A caminho dos “territórios desconhecidos de destruição”

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 24/09/2022)

Miguel Sousa Tavares

Conheço uma casa no Alentejo que foi construída em frente a um lago que nunca seca, mesmo nos anos mais secos como este de 2022, pois que, além de recolher a água das chuvas, é alimentado por duas nascentes. Até há uns anos, aquele lago parecia uma Arca de Noé ou um filme ao vivo da “National Geo­graphic Magazine”: não havia quase animal algum autóctone que não vivesse ou não parasse por ali, em terra, no ar ou na água. Havia perdizes, lebres, raposas e uma tal abundância de coe­lhos que mais parecia uma invasão; no ar voavam constantemente bandos de patos-bravos e cordas de pombos-bravos, que, de tantos, às vezes até assustavam; mais carraceiras, rabilongos, águias em voos de rapina circulares, e ao longe ouvia-se o som do cuco e do pica-pau; nas margens do lago passeavam entre os tufos de erva toda a espécie de aves aquáticas, desde as galinhas-d’água até às garças, brancas e cinzentas, e mesmo, de quando em vez, flamingos; e na água viviam lagostins-de-água-doce e peixes — carpas, bogas, achigãs — que nasciam na Primavera e saltavam de alegria fora da água no Verão. Mas, acima de tudo, o que mais impressionava era o inacreditável concerto de rãs à beira do lago nos finais de tarde, que chegava a ser ensurdecedor, até o sol se pôr e ser então substituído pelo canto dos grilos e o piar das aves nocturnas, mochos e corujas, chamando-se uns aos outros através das sombras dos sobreiros e das azinheiras.

Saiba mais aqui

Primeiro, desapareceram os coelhos, devastados por uma doença de que não se descobre nem a origem nem a cura. Depois, desapareceram todos os habitantes aquáticos do lago, a começar pelas rãs, ao que se conta dizimados pelas cegonhas, que, entretanto, surgiram do nada para se transformarem numa praga protegida. Mas, estranhamente também, desapareceram os mosquitos, que incomodavam as noites, e as vespas, que faziam o mesmo aos dias: aos poucos, foram desaparecendo todos os insectos. E todas as aves do ar e na margem do lago. Nunca mais se ouviu o pica-pau a furar a sua árvore, nunca mais se escutou o cuco ou o piar do mocho, nunca mais se avistou um pombo no céu ou um pato na água. Nem sequer as cegonhas, cumprida a sua missão. Agora, só javalis, aliás indiferentes à presença humana. Se eu não soubesse ainda que alguma coisa de estranho e grave se está a passar com o planeta onde vivemos, bastava-me ter voltado àquele lago agora para não me restarem dúvidas. E ali não se faz agricultura assassina e subsidiada pelo Governo, não se plantam espé­cies exóticas e bêbadas de água, como o abacate do México ou o amendoal intensivo expulso da Califórnia e acolhido de braços abertos no Alqueva, não se cultivam frutos vermelhos em estufas de escravos asiáticos, não se usam herbicidas nem insecticidas, há anos convencionalmente proibidos mas nunca banidos na prática. Ali era a natureza em estado puro e agora é a morte da natureza em estado visível. Eu ouvi e li. Mas, acima de tudo, vi. Ninguém me contou, eu fui vendo. Fui vendo ali e noutros lados, em Trás-os-Montes, na Beira, no Alentejo, no Algarve. Onde antes havia ribeiros, agora há riachos ou apenas ouedes, como no Norte de África se chama à memória das linhas de água; onde antes havia paisagens ainda verdes, agora há cinzas e árvores queimadas e sempre os horrendos eucaliptos a renasceram para alimentarem o próximo fogo; onde outrora havia rebanhos, caça, aves e sinais de vida, agora há um deserto silencioso e assustador, e onde antes ainda havia gente, aldeias, casais e hortas, agora há ruínas e silêncio e, de repente, como num filme de ficção científica, ilhas de um verde intenso, onde se produz intensamente olival, amendoal, laranjal, abacate, regado até à loucura com a água que hoje falta nas ribeiras e nas barragens e que amanhã faltará nas torneiras.

