O PSD vai voltar ao poder com Pedro Passos Coelho?

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 04/08/2017)

nicolau

Nas últimas semanas, o Governo, a quem tudo corria bem onde se pensava que tudo lhe correria mal (na frente económica), viu a vida a correr mal nas áreas onde se pensava que tudo lhe correria bem (política, social e laboral). O Presidente da República deu uma entrevista e a sua pitonisa, Luís Marques Mendes, disse que era a prova de que Marcelo se tinha começado a distanciar do Executivo. A oposição tem cavalgado impiedosamente o drama dos incêndios e o roubo de Tancos, anunciando mesmo o apoio a greves anunciadas. Sente-se que o Governo está ferido e que as negociações para o Orçamento do Estado de 2018 podem abrir fissuras importantes entre PS, por um lado, e Bloco e PCP, por outro. A maioria absoluta com que os socialistas secretamente sonhavam é agora mais incerta e a oposição não afasta uma vitória eleitoral em 2019. Há, contudo, um pequeno problema: será que o PSD pensa que vai voltar ao poder tendo como líder Pedro Passos Coelho? Será que o presidente do PSD é o homem certo para cativar o voto dos portugueses? Será que os sociais-democratas pensam que o discurso punitivo do seu líder entre 2011 e 1015, bem como o rol de desgraças que tem anunciado ao país desde aí, conduzirá a uma enorme vaga de fundo que levará de novo o PSD ao poder daqui a dois anos?

É incontornável: a estrela do Governo começou a empalidecer. Já não falo dos incêndios por todo o país, da morte impensável e inadmissível de 64 pessoas em Pedrógão e da devastação de Mação, o concelho que mais se tinha preparado para enfrentar o fogo, do colapso do SIRESP, da descoordenação no combate aos fogos, das contradições entre as diversas entidades que tem por missão enfrentar essa calamidade, das fragilidades evidentes de que deu provas a ministra da Administração Interna na condução do processo. Já não falo daquilo que me pareceu um erro político evidente: o primeiro-ministro ter ido de férias uma semana depois do drama de Pedrógão. Já não falo da ópera bufa em que se tornou o roubo de armamento militar em Tancos, que primeiro era gravíssimo e deu origem à demissão temporária de cinco chefes militares para depois se tornar num caso sem grande importância em que o que foi levado pelos assaltantes não passava afinal de material à beira de ir para a sucata e que não valia mais de 34 mil euros (só faltou agradecer aos autores da proeza o que fizeram), pelo que os cinco chefes exonerados voltaram de novo a ocupar os cargos. Já não falo sequer da remodelação governamental, em que alguns dos secretários de Estado que saíram (dos Assuntos Fiscais, da Inovação e da Internacionalização, por exemplo) eram não só peças-chave nos respectivos ministérios, como politicamente muito próximos de António Costa.

O que sublinho agora é a tensão laboral que está claramente a aumentar, impulsionada sobretudo pela CGTP, com o anúncio sucessivo de greves de enfermeiros, médicos, funcionários dos serviços de estrangeiros e fronteiras e até juízes. O que sublinho é que entre os partidos que apoiam o Governo se manifesta um claro incómodo por parte do BE e PCP com as cativações orçamentais efectuadas pelo Ministério das Finanças. O que sublinho é que o Governo, com as mudanças ao nível das secretarias de Estado, ficou mais fraco e vulnerável. O que sublinho é que nas mais recentes sondagens de opinião, o PS continua a subir, mas António Costa desce pelo segundo mês consecutivo. E Costa é o garante e o seguro de vida desta solução governativa, apoiada por PS, BE e PCP.

Será que dentro do PSD ainda alguém acredita que um líder que promete aos portugueses a vinda do diabo ou a necessidade de um novo pedido de ajuda internacional é o homem ideal para dirigir o partido nesta fase?

Dito isto, a oposição deveria estar a esfregar as mãos de contente. PSD e CDS já deveriam estar a preparar a festa para assinalar o dia em que, daqui a dois anos, entrarão coligados de novo pela porta grande de São Bento. Acontece que as mesmas sondagens de opinião não mostram que se esteja assim muito perto de acontecer tal coisa. Pelo contrário, não só a esquerda (PS, BE e PCP) continua claramente maioritária, como o PS, com mais de 40%, se encontra próximo da maioria absoluta. O PSD caiu abaixo dos 30% há largos meses e não há meio de voltar a ultrapassar essa barreira psicológica. Assunção Cristas, a líder do CDS, vê a sua popularidade quebrar para metade em muito pouco tempo. Por isso, a pergunta que se coloca é a de saber se será com Pedro Passos Coelho ao leme do PSD e Assunção Cristas à frente do CDS que a direita voltará ao poder. E a resposta, neste momento, é clara e insofismável: não, não é.

