A agonia do Ocidente

(Thierry Meyssan, in Rede Voltaire, 05/07/2022)

Tal como Roma, o Império anglo-saxão afunda-se pela sua própria decadência.

Serguei Lavrov costumava comparar o Ocidente a um predador ferido. Segundo ele, não se deve espicaçá-lo porque seria acometido por acesso de loucura e poderia destruir tudo. Talvez mais apropriado seja acompanhá-lo até ao cemitério. O Ocidente não o entende desse modo. Washington e Londres dirigem uma cruzada contra Moscovo e Pequim. Rugem e estão dispostos a tudo. Mas que podem eles na realidade fazer? (…)


Continuar a ler em: A agonia do Ocidente, Thierry Meyssan


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

6 pensamentos sobre “A agonia do Ocidente

  1. Esta vez preferi falar da agonia do euro!

    O euro está a cair contra TODAS as moedas e não apenas contra o dólar:
    1/ Impedir a Rússia de comprar euros, (será bloqueada) seca um grande comprador de euros, e por isso faz com que a procura caia.
    2/ Na Europa, o princípio dos direitos de propriedade significava que muitas das pessoas e países extremamente ricos do mundo possuíam grandes reservas de euros para proteger os seus bens, mas dado o que foi feito à Rússia, estas entidades compreendem agora que esta protecção já não existe, daí uma nova queda na procura.

    Não só uma queda na procura, mas também a liquidação.
    3/ Grande tensão sobre as taxas e principalmente sobre o diferencial de taxas entre os países europeus. A Alemanha quer aumentar as taxas de juro para reduzir a inflação, mas como resultado, as taxas de juro italianas estão em alta, e a Itália está a ser estrangulada pelo fardo da sua dívida.
    Esta tensão é tal, e é provavelmente por isso que Lagarde não quer aumentar as taxas, que eu penso que é provável que cause a explosão da Zona Euro, daí eu pensar na fuga de capitais.
    4/ A impressão do dinheiro que se tem vindo a fazer há demasiado tempo!

    Pessoalmente tenho a tendência de pensar assim porque:
    1/ de acordo com algumas leituras e pelo que entendo, o euro é em grande parte a causa da nossa (Portugal) perda de competitividade. não há mais reajustamento possível da nossa moeda para restaurar esta perda.
    2/ Se o euro desaparecer, é a Europa que irá desaparecer, e esta Europa, tal como é gerida, mostra-me uma perda quase total de democracia e soberania.

    Entregamos armas à Ucrânia sem que nenhum dos nossos parlamentos tenha sido consultado, a votação do passe de vacina, a lei sobre pensões e outras, imposta pela comissão, uma comissão além disso presidida por pessoas para quem nenhum dos cidadãos votou.

    Obviamente, se isto acontecer, teremos um momento muito mau, mas como alguém disse: é melhor ter um fim de horror do que um horror sem fim.

    A libra britânica também caiu em relação ao dólar, à medida que o banco central britânico aumentava as taxas.
    O mercado está a antecipar a queda do euro e a cumprir a sua própria profecia….. a margem de manobra do BCE é muito limitada, infelizmente como o banco central japonês, uma vez que estamos colectivamente sobreendividados.

    A LAGARDE se tivesse utilizado menos dinheiro imprimindo o nosso euro não estaria nesta situação.
    Esta inflação e esta destruição do poder de compra foram decididas e queridas há muito tempo… Não nos deixemos enganar e não acreditem no que os meios de comunicação nos dizem.

    O problema se decidirem assumir politicamente um forte aumento das taxas de uma forma sustentável é uma situação de armadilha da dívida. Estamos cozinhados, as dívidas da Itália/Espanha/França/Portugal vão explodir. Estamos na auto-estrada da morte. Em vez de tomar a primeira saída e deixar o euro, estamos a travar para atrasar a nossa queda.

    O pior não é o regresso do passe e o facto de não ir comer mais no restaurante!!!! Mas de já não poder comer saudavelmente por causa da explosão dos preços….

