Feel the Bern

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 01/03/2016)

Autor

                                  Daniel Oliveira

Em 2004, Elizabeth Warren era professora em Harvard e jurista. Dedicava a sua atenção ao endividamento da classe média e às leis que permitem a declaração de bancarrota das famílias. Um debate que por cá devia tomar mais tempo e atenção de políticos e jornalistas. Warren tinha acabado de publicar “The Two-Income Trap: Why Middle-Class Mothers and Fathers Are Going Broke” e merecia atenção dos media. O livro desfazia muitos mitos sobre o endividamento da classe média e como, nas últimas décadas, a perda de rendimento foi substituída pelo crédito. Devemos mais para consumir as mesmas coisas.

Numa entrevista sobre o seu livro a Bill Moyers, na PBS, Elizabeth Warren contava, a propósito de tudo isto, uma história interessante. Como uns anos antes fora chamada pela primeira dama, a senhora Hillary Clinton, para lhe falar sobre esta situação e sobre uma lei que tinha sido aprovada e era, na realidade, um enorme favor às instituições bancárias por tornar muito mais difícil a declaração de bancarrota, obrigando famílias falidas a continuarem a pagar dívidas quando já não tinham o suficiente para o seu sustento. Depois da conversa que as duas tiveram, em que ficou evidente para a jurista a enorme inteligência e rapidez de Hillary, a primeira dama foi ganha para a causa. Acabaria por ser ela mesma a convencer o marido e toda a Administração a vetar a lei. Mais tarde, na sua autobiografia, Hillary iria reivindicar, com razão, os créditos desta corajosa posição da Casa Branca.

Só que uns anos depois a lei regressou. Quando há muito dinheiro envolvido as más leis regressam sempre. Como votou a senadora Hillary Clinton, já dependente do financiamento do sistema financeiro para as suas campanhas, a mesma lei que tinha ajudado a vetar? A favor. E é isso mesmo que Elizabeth Warren contava nesta entrevista de 2004. Só muito depois a própria Warren viria a tornar-se senadora e encontraria em Bernie Sanders um apoiante incondicional na defesa da classe média endividada.

A entrevista acabou por ser desenterrada durante estas primárias. Porque o comportamento de Hillary, relatado por Warren, corresponde a um padrão. E é este comportamento que ajuda a explicar a razão pela qual Bernie Sanders, um candidato distante do “mainstream” democrata, lhe andou a morder os calcanhares durante tanto tempo. É que Hillary representa de forma quase perfeita a maior doença da política norte-americana: a democracia foi comprada. Sanders não se limita, como tantos outros, a denunciá-lo. Tem um percurso político que o deixa totalmente a salvo dessa suspeita. E é também por isso que, baralhando as contas a quem se dedica apenas à mera geometria ideológica, as sondagens indicam que Bernie estava mais bem colocado do que Hillary para vencer Donald Trump. Porque muito do voto em Trump, um homem que usou e abusou do sistema mas sabe fingir que é contra ele, é um voto de quem está farto desta democracia comprada. Estas pessoas sabem que Trump e Bernie não devem nada a ninguém. Trump porque é milionário, Bernie porque tem convicções. A comparação entre os doadores da campanha de Sanders (quase todos pequenos contribuintes) e de Clinton (a esmagadora maioria do seu financiamento vem de grandes doadores) deixa isto tudo muito claro.

Mas isto é a parte fácil desta conversa. O apoio a Sanders não foi apenas um protesto contra o sistema. Sanders encheu salas como há muitos anos não se via ninguém encher e recolhe um apoio esmagador entre os jovens. E, no entanto, Bernie não tem nada de apelativo. É velho e os seus discursos não têm a musicalidade dos de Obama. Não tem estilo e é trapalhão. Não é um político estudado, com a frase certa no lugar certo. É o contrário do que todos os conselheiros de imagem dizem que os políticos americanos devem ser. Faz discursos longos e quase só fala de política. Não construiu uma imagem de si, mas das suas posições e propostas.

Bernie tem do seu lado a coerência de uma vida que, ao contrário de Hillary, não foi feita de adaptações das suas opiniões à vontade dos eleitores ou dos financiadores. Num programa televisivo em que Bernie foi candidato, o famoso Bill Maher explicou que, em sondagens recentes, mais de 90% dos americanos diz-se capaz de votar numa mulher, num judeu ou num negro. 75% votaria num gay. 60% votaria num muçulmano, 58% num ateu. Abaixo de todos eles, com 47%, estaria um “socialista”. E, mesmo assim, Bernie é capaz de passar uma hora a explicar porque é socialista. Ou melhor: a explicar porque é que a maioria dos americanos são socialistas. Regressando a ideias simples e com apoio maioritário: serviço público de saúde, educação gratuita, melhor redistribuição do rendimento. Em vez de fugir das palavras para parecer o que não é, Sanders reconquista as palavras para elas parecerem o que são. Não foge da questão, não vai dourando a pílula. Nunca trata os americanos como se eles fossem estúpidos. Parece não ter receio de perder um único voto. E dá sempre substância programática a estas afirmações.