Suponho, aliás, que dentro do PSD isso está claro para muita gente. Luís Montenegro, até agora líder parlamentar do PSD, já disse que ganhou direito a estar no futuro do PSD. Rui Rio há muito que anda a contar espingardas. Morais Sarmento é provavelmente o mais temível candidato ao lugar de Passos Coelho. E mesmo Assunção Cristas não conseguiu, até agora, passar a ideia de que é mais do que uma líder de transição.

As eleições autárquicas não serão definitivas para esclarecer quem vai liderar a direita nas eleições legislativas de 2019. Provavelmente, teremos de esperar mesmo pelo que vai acontecer daqui a dois anos. Mas será que o povo social-democrata, se se convencer que não vai conseguir regressar ao poder nessa altura, aceitará que mesmo assim seja Passos Coelho a liderá-lo nesse combate?

E será que dentro do PSD ainda alguém acredita que um líder que promete aos portugueses a vinda do diabo ou a necessidade de um novo pedido de ajuda internacional é o homem ideal para dirigir o partido nesta fase? A resposta parece óbvia para quem está de fora, mas terão de ser os militantes social-democratas a dá-la.


Contactos do autor: Email

Anúncios

8 pensamentos sobre “O PSD vai voltar ao poder com Pedro Passos Coelho?

  1. Se o Sr.P.Coelho, ainda não largou o PIN da lapela. Pode continuar a sonhar, mas os Portugueses não o esquecem que foi o pior PM dos últimos 40 anos, da história democrática Portuguesa.

    Gostar

  2. Não há dúvidas o Nicolau entrou na deriva do Expresso, bota abaixo no Governo por causa
    da calamidade de Pedrógão, sem aguardar pela finalização dos trabalhos da Comissão Inde-
    pendente, continua a atacar a MAI com acusações pouco sustentadas para não dizer ridícu-
    las, como aquela de empurrar o Secretário de Estado para se colocar junto do Presidente,
    por alegada procura de protagonismo!?! Foi o Nicolau no seu pior, será uma questão de clã???

    Gostar

  3. Estou perplexo pela análise que o Sr. Nicolau Santos, pessoa que até aqui tem merecido o meu apreço, faz ao PS e concordo com o comentário do Sr. J. Madeira. Por vezes as pessoas descarrilam vá lá saber-se porquê. O Sr. Nicolau tece uma série de criticas que se eu não tivesse lido quem as fazia diria que estava na presença de um comentador de direita ou talvez mais. Dá-me a impressão que o Sr. Nicolau ou levou algum puxão de orelhas de quem lhe paga ou não querendo ficar para atrás alinhou no coro direitista que vê catástrofes em tudo e até as deseja. Então Sr. Nicolau, vamos lá ver para que lado o Sr. quer cair: vê fissuras, vê feridas, vê incertezas, vê a estrela do PS a empalidecer, recorre, tal como Passos e a direita, às mesmas banalidades sobejamente badaladas para denegrir o Governo: aos incêndios, a Tancos, à ministra, aos Secretários de Estado (se tivessem ficado os que lá estavam o que o Sr. diria). As pendengas entre o Governo e PCP e BE, são naturais. Não fazendo estes dois partidos parte do Governo têm de agradar às suas clientelas políticas para poderem sobreviver e daí partirem para alguma contestação. Mas daí a poderem pôr em causa o Governo a coisa fia mais fino. Que ganhariam com isso.? Voltarmos ao Passos ou outro igual. Creio que já todos vimos este filme a quando do derrube do Governo Sócrates e que se tiraram as devidas conclusões. Parece-me que o Sr. está um bocado atrasado nestas apreciações. Sabia que isto já foi dito por todos os detratores do Governo? Porquê só agora? Quem lhe encomendou o sermão? Mas o que é surreal nisto tudo é que mais abaixo é o próprio Sr. que afirma: “O que sublinho é que nas mais recentes sondagens de opinião, o PS continua a subir”. (o sublinhado é meu) Pergunto como pode ser isto? Com tantas desgraças que o Sr. invoca o PS sobe? Depois não se percebe bem se o Sr. está a criticar Passos Coelho ou desejoso que seja ele a liderar o PSD nas próximas eleições de 2019. Enfim tenho a impressão que o Sr. teve dois sonhos e a meio da noite acordou estremunhado e misturou as criticas da direita com a evolução positiva do Governo. Enfim, coisas que acontecem. No melhor pano cai a nódoa.

    Gostar

  4. Vejam. O exemplo perfeito do que digo no comentário acima ao DO: tudo o que digo nesse comentário se aplica tim tim por tim tim a este mafarrico do lacinho.
    O do lacinho andava a armar ao fingimento de costista para melhor enganar quem quer enganar mas, de repente, o homem do expresso do ti balsemão veio pôr-se a jeito para pagar a sua “força de opinião” ao dono. Com tal opinião o ti Balsemão, por interposto homem do lacinho, dá a entender às hostes pàfianas que passos não serve e que é preciso outro chefe para o PSD.
    Inevitavelmente o grupo de media do militante nº 1 vai pôr-se ao ataque a passos e os seus serventuários vão todos pôr-se a jeito de fazer os fretes necessários, necessariamente.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s