    Há o montante da dívida pública acumulada e a disparidade das economias europeias. Os 2 mini aumentos das taxas de juro já têm uma grande influência em países como a Grécia que está a contrair empréstimos a 4% nos mercados com este anúncio. Se Lagarde aumentar as taxas em 2% durante os próximos 24 meses, a situação tornar-se-ia rapidamente insustentável financeiramente para Portugal, Grécia e Espanha …….. O BCE e taxas a 3,5% são o máximo para muitos dos países sobre endividados da Europa. Então, o que pode Lagarde fazer se a inflação aumentar e persistir? Lagarde está de mãos atadas, não tem margem de manobra e o Euro está em perigo como nunca antes…

    Os endividados serão forçados a pagar mais e, portanto, a consumir ou a investir menos. Para alguns dos endividados, o pagamento será impossível e as falências irão explodir. Os credores não serão totalmente reembolsados e os bancos serão obrigados a activar a famosa directiva europeia que protege os bancos, e os aforradores serão forçados a contribuir e perderão parte do seu dinheiro. O cenário já está preparado em todos os bancos europeus. Os pobres morrerão, a classe média tornar-se-á pobre e os ricos ficarão mais ricos através das suas estratégias.

    Também porque os ricos protegem os outros ricos..

    Durante seis anos, o BCE tem pressionado os aforradores em euros em benefício dos mutuários (Estados e Bancos da zona do euro) com as taxas mais baixas. O euro caiu de 1,6 USD em 2008 para 1,03 USD hoje. Mas isso não é tudo. O declínio adicional do euro em relação ao dólar americano deve-se à inacção do BCE face à inflação galopante. De facto, o FED está a reduzir o seu balanço em 1100 mil milhões de dólares americanos por ano a partir de Junho, enquanto o BCE não tem qualquer plano para reduzir o seu balanço. Além disso, o FED está a aumentar a sua taxa directora pela terceira vez em Junho, enquanto que o BCE ainda não aumentou a sua taxa directora. O BCE ainda não aumentou a sua taxa de juro de referência. O aumento de apenas 0,25% da sua taxa de juro de referência é esperado em Julho. Este pequeno aumento não é a forma de combater o aumento da inflação.

    O euro e a Europa morrerão com a boca aberta.
    Cada vez mais aposto no seu colapso .

    Penso que vamos ser sangrados por querermos (desde que foi preciso aguardar 2012) poupar esta moeda a todo o custo, moendo a impressora de dinheiro do BCE até à morte.

    A chave de distribuição do BCE contra um cenário de inflação e estados sobreendividados vai ser fatal: o “euro ponzi”.

    Na minha humilde opinião a inflação já está fora de controlo… Mas ainda ninguém a vê.

    Todos sabem que a situação actual conduz inexoravelmente a mais inflação, mais recessão, mais declínio no poder de compra, escassez de matérias-primas e necessidades básicas, declínio nos benefícios e serviços, segurança, movimentos sociais e violência, especialmente por parte do Estado ou, pelo menos, organizados pelas autoridades. Finalmente, não se pode pedir a um poder para corrigir a situação, para encontrar soluções quando é este poder que é responsável por este estado e continuará a dizer que tem razão e, no final, imporá medidas mais destrutivas .

    Infelizmente os europeus escolheram ser subservientes aos EUA … e como os políticos europeus preferem ter menos gás e petróleo russo por razões ideológicas e acham mais frio voltar a pôr em funcionamento centrais eléctricas alimentadas a carvão … as pessoas pequenas acabam na miséria como sempre! Em qualquer caso, as tarifas terão de ser aumentadas … mas não devemos ser mais governados por amadores e devemos ser mais realpolitik e menos ideológicos … em suma, a Europa é apenas uma coisa ao serviço dos EUA … não admira que percamos sempre …

    Penso que o declínio da economia ocidental provocará um conflito global quando os líderes do mundo ocidental não quiserem assumir a sua responsabilidade do que é o início de uma crise económica e geopolítica!

