“Se eu fosse o Presidente da República…” – Sobre a Covid e a vacinação

(Por Por Jean-Pierre Willem, in Blog A Viagem dos Argonautas, 30/01/2021)

(Este texto é sobre a realidade francesa mas, numa percentagem muito elevada, as semelhanças com o que se passa em Portugal são significativas. Daí que o publiquemos.

Estátua de Sal, 30/01/2021)


Cara Leitora, Caro Leitor

“Eu nomearia, é claro, Mickey como primeiro-ministro. Do meu governo, se eu fosse presidente, Dunga na cultura parece-me óbvio. Tintin para a polícia e Tio Patinhas nas finanças. Zorro na justiça e Minnie na dança”. O governo que Gérard Lenormand cantava pareceria mais credível do que o actual! [1]

Vamos sonhar por um momento e imaginar que, excepcionalmente, assumo o traje do nosso presidente, abalado pela sua má gestão de grandes e pequenos acontecimentos… Entre os seus erros e outras extravagâncias:

  1. Eu teria encomendado a vacina Moderna da biotecnológica americana, cujo processo ultra inovador fascina e preocupa algumas pessoas. É o mesmo que o da Pfeizer, o seu principal concorrente.

Implica injetar no corpo uma molécula que é capaz de estimular as células do próprio paciente a gerar o seu próprio medicamento, em vez de lhe dar um medicamento ou vacina para o ajudar a curar-se. Esta abordagem revolucionária foi contra as ideias estabelecidas do mundo científico.

Em comparação com outras vacinas, é mais fácil de manusear; pode ser armazenada durante um dia à temperatura ambiente, 30 dias num frigorífico e seis meses a -20°C, enquanto a vacina da Pfizer requer uma temperatura de armazenamento de -70°C. É injetada diretamente quando a vacina da Pfizer precisa de ser diluída, o que desperdiça tempo e pode levar a um risco de erro…

Tem outras facetas interessantes, particularmente na terapia genética. A ideia é ter uma proteína terapêutica produzida pelo ARNm em fibrose cística, a distrofia de Duchenne, ou substituir anticorpos monoclonais no cancro e doenças auto-imunes. Outras aplicações visam a doença de Alzheimer, doença de Parkinson ou osteoartrose. A Moderna trabalha também em patologias cardíacas, com uma injecção de ARNm para reparar vasos sanguíneos. O seu potencial terapêutico é infinito.

  1. Eu nunca teria condecorado com a Legião de Honra apenas 60 cuidadores, médicos e professores. Porquê esquecer os outros prestadores de cuidados que arriscaram as suas vidas em Estabelecimentos de Idosos e hospitais? Será que não o mereciam?

Por outro lado, eu teria condecorado os médicos que ousaram utilizar medicamentos alternativos e em particular óleos essenciais antivirais. Estes recalcitrantes arriscam-se a ser convocados pelo tribunal da Ordem dos Médicos (recordo-vos que os 8 médicos que compõem o júri são voluntários, mas recebem emolumentos mensais de 8000 euros! Segundo diz o Canard enchaîné).

  1. Eu teria penalizado os responsáveis de grupos que se recusassem ou se esquecessem de usar a máscara; foi assim que transmitiram o vírus aos seus familiares. Quando se causa a morte, é homicídio!
  2. Eu teria mandado a direção da Ordem dos Médicos reler o texto do Juramento Hipocrático que autoriza o recurso a alternativas terapêuticas (que provaram o seu valor), quando a medicina oficial (e dominante) permaneça inoperante.

Ao ler estas “falhas”, quais seriam os comentários do Presidente?

Eu, Emmanuel Macron, Presidente da República, sinto-me numa encruzilhada, expulsei o antigo presidente para tomar o seu lugar. O que me aconteceu? É verdade que a situação actual é incontrolável. A minha estratégia política baseava-se em “nem à direita nem à esquerda”. E afinal não estou em lado nenhum! Rapidamente constituí uma equipa: todos aqueles que estavam desempregados, funcionários frustrados, ambiciosos, bem falantes. Em suma, muitos incapazes tornaram-se ministros, senadores, deputados, conselheiros, muitos abandonaram o navioNeste contexto, como se pode fazer um milagre? Hoje encontro-me sozinho para governar este belo país… ingovernável”.

Depois destes devaneios miúdos, retomo o meu casaco de médico. É-se muito mais feliz quando se é livre e não se está dependente de ninguém.

Dependendo de se você é poderoso ou miserável…

A esta citação de La Fontaine, acrescento a de Charles Péguy: As pátrias são sempre defendidas pelos mendigos, entregues pelos ricos…

Tal como as consequências das alterações climáticas estão a ser sentidas em todas as latitudes, a pandemia do Covid-19 não poupa ninguém, seja um chefe de estado ou um refugiado.

No entanto, sabemos que estas crises globais não afetam todos os seres humanos da mesma forma.

