Já estamos na III Guerra Mundial

(General Agostinho Costa, in CNN Portugal, 19/03/2023, Introdução Estátua de Sal)

Apesar da CNN albergar a Soller, a Ferro Gouveia, e o Isidro Pereira, ainda assim é o canal televisivo mais pluralista pois dá voz aos generais Agostinho Costa e Carlos Branco, que analisam a factualidade envolvida na guerra da Ucrânia com base numa grelha que decorre da luta geopolítica global que se está desenrolar, e não na propaganda da cartilha fornecida pelos serviços de inteligência ocidentais.

Assim sendo, de quando em quando, assistimos a peças notáveis como esta. É a desmontagem dos objetivos que levaram o TPI a declarar Putin criminoso de guerra. É a desmontagem das razões que foram invocadas para tal – o rapto de crianças. E tudo isto no dia em que passavam 20 anos sobre a invasão do Iraque onde – segundo os números mais otimistas -, morreram cerca de meio milhão de pessoas (ver aqui), sem que tivesse sido acusado qualquer político dos EUA de ser criminoso de guerra. É clicar abaixo e assistir ao vídeo.

Estátua de Sal, 20/03/2023



Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Eu não estou aqui para certificar o que você diz

(Estátua de Sal, 24/01/2023)

O Major-General Carlos Branco é das poucas vozes sabedoras, lúcidas e independentes que opinam nas televisões sobre a guerra na Ucrânia. A grande maioria dos comentadores são propagandistas da NATO, alguns devem mesmo receber memorandos dos serviços de informação ocidentais que determinam os focos do momento que devem nortear as suas intervenções.

Assim sendo, qual a razão para se convocar o Major-General Carlos Branco para opinar, sendo sabido que este é uma espécie de “ovelha negra” no reino do comentariado sobre a guerra? Convém dar um ar de verossimilhança e de imparcialidade à propaganda “pró-guerra” que a CNN – o canal de televisão que mais vezes o convida -, despeja diariamente sobre os espectadores. E isso é feito tentando dar a ideia de que se ascultam todas as opiniões, num exercício prático de democracia e de liberdade de expressão. Nada mais falso. Por cada intervenção de Carlos Branco há 10 intervenções do General Isidro Pereira ou do Comandante João Ribeiro. E mais: são estes que opinam durante o prime-time e o Branco quase sempre no jornal da meia-noite.

Depois temos o grupo das “especialistas” em relações internacionais – que nunca devem ter visto uma pistola na vida -, a analisar a guerra, as possibilidades do armamento de cada contendor, e em uníssono a soltarem trinados belicistas, qual deles o mais agudo. Eu não sei se as tipas tem filhos, mas gostava de lhes perguntar se o seu fervor guerreiro é tão grande ao ponto de mandarem as botifarras dos meninos pisarem solo ucraniano.

E temos também o solo dos pivots que ficam de cabelos em pé quando os convidados desmontam a narrativa dominante. Interrompem, mudam de assunto, tentam pôr açucar nas amargas verdades que os heterodoxos convidados põem a nu. Isso mesmo ficou escandalosamente a claro no vídeo que abaixo publicamos, em que o jornalista Cláudio Carvalho tem um comportamento sobranceiro e inquisitorial a roçar a censura, que levou o general a soltar uma espécie de grito do Ipiranga: “Eu não estou aqui para certificar o que você diz”. É ver, na parte final.

Finalmente, há os repórteres no terreno, todos no lado do exército ucraniano, e as peças que os serviçois de informação ocidentais mandam “plantar” em todos os canais de televisão. Nessas peças, os mísseis russos só atingem alvos civis, de preferência escolas, hospitais e maternidades, já que nunca mostram nenhum quartel ou carro blindado ucraniano a ser atingido. Uma enorme falta de pontaria…

Em síntese desta temática, aproveito o ensejo para publicar um texto que, em termos jocosos, dá bem conta do enviezamento propagandistico e noticioso a que estamos sujeitos.


(Por Sofia Smirnov, in Facebook, 23/01/2023)

Oi… O Sérgio Furtado pela primeira vez em 10 ou 11 meses assumiu que a Ucrânia está a sofrer baixas pesadas, só agora? Há mais de uma semana, deve ser o fuso horário que atrasa as notícias… A Ucrânia precisa de mais militares para a frente é agora…

Portugal tem um pelotão para enviar assim já à cabeça:

1) Major General Isidro Pereira (o estratega).

2) Comandante João Fonseca Ribeiro (o táctico).

3) Paulo Portas (o especialista em armas).

4) João Cravinho (o negociador).

5) José Milhazes (o gajo do tambor, já não tocam o tambor de guerra?)

6) Nuno Rogeiro (o navegador, ou seja o gajo que lê os mapas).

7) Major General Arnaut Moreira (o cripto).

8.) Azeredo Lopes (o municiador, aquilo é que vai ser multiplicar munições, elas vão brotar daqueles solos férteis).

9) Embaixador Seixas da Costa (o espião).

10) António Telo (o observador).

11) Diana Soller (a sniper magra).

12) Professor Marques Guedes (o aguadeiro).

13) Helena Ferro Gouveia (a sniper cu de chumbo).

14) Sónia Sénica (a porta estandarte).

15) Cláudio Carvalho (o recruta).

16) Major General Vieira Borges (o artilheiro).

17) Prof Proença Garcia (o condutor).

18) Marques Mendes (o columbófilo).

19) Ana Gomes (a denunciante ou seja a Chiba).

20) Mário Machado (o kamikaze).

21) Cristina Reyna (a enfermeira).

Ainda se arranjam mais meia dúzia mas só com estes já é um reforço brutal, os russos até tremem…


Feliz Ano Novo

Para todos os que me lêem e seguem aqui ficam também os meus votos de Bom Ano Novo. Se não for pedir muito às divindades, melhor um pouco do que 2022. Pelo menos, tenhamos essa luz e essa esperança.

Deixo-vos abaixo um notável texto de Agustina Bessa Luís, sobre o Ano Novo, escrito há alguns anos mas que, hoje, com a guerra na Europa à nossa porta, tem uma redobrada acuidade.

(Estátua de Sal, 26/12/2022)


Eu desejaria que o Novo Ano trouxesse no ventre morte, peste e guerra. Morte à senilidade idealista e à retórica embalsamada; peste para um certo código cultural que age sobre os grupos e os transforma em colectividades emocionais; guerra à recuperação da personalidade duma cultura extinta que nada tem a ver com a cultura em si mesma.

Eu desejaria que o Novo Ano trouxesse nos braços a vida, a energia e a paz. Vida o suficientemente despersonalizada no caudal urbano para que os desvios individuais não sejam convite ao eterno controlo e expressão das pessoas; energia para desmascarar o sectarismo da sociedade secularizada em que o estado afectivo é mais forte do que a acção; paz para os homens de boa e de má vontade.

( Agustina Bessa-Luís, in ‘Caderno de Significados’, Guimarães Editora, 2013)


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.