É preciso não deixar de sonhar

(Baptista Bastos, in Jornal de Negócios, 09/09/2016)

bb1

Baptista Bastos

“Pelo sonho é que vamos”, escreveu António Ramos Rosa. Pelo sonho, pelo sonho. E o país com que sonhamos está em nós. Podem fazer-nos as maiores indignidades. Pelo sonho é que vamos.


 

Que país desejamos fazer? Pedro Passos Coelho, ao obedecer a normas absurdas das chefias da União Europeia, mandou embora mais de quatrocentos mil jovens portugueses. Muitos deles certamente não voltam, atraídos por uma vida mais segura e com mais acentuado futuro. Obedecia, o português, a instruções das chefias da União Europeia. E está por alinhar a responsabilidade da Alemanha nesta jogatana sórdida. Nada do que somos e fomos foi resguardado. Não é de espantar que António Costa suba nas sondagens, e que Coelho patine nos números, no que diz e como diz. Claro que tudo está em causa. Mas os quocientes de aceitação do que faz o Governo parecem ser convincentes. Claro que o peso deste Governo se acentua com a presença do Bloco e do PCP. E as veladas e claras ameaças à estrutura do Governo não deixam lugar a dúvidas.

“Que Portugal se espera em Portugal?”, perguntava assaz inquieto Jorge de Sena, que nos conhecia bem e às nossas falências, mas também não ignorava a força obscura, por vezes calamitosa, tanto quando agíamos como quando nos calávamos. Estamos numa situação semelhante. Expectantes e um pouco angustiados quanto aos resultados. Porém, sabemos um pouco do que desejamos e do que queremos. Sempre assim fomos, como povo e como expectativas. Três séculos de Inquisição, cinquenta anos de fascismo e do receio que se lhe seguiram marcaram este povo frequentemente admirável.

Queremos ser felizes, é isso. E as mágoas que trazemos da família e do resto que nos rodeia e limita e catalisa marcam os nossos destinos e a nossa maneira de ser e de agir. Quando milhares e milhares de jovens abandonaram o País, em procura de um destino melhor e mais aconchegante, o extraordinário Miguel Relvas disse uma coisa semelhante a esta verdade insofismável: enfim, uns vão e outros ficam. Nesta frase quase obscena, aquele bizarro ministro sublinhava o desinteresse que o caso lhe despertava. E revelava a falta de capacidade redentora e de respeito que possuía. Miguel Relvas anda por aí, muito pimpão, e volta e meia surge nas reuniões organizadas pelo PSD.

Há, em Portugal, com o correr do tempo e sob a capa de um aparente esquecimento, uma casta que se sobrepõe a tudo o que de mais honrado e honesto ainda subsiste em muitos de nós. Na política, o assunto torna-se mais evidente, mas em todas as razões do nosso viver, a indignidade, de vez em quando, sobreleva as mais elementares regras de comportamento social.

Nas comemorações do 25 de Abril, nas ruas e nos discursos, percebemos que a indignidade ainda não baralhou as pessoas. Apesar do sufoco em que vivemos, das dificuldades por que atravessamos, dos desgostos que nos afogam, de tudo o que temos de suportar. A velhice toca-nos à porta e entra pelas nossas janelas, é verdade. Reduz a uma melancolia trágica as nossas conversas, os nossos ideais e os nossos sonhos, também é verdade. Porém, há qualquer coisa de sublime de mágico que nos faz sobreviver.

Pessoalmente, sei muito bem do que falo. Quando a nefasta melancolia me invade vou-me aos livros escritos por aqueles que nunca desistiram. Recordo, com frequência, aqueles, todos aqueles que me ensinaram a pensar no sonho. “Pelo sonho é que vamos”, escreveu António Ramos Rosa. Pelo sonho, pelo sonho. E o país com que sonhamos está em nós. Podem fazer-nos as maiores indignidades. Pelo sonho é que vamos.

4 pensamentos sobre “É preciso não deixar de sonhar

  1. “Pelo sonho é que vamos” julgo que seja uma frase de “Sebastião da Gama” com todo o grande respeito que tenho por Baptista Bastos. Mas julgo que se enganou. Os meus cumprimentos

    Gostar

    • É, de facto, de Sebastião da Gama, o seguinte poema:

      O Sonho

      Pelo Sonho é que vamos,
      comovidos e mudos.
      Chegamos? Não chegamos?
      Haja ou não haja frutos,
      pelo Sonho é que vamos.
      Basta a fé no que temos.
      Basta a esperança naquilo
      que talvez não teremos.
      Basta que a alma dêmos,
      com a mesma alegria,
      ao que desconhecemos
      e ao que é do dia a dia.
      Chegamos? Não chegamos?
      – Partimos. Vamos. Somos.

      Sebastião da Gama, Pelo sonho é que vamos, 1953

      Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s