<span class="creditofoto">ILUSTRAÇÃO HUGO PINTO</span>
ILUSTRAÇÃO HUGO PINTO

Este Verão, Portugal e a Europa bateram recordes de temperatura nunca antes atingidos. Todos os rios de referência da Europa — o Danúbio, o Ebro, o Tibre, o Loire, o Tamisa — e todas as grandes barragens esvaziaram-se até ao esqueleto, numa antevisão tenebrosa daquilo que nos espera no futuro próximo. Num relatório apresentado há dias pela Organização Metereológica Mundial, estima-se que num dos próximos cinco anos viveremos o ano mais quente de que há memória, com as temperaturas a subirem, em média, 1,5 graus — exactamente aquilo que se queria evitar que acontecesse antes de 2050 e que mais de 150 países se tinham comprometido em Paris a tudo fazer para o evitar.

Hoje, porém, sabemos que tudo andou para trás, com a desculpa da guerra da Ucrânia: o regresso em força às energias fósseis (incluindo as centrais a carvão) fez com que as emissões de dióxido de carbono, responsáveis pelo aquecimento global, tenham já regressado a valores anteriores à pandemia, e sabemos que, mesmo que todos conseguissem imedia­tamente inverter o rumo e assegurar os compromissos estabelecidos para serem cumpridos até 2030, os danos são já irreversíveis — em 2050 já não será possível evitar que a temperatura do planeta se tenha fixado em pelo menos mais 1,5 graus do que hoje.

E daí para a frente entramos naquilo a que António Guterres chamou “territórios desconhecidos de destruição”, num processo de “sui­cídio colectivo” absolutamente irresponsável e demencial: aquecimento dos oceanos, degelo da calote polar, dos icebergues e dos Himalaias (com as inundações apocalípticas a que já estamos a assistir no Paquistão), secas extremas e prolongadas, começando pelos países sub-saarianos (onde o número de pessoas atingidas pela fome extrema duplicou nos últimos três anos), rios e barragens vazios ou reduzidos a caudais mínimos, culturas e animais em extinção, incêndios cada vez maiores e mais incontroláveis, água cada vez mais escassa para abastecer os humanos.

Nada disto, infelizmente, é uma visão catastrofista. Tudo é hoje matematicamente documentado e pacificamente aceite pela comunidade científica, excepção feita a alguns avatares que circulam à volta de Donald Trump ou Jair Bolsonaro. Já tenho, todavia, escutado algumas teses que, não podendo negar o caminho para a catástrofe, julgam descortinar alternativas. São essencialmente de dois tipos: o tipo optimista e o tipo conformista. O primeiro pretende que, in extremis, à 25ª hora, a ciência encontrará maneira de evitar o desastre, como já o fez tantas vezes antes, ou o próprio planeta se encarregará de se regenerar por si mesmo: não sei como é que isso possa ser feito e, sobretudo, não sei como possa ser feito a tempo. Já a tese conformista parece-me mais do domínio do possível, embora sinistra: dizem eles que o que estamos a viver é resultado da exaustão dos recursos naturais por excesso de exploração humana. E, assim sendo, vamos viver uma crise “regeneradora”: milhares de milhões de seres humanos vão morrer para que os outros possam sobreviver e, com a experiência adquirida e a ajuda da ciência, possam retomar a vida num planeta mais limpo e liberto da pressão sufocante de hoje. Um darwinismo planetário em que já se adivinha quem serão os milhares de milhões sacrificados à cabeça.