Além de implicar diferentes vulnerabilidades de acordo com a idade e vários fatores de risco, a atual pandemia tem um impacto muito diversificado a nível mundial e dentro de cada país, entre ricos e pobres, brancos e não brancos, etc.

Embora a doença patológica do Dr. Donald Trump tenha confirmado que o vírus não tinha qualquer consideração pelo estatuto político, o tratamento privilegiado que o Presidente dos EUA recebeu, com um custo estimado de mais de 100.000 dólares por três dias de hospitalização, prova que, embora todos os humanos sejam iguais perante a doença e a morte, alguns, como George Orwell escreveu em Animal Farm, são “mais iguais do que outros“.

Sistematicamente, é o Terceiro Mundo que é o mais duramente atingido por esta crise económica, a que o Fundo Monetário Internacional (FMI) chamou “Grande Confinamento” no seu relatório semestral de Abril de 2020 – uma crise que se apresenta como a mais grave desde a Grande Depressão do período entre as duas grandes guerras.

A nivaquina: uma velha molécula reativada!

Quando parti para a Argélia em 1959, o produto essencial para prevenir a malária era a nivaquina, cuja fórmula química é a hidroxicloroquina, a molécula mais citada do mundo e de custo irrisório.

A partir do final de Março de 2020, as declarações do Professor Didier Raoult de Marselha, defendendo um tratamento baseado em hidroxicloroquina e azitromicina, monopolizaram a atenção.

A ciência é construída pela controvérsia e isso é normal“, reage Franck Chauvin, Presidente do Alto Conselho de Saúde Pública (HCSP). “Mas tornou-se um espetáculo ao vivo na televisão que transformou os cientistas em gladiadores”.

Num cenário de grande incerteza científica, duas acusações alimentaram o fogo: estudos que são difíceis de decifrar para os leigos e acusações de conflitos de interesse, pelo menos ligações financeiras com a indústria.

Não é difícil notar, de facto, que muitos peritos com assento em instituições públicas (Agência de Medicamentos, HAS, HCSP, etc.) estão vinculados por acordos, remuneração, benefícios a empresas privadas diretamente envolvidas na produção de potenciais tratamentos: Sanofi, Gilead, Roche, Novartis, Bayer, etc.. Uma “ligação“, não um “conflito“: este foi o leitmotiv ouvido durante todo o julgamento do Mediator [2].

Quando tudo azedou

O caso assumiu outra dimensão quando o Presidente dos Estados Unidos e depois o Presidente do Brasil promoveram a hidroxicloroquina.

Toda a gente tinha uma opinião enquanto que os factos científicos permaneciam ténues.

Esta controvérsia, que minou a confiança, deve provavelmente muito às redes sociais e televisivas, mas também às deficiências da organização dos cuidados e do enriquecimento do conhecimento.

A equipa do instituto hospitalar universitário de Marselha estava a testar em massa a população, quando era quase impossível noutro lugar.

Foi também uma resposta a uma expectativa, quando a maioria dos pacientes teve de sofrer sozinha, com a instrução de chamar o serviço de urgência apenas se o seu estado piorasse.

Pressionada para desqualificar a hidroxicloroquina, uma das revistas médicas mais prestigiadas do mundo, The Lancet, teve de admitir que não podia garantir a veracidade das fontes utilizadas e acabou por ter de rejeitar um artigo que apresentava o tratamento como perigoso.

Entretanto, esta publicação tinha levado à interrupção do teste deste tratamento no ensaio francês Discovery .

Acabou-se a hidroxicicloroquina!

No entanto, ainda temos nivaquina se nos quisermos deslocar a África.

Por outro lado, a Artemisia annua, a famosa planta chinesa contra a malária, é proibida em França: o que se deve entender por isso?

A Splif (Société de Pathologie Infectieuse), que reúne mais de quinhentos especialistas em doenças infecciosas, apresentou finalmente uma queixa contra o Sr. Raoult perante o Conselho da Ordem, recordando o código de deontologia: “Os médicos não devem divulgar nos meios médicos um novo procedimento de diagnóstico ou tratamento que não tenha sido suficientemente testado sem acompanhar a sua comunicação com as reservas necessárias. Não devem fazer tal divulgação ao público não-médico”.

A Ordem dos Médicos fez o mesmo, punindo com a exclusão desta Ordem, os médicos do campo que utilizavam óleos essenciais maravilhosos.

Estas pequenas “bombas bioquímicas” são as únicas moléculas capazes de conter este flagelo planetário.

A teoria do boomerang

O mundo dos cuidados de saúde está sistemicamente ligado aos interesses industriais, desde a investigação, a formação dos prestadores de cuidados, os conhecimentos regulamentares, até aos consultórios médicos e a informação pública. Este conjunto de ligações de interesses influencia os cuidados, e esta influência representa um risco para a saúde pública, bem como para o equilíbrio das contas sociais. Constitui uma perda de oportunidade para os pacientes”. Lido em Formindep “Algumas Lições da Crise” [3].

