Tremam de aborrecimento: vamos para a silly season em plena estagnação política

(José Pacheco Pereira, in Público, 15/07/2017)

 

Autor

                 Pacheco Pereira

(Caro Pacheco Pereira

Essa de dizeres que o “país está estagnado” é uma forma sibilina de dizeres que só uma solução, “bloco central” pode ser fautora de mudanças de fundo. Na verdade, devias dizer que, no actual quadro económico-financeiro e tendo em conta a arquitectura jurídico-institucional do Euro e dos tratados europeus, quaisquer mudanças de fundo tem que passar pela benção de Bruxelas e de Frankfurt. E por isso, qualquer governo, seja ele qual for, desde que não ponha em causa essa arquitectura, só pode “navegar à vista”. Os portugueses já perceberam isso e preferem um governo que lute no quadro da nossa soberania limitada, do que um governo que se renda e seja conivente com os ocupantes. É por isso, e sobretudo, que a Geringonça está e estará de pedra e cal, mais por isso do que pelo facto de os seus actores se encontrarem numa espécie de equilíbrio de Nash, que tu descreves, apesar de não nomeares o conceito.

É que, os portugueses preferem ir para a silly season aborrecidos , com a Geringonça ao leme – mas com o subsídio de férias intacto -, do que frenéticos com o governo da PAF e os bolsos mais vazios.

Estátua de Sal, 15/07/2017)


Às vezes acontece que as coisas param, o que não é muito normal. Mas a verdade é que, no plano estritamente político, o país está parado, para não dizer estagnado. Esta linha flat não se estende para tudo, bem pelo contrário. No plano económico, social, cultural, e outros mesmos de intersecção entre a política e a sociedade, algumas coisas estão a mudar, mas a estagnação política reduz o ritmo de tudo. O que é que eu quero dizer quando afirmo que em matéria política tudo está parado? Que não estão em curso factores de mudança no plano político, nem no lado do Governo, nem da oposição, que permitam sair da estagnação. Podem acontecer amanhã — sei bem que a história faz-se por surpresas imprevisíveis —, mas não existem hoje.

Explico-me. Do lado do Governo, três partidos convergem numa solução política sui generis, mas muito estável. Há uma razão para essa estabilidade: o facto de esta aliança político-parlamentar-governativa ser vantajosa para todos os seus parceiros e nenhum achar que fora dela teria mais vantagens. Não há no PS, nem no BE, nem no PCP nenhum movimento interior que conteste a aliança actual. No PS, a oposição que veio do sector de António José Seguro está limitada a meia dúzia de vozes que se manifestam sempre que alguma coisa corre mal ao Governo e a António Costa, mas fala muito sozinha. Do lado do interior do PS está tudo morto, como, aliás, é normal que aconteça em partidos deste tipo quando estão no poder.

Do lado do BE não há nenhuma corrente significativa que ponha em causa a aliança parlamentar, nem sequer vozes isoladas que reflictam sobre o que ela significa para a esquerda radical. As que havia saíram pelo seu próprio pé do BE, umas desejando, numa altura em que isso não era muito previsível, uma maior aliança com o PS, o partido Livre; e outras, mais radicais e que se oporiam a estes acordos, para o MAS. Uma parte da dinâmica das tendências do BE é internacional e tem que ver com as correntes do trotsquismo, mas com o MAS tornou-se exterior.

No caso do PCP, ainda menos se vê qualquer oposição ao acordo, bem pelo contrário. Ocasionalmente a imprensa apresenta umas vozes como sendo mais críticas do acordo com o PS, particularmente nos meios sindicais, mas se há parte da constelação de organizações do PCP que beneficia com este acordo é o movimento sindical. Nenhum partido mais do que o PCP, nem sequer o próprio PS, beneficiou mais com este acordo, que travou a ofensiva anti-sindical que era uma das linhas de actuação mais consequente dos partidos da PAF, o PSD e o CDS. O PCP e a CGTP não conseguiram reverter nesta área muitos dos estragos causados pela governação pró-troika, a não ser nalguns aspectos da contratação colectiva, mas conseguiram um efeito de travagem e um tempo de respiração de que precisavam com urgência. Daí que a conflitualidade social seja hoje em grande parte simbólica, ou nas margens de negociação consentidas pelo acordo.

Não vale a pena, por isso, os comentadores ligados ao PSD e CDS e ao sector mediático da direita verem divisões e crises onde elas não existem, porque, por razões puramente racionais e de vantagem, ninguém quer romper o entendimento que permitiu a “geringonça”. Não há pois aqui factores de mudança, nem sequer de muita usura.

O mesmo acontece à direita, onde estava o CDS e que absorveu há muito a direcção do PSD. Nenhum dos partidos está em condições de criar dificuldades significativas ao Governo, como se viu nas recentes crises de Pedrógão e Tancos. A julgar pelos comentários, em particular do PSD, o Governo e a coligação no poder estariam nas vascas da agonia e o tombo do optimismo para o pessimismo seria adquirido, abrindo caminho para um “novo ciclo”. Na verdade, o Governo passou um mau bocado, mostrou fragilidades e uma atrapalhação inaceitável, mas mesmo assim não parece atingido na sua força política nem na sua popularidade.

Há razões para que isso seja assim, em particular o evidente aproveitamento político de uma tragédia, que funciona sempre ao contrário do pretendido. Percebe-se, e esta percepção é devastadora, que há um claro desejo de que as coisas corram mal para o Governo, até por impotência própria, e, se uma tragédia ajuda, ainda bem, venham mais tragédias. É tão evidente este desejo perverso, que qualquer debate racional é inútil para ter ganho de causa, e, por isso, mesmo onde o Governo falhou calamitosamente, a oposição não ganha um voto.

