A Dr.ª Assunção Cristas e a política

(Por Carlos Esperança, 25/03/2019)

A Super Moça

D. Cristas, a quem Paulo Portas confiou a proteção das empresas de celulose, apoiando a cultura do eucalipto, depois de ter entrado no ministério da Agricultura, como Pilatos no Credo Romano, sem mérito nem justificação, julgou-se uma fulgurante política.

A precursora de Trump nas preocupações ambientais decidiu acusar agora o Governo de não ter soluções para resolver a falta de água, quando ela e o cardeal Clemente foram os únicos portugueses a pedirem orações para a chuva, à semelhança do que os índios faziam com fogueiras.

A novena foi, durante séculos, a arma mais usada contra as secas, às vezes com trovoadas, efeitos paradoxais que destruíam o renovo que sobrava, talvez por excesso de fé ou de orações, e sem ensaios científicos (duplo-cegos) comparativos com as fogueiras índias.

Quem afirmou em Oliveira do Bairro, na campanha das últimas eleições autárquicas, ter “o vento de Lisboa colado à pele e a água do Tejo colada à alma”, é da água da baía de Luanda e do litoral do “nosso Ultramar, infelizmente perdido”, que sente saudade.

O seu provável sucessor, Nuno Melo, na entrevista ao último Expresso, afirmou-se mais à direita, o que não admira em quem ignora os assassínios do padre Max e de Maria de Lurdes e considera o ELP e o MDLP formações patrióticas. O trauliteiro Nuno foi autor do voto de pesar na AR, na morte do acirrado salazarista, cónego Melo, onde revelou o seu ídolo e a sua índole.

A Dr.ª Cristas é um Marta Soares com mais habilitações e sem erros de gramática, mas falta-lhe um corpo de bombeiros para chantagear o Governo. À falta de argumentos ela é a rã que inchou nas autárquicas de Lisboa e chegou a vereadora, tendo como principal adversário o partido que a mostrou às televisões – o PSD –, a quem agora morde a mão.

A autoproclamada líder da Oposição e candidata a PM, no permanente combate ao PSD, não analisa a pequenez do CDS e dos seus quadros, recorrendo ao ruído para disfarçar a incapacidade de se afirmar como líder credível dentro e fora do seu partido.

Agora, à falta de moção de censura, exige ao Governo que mande chover. A Dr.ª Cristas não é uma mulher, é uma máquina de guerra que, quando encrava, dispensa um médico, recorre ao mecânico de armamento.

Está a precisar de recolher à oficina para uma revisão à cabeça.


Advertisements

Debates da treta

(In Blog O Jumento, 29/08/2017)

chuva

Com a chuva a apagar os incêndios os jornais precisam de novos temas, de preferência algo que cheire a escândalo e que alimente suspeitas picantes. Depois das acusações de falta de coordenação no combate aos incêndios vêm as suspeitas em relação aos funcionários e dirigentes do Estado. Os jornais vendem papel e a direita tenta capitalizar, evitando os debates de que foge como o diabo da cruz.

É óbvio que as recentes notícias em relação a viagens pagas por tecnológicas já cheiram a vingança e manipulação da opinião pública. Estas viagens são uma fonte inesgotável para os jornais, durante anos estabeleceu-se uma relação entre Estado e tecnológicas em que estas viagens eram tidas e tratadas como normais.

O que se passa neste setor não difere em nada do que sucedia com os congressos de medicina, trata-se de um setor onde a informação e formação disponibilizada pelas empresas é importante para os clientes, seja o Estado ou privados, ao mesmo tempo que a coberto da formação as empresas tecnológicas disseminam o seu marketing e observam os quadros que participam nas suas ações, obtendo informação útil para contarem com uma bolsa de profissionais, que poderão contratar para viabilizar futuros negócios.

Bem mais corruptas são as viagens que as grandes empresas portuguesas pagam a jornalistas e que são retribuídas com artigos laudatórios dessas empresas, dos seus donos e administradores, senão mesmo com o silêncio de notícias incómodas. Basta analisar as notícias sobre as empresas com granes orçamentos publicitários (banca, telecomunicações, setor automóvel, distribuição alimentar, café, etc.) para percebermos que a informação relativa a essas empresas é altamente manipulada. Pior ainda, quando os patrões dessas empresas decidem intervir na política fazem-no através da comunicação social e sem terem de dar a cara.

O debate em curso não passa de um debate da treta e com as chuvas a apagarem os incêndios vem mesmo a calhar. Mesmo sabendo que as viagens em causa ocorreram quase todas durante  a anterior legislatura, a imagem que passa é a de um Estado abandalhado e incompetente, o estereótipo de que a direita se serviu para adotar medidas de austeridade brutal no sector público e que tem vindo a usar para não discutir a realidade económica do país, preferindo a imagem de um país desgraçado.

É evidente que, tal como sucedeu com as iniciativas das farmacêuticas, devem ser adotadas regras claras no sector tecnológico, o que não significa que as viagens a que a comunicação social se tem referido tenham algo de suspeito. Tanto quanto sei muitas destas viagens podem estar enquadradas nos contratos assinados no âmbito do fornecimento de equipamentos ou de prestação de serviços, tendo essas viagens sido autorizadas e as faltas justificadas por se considerar que os funcionários estavam em serviço. A reação do ministro da Saúde foi extemporânea e excessiva, daí que um dia tenha mudado de discurso perante o risco de perder quadros que dificilmente conseguirá substituir.

Pessoalmente estou mais preocupado em saber se as agências de notação nos tiram do lixo, se o governo vai eliminar o brutal aumento do IRS que me foi imposto, se um cenário de um segundo resgate está posto de lado, se este ciclo de crescimento se vai prolongar, se o desemprego vai continuar a cair, se o país vai apostar mais na formação e educação, se o governo vai desmontar o que resta da experiência falhada da desvalorização fiscal. Quero lá saber o que comeram ao pequeno-almoço os convidados da ORACLE ou que entretenimento foi proporcionado aos quadros que viajara a convite de empresas.


Fonte aqui