    O que é angustiante para o euro, que contém 1 risco intrínseco desde o seu nascimento, é que se esqueceu do princípio básico: 1 moeda = 1 país e vice-versa. Contudo, a Zona Euro NÃO é um país, mas um conjunto de países e economias que não são muito coerentes, cada uma tão díspar como a outra.
    Os critérios de convergência não foram mais do que uma fachada que levou à cegueira dos promotores desta moeda. Vimos isto em 2011-2012, e a situação nessa altura não era tão tensa (arriscada?) como é hoje, com taxas de inflação tão elevadas, défices que aumentaram, e taxas a 10 anos que têm vindo a aumentar há várias semanas.
    A primeira preocupação do BCE será acompanhar e evitar que os diferenciais de taxas se alarguem perigosamente. Parece que estamos a caminhar para uma espécie de QE à la carte, com recompra de dívidas italianas, gregas ou espanholas para evitar taxas de sobreaquecimento, mas será isto útil e eficaz no combate à inflação nestes países se esta continuar a aumentar ou se permanecer em níveis elevados com possíveis consequências sociais?

    A verdadeira questão a colocar é: qual será o futuro sistema?
    Esta década é fundamental em muitos aspectos, é aquela em que tudo pode ruir, a começar pelo acesso a alimentos e energia.

    O Grand Reset?

    O que é que vamos fazer com ele?

  2. A presente escalada de inflação tem várias causas e não apenas uma. Thierry Meyssan refere, e muito bem, uma dessas causas como derivando do refluxo para os Estados Unidos de dólares que muitos países tinham armazenados. Isso irá agravar-se ainda mais a partir do momento em que for criada na Eurásia uma nova moeda de referência.

    Mas há muito mais.

    A Rússia vive essencialmente da exportação das suas riquezas naturais e da sua indústria pesada. A China centrou o seu desenvolvimento económico no comércio internacional e nas parcerias com inúmeros países na base de mútuos benefícios. Os Estados Unidos e a Europa vivem… de dinheiro falso.

    Durante muitos anos, americanos e europeus foram resolvendo os seus problemas imprimindo mais e mais dinheiro, sem que esse aumento de volume financeiro seja acompanhado por um aumento gradual da produção. Basicamente, os americanos em particular têm vindo a trocar valiosos bens materiais que outros produzem, por papel impresso com caras de Presidentes mortos. E o euro é um derivado do dólar.

    Como escreveu recentemente Alastair Crooke, a inflação é a serpente debaixo das pedras. Ela esteve sempre à espreita, mais ou menos controlada por uma variedade de medidas financeiras correctivas, como o controlo das taxas de juro, dos salários e outras. Biden, de forma completamente irresponsável, chutou as pedras para a frente com os subsídios ao confinamento e outras aventuras que se conhecem, e fez sair a serpente. E como o dólar ainda é a moeda de referência, acabou por exportar a crise americana para o mundo que lhe é mais próximo, com especial destaque para a Europa.

    Note-se que desde há muito os americanos “imprimem” dólares para pagar os juros da sua incomensurável dívida externa à China, que a comprou, mas esses dólares permanecem armazenados como bits e Bytes nos sistemas informáticos chineses, não entram nos mercados e por esse motivo não provocam inflação. No entanto, em breve a China se verá na necessidade de se livrar de todo esse dinheiro antes que ele desvalorize mais, e essa enorme descarga nos mercados mundiais vai provavelmente reduzir o dólar ao nível do lixo.

    Depois, ao promoverem as famosas “sanções” sobre a Rússia, os ocidentais fizeram disparar o preço do Petróleo e criaram a tempestade perfeita. Tudo isto era mais ou menos previsível e teria sido evitado se os crâniozinhos da Administração Biden soubessem alguma coisa de Economia, ou se tivessem tido o cuidado de solicitar a opinião de especialistas. Mas o projecto de destruir a Rússia usando a Ucrânia como aríete já tinha muitos anos e era um sonho demasiado doce para ser adiado por mais tempo, sobretudo depois da trabalheira que deu afastar Donald Trump do Poder, ele que tinha um projecto completamente diferente para a América.