Seja como for, o que é evidente é que já não estamos a falar de um cenário para as próximas gerações, nem sequer para a próxima. Décadas de passividade perante os avisos que o planeta foi dando conduziram ao que de repente parece uma súbita aceleração dos indicadores do desastre, mas que é apenas a resposta da doença à falta de tratamento: a catástrofe é agora iminente. E se já pouco me espanta numa geração de líderes mundiais que prefere continuar irresponsavelmente a ocupar-se dos seus jogos de guerra, negócios de armas e de energia enquanto o mundo que habitamos se desintegra à vista de todos, espanta-me, sim, a indiferença com que a geração jovem assiste a isto, comodamente instalada no seu mundo virtual e hedonista à espera que a Greta Thunberg resolva o assunto por eles. Peguemos, por exemplo, no caso português, um dos países mais ameaçados pelas alterações climáticas e pela seca, onde a ministra da Agricultura declarava no ano passado, triunfante, que o Algarve tinha água garantida para os próximos dois anos e onde, portanto, se continua a aprovar cegamente todos os projectos agrícolas que nem nos países com chuvas abundantes são autorizados. No meu tempo de juventude, em que líamos jornais e livros e nos manifestávamos nas ruas contra a guerra de África, mas também contra a longínqua guerra do Vietname, tínhamos uma ideia romântica, e todavia necessária, de que, por pior que fosse o presente, o futuro teria de ser construído por nós. Aqui e agora, porém, vi que um milhão de jovens acorreu aos concertos de Verão e que 200 mil esgotaram em dois dias, fazendo velórios nocturnos, os quatro concerto dos Coldplay na Primavera que vem, em Coimbra. Li que as juventudes partidárias lá fizeram as suas habituais “Universidades de Verão”, onde ouviram os seniores dos partidos ensinar-lhes como se faz carreira na política. Mas nem aí nem em lado algum vi que se arranjasse sequer uma dezena de jovens para confrontar o primeiro-ministro, a ministra da Agricultura ou o do Ambiente com a catástrofe ambiental para que Portugal caminha à frente do pelotão europeu. Em tempos, o Vicente Jorge Silva chamou à geração jovem de então uma “geração rasca”. Se fosse vivo, não sei o que chamaria à de hoje. Mas talvez fosse simples: a última geração.

Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

6 pensamentos sobre “A caminho dos “territórios desconhecidos de destruição”

  1. Mais uma vez um grande artigo, mas desta feita, inequívoco e preocupante. Um assunto triste que se resume a uma pequena frase (que ainda é mais triste): Assim é. Basta observar. Vivo no Alentejo perto das agriculturas intensivas e ‘abusadoras’, mas do lado de cá, a oriente do rio Mira, felizmente onde tudo é vivido dum modo mais sustentável. A mediocridade é ausente da putativa coragem de interrogar os ministros responsáveis, é certo, mas a ausência deixa-nos em branco com as perguntas pensadas e as respostas em branco. A maior parte dos furos artesianos estão quase secos e as plantações hortícolas anuais desta vez não resistiram; morreram todas e sabe-se que a partir de 38º graus até uns belos 45º nada resiste. Urge fazer um plano sério das culturas e da floresta.

  2. Belo e preocupante este texto. O consumismo alienou-nos e promete destruir-nos com o mundo virtual que nos impingiu!. Parece estarmos sob o efeito de hipnose, sem que se vislumbre um modo de acordar as gerações mais novas, para uma luta que a todos obriga, mas só a eles, verdadeiramente, interessa. De facto, são estranhas as circunstâncias em que vivemos: famílias com dificuldades económicas e financeiras reais, mas que conseguem alimentar essa febre idólatra dos concertos pop! Claro que não há qualquer mal na frequência desses manifestações culturais, bem pelo contrário. Mas, angustia assistir à indiferença generalizada dos jovens pelas questões mais essenciais da existência.

  3. Não pode ser, garantem-me que a menina é um clone holográfico para promover a pobreza graças a algo que não existe. Aliás, tanto é mentira, que o Miguelito também não viu os miúdos a protestarem, a fazerem greves, ou a vandalizarem fazendo as poucas coisas que têm poder para fazer.
    Agora deixei-me, que tenho que ir comprar uma bandeira do meu clube para a próxima parte do desafio na Ucrânia que era suposto ter acabado em Março, isso é a única coisa que interessa.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.