As pessoas atribuem responsabilidades ao Governo, mas não eximem dessas responsabilidades a oposição, em particular porque mal se saia da condução política imediata das crises e se queira passar para matérias mais estruturais, como tentou o CDS com a ideia do desprezo pelas áreas de soberania, imediatamente lhe cai em cima o desastre que foram estes últimos anos de degradação das Forças Armadas, de redução de meios, de medidas de política como a facilitação da plantação de eucaliptos, a politização da protecção civil e dos bombeiros. O CDS está reduzido a um partido tribunício, cujas causas “populares” soam a falso e as elitistas mobilizam muito pouca gente.

O PSD ficou congelado no tempo e, como qualquer coisa que está congelada, torna-se duro e hirto. Passos Coelho não consegue ocultar o seu desejo de que o Diabo nos visite, e seja o fogo, os ladrões de armas, seja lá o que for, pensa que pode beneficiar dessas circunstâncias. A gafe dos suicídios é psicologicamente reveladora dessa vontade e, em política, isso é autodestrutivo.

Porque é que o PSD, que sempre teve um potencial de conflitualidade interna considerável, não o afasta? Porque, como se viu nas recentes eleições internas, não há qualquer dinâmica de mudança no seu interior, mas apenas um entrincheirar de posições que é normal quando se perde o contacto com a realidade e se vive de uma ortodoxia póstuma. O núcleo de poder partidário à volta de Passos Coelho precisa desesperadamente dele, porque precisa desesperadamente do poder que o partido lhe dá, porque não tem recuo para a sociedade.

No PSD, há um fenómeno de oligarquização sem precedentes, logo uma dependência quase exclusiva do poder interno, por parte de gente que não tem qualquer obra pública, nem reconhecimento profissional, nem sequer é conhecida pelos militantes, quanto mais fora do partido. Por isso, o PSD não constitui qualquer risco para o Governo e não introduz qualquer factor de mudança no sistema político.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Tremam de aborrecimento: vamos para a silly season em plena estagnação política

  1. Mais uma vez e, como se constata cada vez mais, este Pacheco não passa de um Medina Carreira sofisticado, isto é uma mente virada para o passado embora embrulhando este numa linguagem moderna aparentemente bem dissimulada pela estrutura da linguagem e forma.
    Para topar o seu pensar retrógrado à Medina Carreira temos que descodificar os fundamentos das suas observações acerca da actualidade política. Para tal é necessário lê-lo atentamente e ao longo de um processo mais ou menos longo para fazer as associações certas e, do fundo da mistela toda, dos seus escritos e da sua acção política prática retirar o sentido geral ultraconservador sempre subjacente no seu pensamento.
    Vejamos,
    «Às vezes acontece que as coisas param, o que não é muito normal. Mas a verdade é que, no plano estritamente político, o país está parado, para não dizer estagnado.»
    O “estatuasesal” já assinalou a manigância que subjaz nesta observação perfeitamente inventada e irreal para fazer deduções acerca da realidade que gostaria que houvesse. No governo Sócrates o país vivia, segundo Pacheco, numa agitação permanente de “propaganda” ou “agitprop” (segundo a sua antiga militância), o frenesim constante era todo e somente propaganda mesmo que no terreno e no imaterial todos os dias impressionantes alterações e mudanças acontecessem. E o próprio Pacheco vivia aterrado de medroso num frenesim para travar a embalagem das mudanças socráticas a tal ponto que criou no “Abrupto” uma contagem comparada diária dos tempos de antena do governo e da oposição como arma de arremesso contra a dita “propaganda”.
    Agora que as alterações e mudanças políticas acontecem calma e ponderadamente uma de cada vez, à maneira de Costa, o sibilino retrógrado sofisticado vem proclamar aos fiéis (os embasbacados) que “o país está parado, para não dizer estagnado”.
    A mesma técnica usou recentemente ao inventar a teoria de “que a realidade está sempre mais perto do que pode correr mal do que pode correr bem”. Um pensamento racional provaria que é ao contrário visto que a civilização, embora com altos e baixos, tem caminhado sempre segundo o progresso e não o retrocesso.
    A prova real de que não passa de um Medina Carreira, embora mais convincente e menos bacoco, está no seu longo apoio intelectual e político ao bronco e medíocre Cavaco Silva, e pior, a sua convivência alegre e feliz com o cavaquismo dos duarte limas, dias loureiros, miguéis relvas, durões barroso e o bando de costas do PBN sem a mais pequena denúncia acerca de alguém desta escumalha corrupta que não estagnou o país porque o assaltava todos os dias.
    Sob o olhar e complacência do Pacheco.

    Gostar

  2. E depois há aquela coisa da teoria da relatividade que, aplicada ao universo das ciências sociais, nos dirá que às vezes quando um «organismo A» parece estar «estagnado», havendo (como há sempre…) outros organismos em movimento (em variados sentidos…) pode acontecer que a «estagnação» do referido «organismo A», seja apenas aparente. Ou ainda que do movimento dos outros organismos venham a resultar oportunidades que o dito «orgaismo A» só poderá aproveitar se para isso estiver minimamente preparado e intencionado…
    Para dissertação abstracta e abstrusa fico-me por aqui… 🙂

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s