PIGS IN SPACE?

(Ana Cristina Leonardo, in Expresso, 26/11/2016)

ANALEONARDO

                     Ana Cristina Leonardo

No final de junho, o físico Stephen Hawking afirmou, no âmbito do III Festival Starmus que tinha precisamente como mote “Para lá do horizonte — Um tributo a Stephen Hawking”, que os humanos teriam cerca de mil anos para abandonar a Terra se quisessem sobreviver como espécie. A visão negra do futuro a longo prazo do autor de “Breve História do Tempo” — que, a propósito, torna a visão negra de Passos Coelho do futuro a curto prazo absolutamente irrelevante —, não sendo partilhada por todos os seus pares, coloca-nos ainda assim, e às gerações vindouras, perante a possibilidade real do abismo, por muito que se consiga reduzir o tamanho da pegada ecológica. Se aliarmos a isto a sobrepopulação e os avanços em Inteligência Artificial, poderíamos ser levados a pensar que o caldo para um novo boom da ficção científica estava criado. Ao invés, a ficção científica, pouco dada a psicologismos, continua a não atrair significativamente o público (“Matrix”, a partir de “Neuromancer”, talvez tenha sido o seu último grande sucesso popular), e quando se fala no género os nomes tendem a repetir-se: Asimov, Arthur Clarke, Frank Hebert, Fred Hoyle, H.G. Wells, Robert Heinlein, William Gibson, Philip K. Dick, Ray Bradbury, J.G. Ballard… As gerações mais novas parecem tender antes para um gosto barroco por vampiros e mortos-vivos, mais fantasia do que ficção científica, mais emoção do que racionalidade. Mera hipótese, não faz tese, mas não terá sido apenas a pensar na eleição de Trump que a palavra do ano de 2016 escolhida pelos Dicionários Oxford foi post-truth, pós-verdade. E explicaram-na: termo que se “relaciona ou denota circunstâncias em que os factos objetivos têm menos influência na formação da opinião pública do que os apelos emocionais e as crenças pessoais”. Emoção, ora aí está. E tratando-se de emoção, como cantava Nelson Ned: “Tudo passa, tudo passará”. Depois da inteligência emocional tão em voga, eis a emoção desprovida de inteligência. Sem espaço para usar instrumentalmente a massa cinzenta — porque, sejamos honestos, como e para quê compreender a realidade se não se pode transformá-la? —, sobra-nos reagir.

Encurralados num mundo que desaba a olhos vistos — septuagenário, criado sobre os escombros da II Guerra, um mundo que talvez venhamos a ter de reconhecer atípico — esbracejamos. Emocionamo-nos. Na verdade, se pudéssemos, muitos de nós embarcariam já amanhã para Marte.

3 pensamentos sobre “PIGS IN SPACE?

  1. Aqui está uma mistela de puxar lustre à sabedoria para não nos dar um pensamento, nem pequenino, que nos ilucíde ou mesmo para fingir que se sabe muito para dizer nada. Nada? Não, muito pior, para nos iludir.

    “termo que se “relaciona ou denota circunstâncias em que os factos objetivos têm menos influência na formação da opinião pública do que os apelos emocionais e as crenças pessoais”. Emoção, ora aí está.”

    O que a Ana nos devia explicar é porquê e quem promove o pensamento e factos objectivos e subjectivos, principalmente os subjectivos, que levam as pessoas comuns normais a proceder culturalmente na sua vida prática de modo a que “os factos objectivos têm menos influência na opinião pública do que os aspectos emocionais”.
    Ana, as pessoas determinam-se segundo os conhecimentos e opiniões que lhes impôem e são com esses dados que fazem os seus raciocínios e julgamentos lógicos.
    O seu raciocínio introduz um pensamento falso, no sequimento/apadrinhamento dos que dominam a opiniao e fazem fazer os julgamentos da grande ‘massa’ humana.
    Esquece a Ana, (deliberadamente?) que nem todos são dominados pela emoção: todos os que promovem a prioridade à emoção são brutalmente racionalistas, Tanto que estudam ao mínimo pormenor, quase de forma pavloviana, os ingrediantes “culturais” que o “povo gosta” e devem proporcionar à grande massa para que depois reajam emocionalmente.
    Mas vir dar a entender que a actual sobreposiçao da emoção face à razão é uma regra-lei geral da actualidade é iludir a questão de fundo e fazer o jogo dos que conduziram o mundo até esta situação que descreve falseando-a.

    Gostar

    • Não só há quem trabalha para adormecer as consciências, ou para favorecer a emoção, por exemplo nas notícias do nosso dia a dia (jornais como o CDM), mas há cientistas que trabalham a sério nessa hipótese de ter um dia de largar esta velha terra que a humanidade se empenha tanto a devastar por favor e graça da publicidade do “Consuma sempre mais!”. E quando chegar o momento de embarcar gente apara viver noutros horizontes, para se safar de facto de uma vida tornada irrespirável, só será pela meia dúzia daqueles que tudo captaram pelo proveito próprio. O capitalismo actual está a caminho disso mesmo.Não se esquecem…o ricos cada vez mais ricos, os pobres cada vez mais pobres. sim porque vão precisar de muito dinheiro para conseguir um lugar n nave espacial que os levaram!!!!!

      Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s