mesmo quando isso não acontece, a natureza do saque muda mais de grau que de natureza.

Daí o profundo nojo com que se assiste à direita parlamentar rasgando as vestes pelo financiamento do Serviço Nacional de Saúde, quando ela própria votou contra ele desde a sua fundação e, sempre que lhe coube governar, mais não fez que lhe desviar fundos para as organizações privadas do sector; a náusea que provoca ouvir a defesa do Ensino Público por quem o deixou à beira da exaustão enquanto uma rede de desqualificados parasitas lhe vampirizava os recursos; a raiva de ouvir preocupações sobre a Segurança Social por parte de quem sempre se dividiu entre privatizá-la ou deixá-la esgotada de meios e futuro.

E a revolta não decorre tanto do facto de a direita e correlativos defenderem os pontos de vista dos interesses que representam. Isso é natural, não seria de esperar outra coisa.

O repugnante é o modo como as figuras mais reaccionárias do regime tentam mimetizar comportamentos e argumentos geneticamente de esquerda, em tons que variam entre a indignação de pechisbeque e a piedade lacrimejante dos hipócritas. Com seguimentos conhecidos nas suas metástases televisivas e jornalísticas.

Advertisements

4 pensamentos sobre “OS AMIGUINHOS DO POVO

  1. A tal da “direita” – mero espelho da esquerda – está apenas sequiosa! E a sequidão está a levá-los ao desespero porque estão a ver que ainda vem longe o dia em que vão, novamente, abraçar o POTE com as suas patas salafrárias.

    NÃO SE ESQUEÇAM, POR FAVOR, É DE CONTINUAR A VOTAR EM SALAFRÁRIOS!

    Afinal de contas uma democracia sem salafrários é como uma ditadura sem ditador!

  2. Nunca se esqueçam: “Mas não, menina, ninguém vai tirar os subsídios à tua mãe”.
    Só acredita quem, na realidade, quiser ser enganado.

  3. Pois, a “direita”, o PS nunca faria PPP na saúde ou poria a privatização da SS no programa eleitoral… ah, perdão, plafonamento.

  4. 25 de abril
    É a festa da liberdade deles – políticos – que conquistaram com esta revolução a liberdade de “roubar legalmente” e continuarem livres mesmo depois de condenados.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.