Esta total autenticidade política (a única que me interessa), que podemos observar em Bernie desde os anos 60, nas suas posições firmes e sensatas, é a razão pela qual conseguiu levar tão longe a sua candidatura. Bernie não construiu uma personagem. Falou de política, de propostas, de programa. Apenas disso. É uma aberração na política-espetáculo dos EUA. Obama tinha o estilo e dava esperança. Bernie tem tudo o que faltava a Obama sem precisar de nada do que ele tem. É um político de outro tempo. Do tempo da política, em que a imagem pouco valia. E, se virmos como já conseguiu abalar os poderes do Partido Democrata, resultou. E resultou porque Bernie tem uma proposta a fazer aos Estados Unidos. Uma proposta que até por cá pode ser transformada numa coisa radical: o regresso à social-democracia. No caso dos EUA, o regresso ao espírito do New Deal.

A estratégia de Bernie Sanders deveria ser observada com atenção pela esquerda europeia. Não, a esquerda não tem de se reinventar, como nos vendeu a terceira via para justificar a sua traição histórica. Não, a esquerda não tem de reconstruir a sua agenda e transformar-se numa coisa “new age” que ignora o essencial da política para tratar de modos de vida. A esquerda terá, claro, de adaptar o seu combate a novas condições, a novos problemas, a novas ambições.

Mas os combates essenciais são os mesmos: contra a desigualdade, pela redistribuição de rendimento, pelo controlo do poder económico pelo poder político, pela garantia de saúde e educação gratuitas para todos. E os instrumentos também são mais ou menos os mesmos e apenas possíveis no único espaço onde a democracia se continua a exercer: o nacional. Sem que isto obrigue a qualquer nacionalismo. O segredo do discurso de Bernie é corresponder a aspirações socialmente maioritárias. E, pelo menos nisso, não ceder um milímetro.

É claro que, neste momento, um fenómeno como Bernie Sanders seria impossível na Europa, onde até haverá mais gente a concordar com ele do que nos EUA. Para que isso acontecesse era preciso que não dependêssemos totalmente de gente que ninguém elegeu e dos interesses que representam. Em Bruxelas inventou-se uma forma de nem sequer ter de comprar políticos. E esse é, neste momento, um desafio que a esquerda europeia, ao contrário da americana, tem de saber responder: como recuperar para a democracia para os cidadãos e o poder de decisão para os Estados.

É provável que as primárias de hoje matem as esperanças de Bernie Sanders. Mas ao romper com a esquerda refém dos interesses financeiros e mesmo assim entrar bem fundo no eleitorado moderado, ao mostrar, como fica evidente nas sondagens, que o socialismo democrático é a melhor arma contra o neofascismo de Donald Trump, Sanders lançou sementes. Outros colherão os frutos. É por aqui que se faz a reconstrução da esquerda. Sem medo de dizer o nos convenceram que era anacrónico. Recuperando, sem vergonha, o projeto do Estado Providência. Não há nada mais antigo do que a selvajaria que nos é proposta.

Advertisements

3 pensamentos sobre “Feel the Bern

  1. Brilhante analise de Daniel Oliveira. Para quem conhece o que custa um ano de Universidade ou o custo dos serviços de saúde nos EUA. As consequências para uma família que tem a adversidade de ter problemas de saúde, sem recursos para pagar os seguros que por vezes nem cobrem todas as necessidades, então compreenderá porque Bernie Sanders representa uma séria ameaça par a eleição De Hillary Clinton..

    Gostar

  2. Reblogged this on No fim da picada and commented:
    “É claro que, neste momento, um fenómeno como Bernie Sanders seria impossível na Europa, onde até haverá mais gente a concordar com ele do que nos EUA. Para que isso acontecesse era preciso que não dependêssemos totalmente de gente que ninguém elegeu e dos interesses que representam. Em Bruxelas inventou-se uma forma de nem sequer ter de comprar políticos. E esse é, neste momento, um desafio que a esquerda europeia, ao contrário da americana, tem de saber responder: como recuperar para a democracia para os cidadãos e o poder de decisão para os Estados.”

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s