O mea culpa do Provedor

(Bruno Amaral de Carvalho, in Telegram, 20/08/2022)


Este sábado, o Provedor do jornal Público tece duras críticas à cobertura da guerra feita por este diário (ver aqui). A propósito da ausência de qualquer artigo sobre o relatório da Amnistia Internacional que acusa a Ucrânia de violar direitos humanos, José Manuel Barata-Feyo denunciou que, desta forma, o jornal escamoteia informações relevantes sobre a guerra aos seus leitores e que actua como porta-voz da presidência e exército ucranianos, algo que põe em causa a credibilidade deste jornal.

Não é por falta de opções. Esta cobertura unilateral é uma escolha editorial que a direcção do Público decidiu tomar em Abril quando abdicou de ser o único jornal a ter um repórter do outro lado da guerra. Antes de eu chegar ao Donbass, em Março, havia um acordo verbal para vender três reportagens ao Público. Só uma é que chegou a ver a luz do dia. Logo que saiu a minha primeira história, surgiram pressões internas e externas para que não se publicassem mais reportagens da minha autoria. Dentro e fora da direcção do Público, incluindo jornalistas de outros meios e figuras políticas com influência, tudo fizeram para que não houvesse uma cobertura plural do conflito.

Não deixa de ser curioso que o mesmo meio que deu destaque, e bem, à herança jornalística de Carlos Santos Pereira, e tenha valorizado a pluralidade em contexto de guerra, tenha sido o primeiro a abdicar de oferecer aos seus leitores um retrato do outro lado da linha da frente. Por aqui, já me cruzei com jornalistas franceses, italianos, chilenos, suíços, catalães, venezuelanos, gregos e alemães. Quase todos escrevem para meios relevantes nos seus países. Naturalmente, este não é um problema exclusivo do Público. Com a excepção da CNN Portugal, a esmagadora maioria da comunicação social portuguesa tomou a mesma opção.

Contudo, que não haja equívocos. Pluralidade não é ter jornalistas dos dois lados a transmitir aquilo que defendem as forças beligerantes. Pluralidade não é ter jornalistas que se dedicam exclusivamente a cobrir visitas organizadas por militares ou a fazer fé no que dizem as autoridades de cada um dos lados. A pluralidade é tentar compreender o que se passa e contar a história daqueles que estão a viver a guerra.

A cobertura desta guerra será, seguramente, objecto de estudo de investigadores e estudantes de jornalismo. Mais do que nunca, a comunicação é vista como parte da própria guerra. Como um campo de batalha em que se procura impor a narrativa de cada um dos dois lados. Como é que a história vai olhar para a cobertura desta guerra é uma pergunta cuja resposta depende de nós, mas, sobretudo, das direcções dos órgãos de comunicação social.

Bruno Amaral de Carvalho
Donetsk, 20 de Agosto.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

3 pensamentos sobre “O mea culpa do Provedor

  1. A CNN é o que é. Toda a gente sabe que é um dos órgãos de propaganda do regime imperialista genocida de Washington. Neste caso propaganda azul para fazer concorrência à propaganda vermelha (FOX News). Entretanto a CNN veio para Portugal, e parece uma santa no meio de aldrabões ainda maiores. Isso diz tudo sobre a “imprensa livre” em Portugal.

    Mas a parte mais triste não é essa. A parte mais triste é o povinho mostrar a cada dia que passa que não tem qualquer capacidade crítica, não consegue evitar ser enganado, papa a propaganda toda, e ainda por cima vira-se rosnando contra quem pensa pela própria cabeça e questiona a narrativa do “pensamento” única da maioria.

    Hoje, em Portugal, há milhões (MILHÕES) de pessoas que ainda confiam na RTP, SIC, TVI, CMTV. Têm a imprensa que merecem. É exatamente a mesma análise que faço em relação aos partidos. Têm os partidos e os líderes aldrabões e incompetentes que merecem. Em ambos os casos o denominador comum é fácil de identificar: o povinho impreparado e facilmente manipulável.

    Novamente, o Bruno Amaral de Carvalho, é um exemplo no meio de uma multidão ora de burros ora de putedo, lá naquela estrebaria que dá pelo nome de comunicação social portuguesa. E os portuguesinhos gostam tanto da palha… iii óóó iii óóó, ai se gostam.

  2. Eu resolvi ,logo que vi a ” enlatado” que serviam ,fechar o “veneno” com rótulo de “remédio” …..pergunto-me como os “Jornaleiros” de serviço dormem ,sabendo que são “prostituição” barata e como podem educar seus filhos na “Pluralidade e Civilidade” de escolha de CIDADAOS /AS ,Livres construtores de uma DEMOCRACIA ……hoje vivemos numa Sociedade “açaimada” que irá criar ,monstros e “Demónios” a caminho duma Civitas Doente e mentcapta……que Politicos domesticam para uso como Farm Animals”……

Leave a Reply to armando villanova Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.