    Acabei de ver na net que o euro entrou em queda. Em apenas um dia desvalorizou 14,47% face ao dólar, o que é tremendo. Segundo o site americano Hal Turner, citado pelos brasileiros do Geopolítica Global, ter-se-à devido a um decreto que terá sido assinado pelo Presidente Vladimir Putin na segunda-feira, 4 de Julho. Nesse decreto, a Rússia terá declarado que não venderá mais mercadorias vitais para “nações hostis”.

    Então, a Classe Monetária Internacional terá concluído que a Europa não pode sobreviver economicamente e que a moeda europeia provavelmente entrará em colapso. Por esse motivo estarão vendendo grandes quantidades de euros enquanto estes ainda têm valor.

    A confirmar-se, isso vai de certeza levar à derrocada da União Europeia, que eu próprio já previ aqui mais do que uma vez, mas de uma forma bastante mais rápida, dolorosa e descontrolada do que eu esperava.

    Sobre a possibilidade de uma guerra global.

    Curiosamente, nunca houve uma Grande Guerra entre o Capitalismo e o Socialismo, apesar dos medos do tempo da Guerra Fria. Mesmo quando Hitler conduziu os seus exércitos contra a URSS, decisão que havia de lhe ditar o fim, ele só o fez depois de ter conquistado toda a restante Europa Continental e chegar a um impasse com a Inglaterra. Tanto a Guerra de 14/18 como a de 39/45 foram travadas entre países capitalistas pela conquista de mercados e matérias primas. Ambas corresponderam a grandes crises económicas mundiais e foram desencadeadas pela potência dominante que se encontrava em queda.

    Na II Grande Guerra, concretamente, verificamos que a Alemanha se atirou primeiramente contra os países ocidentais que dominavam os mercados europeus e detinham acesso fácil a matérias primas nas suas respectivas colónias. Pensando nisto, compreende-se melhor as investidas dos americanos no Médio Oriente, destruindo países produtores de Petróleo um após outro até serem travados pela Rússia na Síria.

    Nenhum império global aceita o seu fim sem fazer a guerra. É da natureza das coisas e tem-se repetido ao longo da História vezes sem conta. Por isso me parece que a III Guerra Mundial é praticamente inevitável.

    Na verdade, eu acho que ela já começou. Pelas minhas contas terá começado na Síria. Ponha-se os Estados Unidos no lugar da Alemanha nazi e bate tudo certo. A sua situação geopolítica é a mesma e o sistema dominante também: o Capitalismo Monopolista de Estado, ou Fascismo, como é conhecido aquele em que os grandes monopólios (agora chamados “unicórnios”) dominam um Estado fraco e o usam em seu benefício.

    Na verdade, o Capitalismo é uma aberração económica e já chegou ao seu fim por duas vezes. As duas guerras mundiais marcam os seus dois momentos finais no Século XX, mas ele regenerou-se em orgias de destruição e muitos milhões de mortos. Foi essa destruição, e a posterior reconstrução das respectivas estruturas, que gerou os mercados de que ele necessitava para se reerguer, para fazer o “restart”.

    E a hora da terceira Grande Reinicialização aproxima-se, como proclamaram os seus “profetas” no Fórum Económico Mundial de Davos, em junho de 2020. Claro que não falaram numa guerra, até porque no seu íntimo saberão que não lhe iriam sobreviver, mas os caminhos que eles apontaram são simplesmente impossíveis de percorrer. As populações dos países, sobretudo as que vivem hoje melhor, não vão nunca aceitar pacificamente uma economia de miséria como a que lhes querem impor.

    E há um factor extra: a ascensão de um conjunto de países em desenvolvimento acelerado, que pelo seu trabalho e perseverança produzem a verdadeira riqueza mundial e que detêm nos seus territórios a esmagadora maioria das matérias primas existentes no planeta, e que ainda por cima parecem já não estar disponíveis para se deixarem roubar.

    “Vivam tempos interessantes”, é a velha maldição chinesa.

Leave a Reply to José Neto Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.