Karine Lacombe, chefe do departamento de doenças infecciosas do hospital de Saint-Antoine (Paris), que acaba de receber a Legião de Honra, quis fazer soar o alarme sobre a fraca relação risco-benefício da hidroxicloroquina. Mas as suas muitas ligações com a indústria farmacêutica voltaram-se contra ela como um boomerang.

Especialmente aquelas com Gilead, que fabrica o Remdesivir, outro remédio potencial – igualmente ineficaz, de acordo com o ensaio em grande escala da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Houve acusações de conflito de interesses, embora estas sejam ligações que são enquadrados pela lei“, defende-se ela. Além disso, estas ligações estavam relacionadas com o VIH e a hepatite viral, e não com a Covid. É realmente uma manipulação. Penso que tem havido ataques pessoais devido ao que eu represento: o surgimento de mulheres especialistas que são capazes de se exprimir”.

As suas desventuras puseram sobretudo em evidência a omnipresença da indústria farmacêutica na investigação médica e na formação dos médicos.

Mesmo que tenha sido instrumentalizada pelos apoiantes do Sr. Raoult, o domínio dos interesses industriais é, no entanto, uma questão importante, demasiadas vezes mantida em segredo.

Disso é testemunho a ligeireza com que foram criados o Conselho Científico e o Comité de Investigação e Análise de Especialização, vários membros dos quais beneficiam de remuneração, “hospitalidade” ou vários contratos, por vezes declarados tardiamente.

Quando o acto de sedução da grande indústria farmacêutica corre mal

De acordo com sondagens de opinião, a pandemia reforçou em vez disso a visão positiva que os franceses têm da ciência: 69% dos inquiridos disseram em Junho passado que tinham “bastante confiança na ciência” e 24% “completa confiança“, um total que é superior ao do ano anterior.

Por outro lado, dois terços consideram que os investigadores “não tinham previsto bem a escalada do coronavírus” e 53% consideram que “não tinham sido claros“.

A imagem da grande indústria farmacêutica continua a ser deplorável.

As empresas farmacêuticas estão suficientemente preocupadas com o assunto ao ponto de financiarem um “Observatório Social de Medicamentos”, cujo último inquérito fala por si.

É certo que apenas uma minoria dos inquiridos (16%) não confia nos produtos que tomam.

Mas esta proporção duplicou em oito anos, e dois terços não confiam nas empresas farmacêuticas “em matéria de informação sobre os medicamentos”.

Mas as empresas não cortam no dinheiro que gastam em comunicação ou na sedução de médicos e especialistas…

Efeitos nocivos da vacinação?

Cinco idosos morreram em resultado da vacinação, o que aconteceu?

O que pensam disso os farmacologistas responsáveis pela fármaco-vigilância sobre a observação dos efeitos secundários de cada vacina nos primeiros dias e nos anos seguintes?

Estes avós sofriam comorbilidades, talvez sofressem de várias patologias para além do envelhecimento.

Isso signnifica que estavam a tomar múltiplos remédios para tratar todos os sintomas da diabetes, hipertensão ou os efeitos secundários de patologias cardiovasculares e neurodegenerativas.

Todos estes remédios alopáticos são antigénios, por outras palavras, elementos agressivos. A vacina é um dos remédios mais iatrogénicos.

É de facto a acumulação (mesmo em doses baixas) de moléculas estranhas que induz o fenómeno de aceleração e depois desaceleração da cadeia respiratória mitocondrial que leva à apoptose e à morte celular, através de radicais livres oxigenados (RLO).

O excesso de um tipo de antigénio (vacina) ou o fluxo contínuo de antigénios de todo o tipo desencadeia uma reacção de hipersensibilidade semi-retardada e este excesso de antigénios faz colapsar as defesas imunitárias e leva à morte.

Em vez de vacinar estes idosos imunodeprimidos, as suas defesas naturais deveriam ter sido reforçadas… Outra das minhas moções, se eu fosse presidente!

Fiquem bem!

Ps: As possíveis contra-indicações à vacina incluem o seguinte: os fabricantes da vacina de ARN do mensageiro tinham desaconselhado a utilização da vacina para pessoas com alergias. Pessoalmente, acrescento os portadores de doenças auto-imunes (há 5 a 6 milhões de pessoas francesas afectadas).

Estas duas condições correspondem a uma reacção imunológica excessiva e inevitável. Este foi o caso do médico californiano que morreu de uma patologia hemorrágica auto-imune.

É imperativo encontrar a causa das 23 pessoas muito idosas que morreram na Noruega após terem recebido a primeira injeção. Os efeitos secundários habituais são febre, diarreia ou náuseas.

______________________

NOTAS

[1] N.T. “Si j’étais président” em 1975, ver Wikipedia aqui.

[2] N.T. Julgamento implicando as pessoas que se consideram vítimas por terem tomado benfluorex, comercializado sob a marca de Mediator, dos laboratórios Servier. (ver wikipedia, aqui)

[3] https://formindep.fr/


Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.