A Síria e o risco iminente da guerra

(Carlos Esperança, 13/04/2018)

trump9

A Síria foi uma das muitas estações onde descarrilou o comboio das primaveras árabes, onde a população urbana ansiou conquistar ao ditador, Bashar al-Assad, um quinhão de liberdade que acabou em pesadelo, aos gritos de ‘Deus é grande’, com várias potências a disputarem um espaço estratégico da geopolítica mundial, numa guerra onde xiitas e sunitas vertem o ódio e o petróleo ao serviço de potências e interesses divergentes.

A ONU identificou 25 ataques químicos de 2011 a 2017 e os investigadores atribuíram a maioria dos ataques às forças governamentais da Síria. Não se pode lavar a imagem de Assad, mas deixa de fora a autoria de outros ataques. O mosaico de interesses cruzados e de aliados suspeitos, de tantos e tão desvairados lados, dificultam a investigação.

A Síria teve armas químicas e usou-as, mas, tal como Saddam, aceitou que o seu arsenal fosse destruído, e Assad teria de ser demasiado estúpido para reincidir, caso dispusesse delas, pela repercussão devastadora quando a correlação de forças o favoreceu.

O antigo acordo entre a Síria e o Irão para construção do oleoduto para escoar o petróleo da região do Mar Cáspio, evitando a Turquia e preterindo sauditas e outros países do Golfo, no fornecimento de petróleo ao Ocidente, parece ser ainda a causa primordial da guerra que devastou o primeiro país e ameaça o segundo.

Surpreende que a Senhora May, que não conseguiu provar a origem do envenenamento do ex-espião russo, já tenha descoberto provas do último ataque químico de Assad, que Macron garanta possuí-las, sem as apresentar, quando a primeira precisa de disfarçar o desastre do Brexit e o segundo a imparável contestação social.

Putin é frio, inteligente e perigoso. Entrou no Médio Oriente por inépcia ocidental e não larga a imprevisível hegemonia que conquistou e cuja disputa pode custar uma tragédia mundial, enquanto engole sapos para tolerar a Turquia e lança advertências a Israel.

Trump, acossado pela conexão russa, pelas investigações judiciais e previsíveis derrotas eleitorais do seu partido, necessita de uma guerra para, à semelhança de May e Macron, aliviar a pressão interna, e não dispõe de uma sem riscos controláveis, sendo ele próprio volúvel, imprevisível e irrefreável.

Antigamente os animais falavam, agora twitam. Trump fala de mísseis como as tias de Cascais de cãezinhos treinados que, entre ósculos e lambidelas recíprocas, os designam «bonitos, novos e inteligentes».

Enquanto a espada de Dâmocles, nuclear, paira sobre a Humanidade, os curdos são mais uma vez sacrificados, a China avança para a hegemonia, à boleia de péssimos dirigentes políticos na Europa e EUA, e o Mundo, assustado, anseia pela paz, duvidosa e precária.

Anúncios

4 pensamentos sobre “A Síria e o risco iminente da guerra

  1. «A ONU identificou 25 ataques químicos de 2011 a 2017 e os investigadores atribuíram a maioria dos ataques às forças governamentais da Síria.» – esta frase precisava de ser suportada por fontes. Tanto quanto sei, nem o relatório de Ghouta (o mais grave) de 2013 da OPCW é concludente na acusação, ainda que aponte como provável responsabilidade ao exército de Assad. Mas em contraponto vale a pena ler o artigo «ISIS Used Chemical Arms at Least 52 Times in Syria and Iraq, Report Says» do New York Times, de 2016. É só ir ao Google.

    Gostar

  2. Era bom deixar de se pensar que na Síria houve (há) uma guerra civil com características religiosas de xiitas contra sunitas. Na verdade, sabendo-se que a maioria esmagadora dos jhiadistas radicais (é redundância, mas ignore-se) são sunitas e whabittas. Sabendo-se que que o exército de Assad de cerca de 150 000 elementos é composto por cerca de 70% !!!! de sunitas e engloba alawitas, xiitas, cristãos ortodoxos e maronitas e ainda druzos, como se pode falar de guerra religiosa? É querer tapar o Sol com a peneira.

    Gostar

  3. O escravo tuga que debita este texto – Carlos Esperança – sofre de propagandite aguda causada pelos Vírus MMS (VMMS)!

    Afirmar que o que aconteceu na Síria tem origem no facto de a população urbana ter ansiado conquistar ao ditador, Bashar al-Assad, um quinhão de liberdade, é resultado directo dos delírios que a infecção pelo VMMS!

    Mas enfim… Se há coisa que existe nestas pseudo-democracias ocidentais são escravos boçais infectados com o VMMS!

    Vai dando para 😆

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.