EUA: alguma coisa está fora da ordem

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 12/02/2016)

Autor

                                Daniel Oliveira

Apesar de ter aderido ao Partido Democrata apenas em 2015, depois de uma longa e bem sucedida carreira política como independente (mayor da maior cidade de Vermont, congressista mais vezes eleito como independente e senador reeleito com 71% dos votos), Bernie Sanders representa uma tradição progressista e social-democrata que faz parte da tradição do Partido Democrata. Ela funda-se no legado deixado pelos socialistas que, à volta do pragmático e nada radical Roosevelt, arquitetaram o New Deal. Na luta contra a brutal desigualdade na distribuição de rendimento, pelo serviço público de saúde, pelos direitos das minorias e uma política ambiental responsável, Sanders nada tem de excêntrico para os democratas. Representa uma parte da sua história. A parte mais compreensível para a esquerda europeia, aliás.

Não há nada que Sanders diga que possa ser chocante para uma pessoa normal, mesmo que dele discorde. Apesar de ter chegado a ser da Liga Socialista dos Jovens, não defende a nacionalização da economia ou a coletivização das terras. Sendo um homem bastante à esquerda para a cultura norte-americana (mas não tanto para os europeus), as suas posições estão dentro do que é comummente aceite em democracias capitalistas.

Apesar de ser um dos homens mais velhos a concorrer a um primeiro mandato como Presidente, Sanders tem crescido contra Hillary Clinton por via de um forte apoio e entusiasmo dos mais jovens. Isto não resulta de um protesto antissistémico. Resulta de uma reação, na minha opinião bastante saudável, a um aprisionamento do Estado e da política a interesses do poder financeiro. Um aprisionamento que Hillary representa na perfeição, tanto ou mais do que vários candidatos republicanos.

O fanatismo religioso, as posições sobre imigração, a oposição a sistemas públicos de saúde e até a ignorância científica de Ted Cruz ainda podem ser integráveis na tradição republicana. Sobretudo no percurso que o Partido Republicano teve nas últimas décadas, que o afasta da direita europeia e o aproxima de qualquer coisa que teria pouco espaço em democracias laicas e ocidentais. Ted Cruz é apenas a continuação da decadência política dos republicanos, na qual o Tea Party e a Fox News tiveram apenas um papel fundamental. Já Donald Trump, o principal candidato à nomeação, é um pouco mais do que isso: as suas posições e, mais do que elas, a forma lunática como as apresenta transformam o Partido Republicano, perante o favoritismo que recolhe, numa espécie de circo grotesco. Basta dizer isso: goste-se ou não, concorde-se ou não, todos conseguimos imaginar Bernie Sanders (que não é o favorito na corrida democrata) como um Presidente que não envergonharia o seu país no exterior. Pelo contrário, Donald Trump tornaria os Estados Unidos numa anedota internacional. Uma anedota perigosa.

Aquilo em que se transformou o Partido Republicano tem raízes numa América profunda, ignorante e ultraconservadora. Se essa América prevalecesse, o país deixaria seguramente de ter a hegemonia cultural e política de que hoje beneficia. O poder dos EUA no mundo tem limites na sua resiliência à estupidez política.

Tudo isto é bastante evidente para a maioria dos norte-americanos. Segundo todas as sondagens que conheço, tanto Hillary como Sanders vencem com facilidade Donald Trump. Na última que vi (NBC/Wall Street Journal), Bernie tinha 54% e Trump 39%. A curiosidade é esta: as sondagens dizem que Sanders está mais bem colocado para enfrentar qualquer candidato republicano do que Clinton. O candidato “socialista” parece conseguir entrar mais facilmente no eleitorado do centro do que Hillary. Das últimas sondagens que vi, Clinton perderia com Ted Cruz e Marco Rubio. Já Bernie Sanders só perderia com o republicano mais moderado (Rubio) e venceria Cruz. Mesmo contra Trump, a média das sondagens dá Bernie a vencer com mais 8% enquanto Clinton apenas consegue uma vantagem de 4%.

Arriscaria atribuir esta vantagem ao facto da imagem da candidata avençada pelos interesses financeiros, que tem ganho rios de dinheiro com palestras em Wall Street ou junto da indústria farmacêutica, ser olhada com muito mais desconfiança pelo eleitor comum (que obviamente tem muita dificuldade em votar em Trump) do que um homem que, mesmo sendo estranho à cultura política mainstream norte-americana, é tido como íntegro e independente de interesses privados. Essa independência mede-se com este dado, que não consegui confirmar em fonte oficial: Sanders recebeu, para a sua campanha, 10 milhões de dólares de pequenos dadores e 3,3 de grandes. Já Hillary Clinton recebeu 8 milhões de pequenos e 39 dos grandes.

Estas são as mais estranhas eleições primárias de que me lembro de ver nos EUA. Dos dois candidatos do mainstream, Marco Rubio parece estar fora da corrida e Hillary Clinton demonstra crescentes dificuldades em vencer sem problemas. No Partido Democrata, uma cultura socializante e de protesto parece crescer no eleitorado jovem, cansado de escolher Presidentes que se declaram, à primeira contrariedade, impotentes perante os poderes financeiros e económicos. Se é verdade que Barack Obama teve importantes vitórias no que toca ao sistema de saúde e à situação económica, foi incapaz de disciplinar Wall Streat. Há um eleitorado mais jovem que quer mais e escolheu um homem com mais de 70 anos e uma agenda tradicional da esquerda socialista para o representar. O Partido Republicano transformou-se num espaço de populismo político, representante de uma América distante do mundo e medrosa. Parece hoje ser impossível ambicionar representar a direita norte-americana sem ter de representar uma tacanhez quase medieval, impensável em democracias ocidentais em pleno século XXI.

A degradação da imagem do mainstream Democrata e a transformação do Partido Republicano num “freak show” de televangelistas, milionários excêntricos e ultraconservadores semianalfabetos pode conduzir os EUA a um enorme sobressalto político. Um de dois, na realidade: ou ainda teremos saudades de George Bush, de tal forma o seu sucessor republicano na Casa Branca ultrapassará os limites da sanidade política; ou, perante a incapacidade dos democratas tradicionais confrontarem os poderes financeiros e a ausência de uma alternativa aceitável dos Republicanos, os EUA terão um presidente socialista, muito distante do que é o consenso social do país.

Uma e outra situação não resultariam de uma fratura insanável na vida política americana, com campos radicalizados e incapazes de dialogar entre si. Resultariam do descrédito do centro político. Na realidade, a mesmíssima coisa está a acontecer na Europa. Sobra, para quem tenha medo desta mudança, a capacidade de Washington transformar todas as esperanças nos negócios do costume. Ao cansaço dos eleitores, o sistema poderia responder com almofadas soporíferas que tornam quase impossíveis todas as mudanças que não sejam interessantes para quem manda. Mas será apenas mais um adiamento. As coisas estão mesmo a mudar nas democracias ocidentais.

Um pensamento sobre “EUA: alguma coisa está fora da ordem

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s