5 000 000

(Por Estátua de Sal, 01/06/2020

Ajude-nos a manter a Estátua de Sal

Este blog atingiu na última sexta-feira 5 000 000 de visualizações, número acumulado, desde 26 de Setembro de 2014, segundo as estatísticas do WordPress. O primeiro texto aqui publicado “O Coelho no País das Maravilhas”, era uma espécie de fábula à La Fontaine que pretendia desmontar os malefícios das políticas de austeridade da governação de Passos Coelho, executadas supostamente em benefício do País, quando na verdade, eram e sempre foram executadas em benefício de interesses muito específicos, a começar pela corte que o rodeava e pelo lote de súbditos laranjas do PSD e fiéis apaniguados.

Comecei com o blog numa tarde em que achei que devia dar voz à minha insatisfação com a situação política, social e económica que o País estava a seguir na época. Não podemos, sozinhos, fazer grande coisa, mas por pouco que façamos é sempre mais que fazer coisa nenhuma. O objetivo inicial era publicar textos meus, sempre que tivesse vontade e oportunidade de os escrever.

Contudo, como manter uma continuada regularidade é extremamente difícil e desgastante, e como uma regularidade diária só é possível se fizermos da escrita profissão a tempo inteiro, desde cedo passei a republicar textos que vão surgindo na comunicação social institucional ou noutros sites e páginas da blogosfera.

É evidente que sou selectivo. Nem sempre concordo com a totalidade dos argumentos que os textos que publico apresentam, mas subscrevo, no essencial a substância dos mesmos. É por isso que alguns dos autores que aqui publiquei durante meses, passaram a ter, por aqui, apenas esporádica hospitalidade, por terem mudado a sua orientação.

Aliás, podem ver, se consultarem o Leitor, que se encontra no canto superior esquerdo da página, quais os sites e blogs que sigo e dos quais é frequente republicar muitos dos textos que aqui apresento.

Cinco milhões é um número muito grande. Claro que é inferior à dívida pública do País, mas é bem superior ao número de desempregados registados, e ao número de vítimas da pandemia em todo mundo, pelo menos até ver. E o número é tanto mais expressivo tendo em conta a temática das publicações, e da minha não cedência à publicação de textos “fáceis” e/ou populares.

Textos de carácter marcadamente político e económico, sempre numa perspectiva que não é a da manutenção do status quo, mas da alteração do status quo. E como não debato as chuteiras ou as namoradas do Ronaldo, nem as intrigas dos reality show, nem os enredos das telenovelas ou as novas receitas para fazer bacalhau, é óbvio que os que visitam a Estátua de Sal, não são, infelizmente, uma amostra maioritária daquilo que é a população do país ou correspondem ao perfil maioritário da população internauta, e isto tanto é válido para os que concordam quer para os que discordam daquilo que aqui é publicado.

E sobre a concordância ou discordância, é sempre possível e desejável que os visitantes deixem os comentários que acharem por bem. Todos eles foram e continuarão a ser publicados (independentemente da minha posição sobre eles), desde que obedeçam ao mínimo de civilidade na linguagem e no formato. Após a primeira aceitação de um comentário de um dado visitante, o sistema publica automaticamente os seguintes do mesmo autor, sem eu ter que dar qualquer aprovação.

A Estátua de Sal irá continuar com a mesma orientação e a prosseguir os mesmos fins. Usando a crítica, a liberdade de expressão e a escrita como arma, pugnando por uma sociedade melhor e mais justa como objetivo, porque, citando Vítor Hugo, “As palavras tem a leveza do vento e a força da tempestade”.

Estamos a atravessar tempos perigosos, de incerto rumo, e duvidoso norte. E só a capacidade colectiva de reflectirmos sobre eles e sobre as tortuosas veredas por onde nos querem conduzir, agindo antecipadamente em conformidade, poderá evitar cenários de previsível catástrofe e retrocesso civilizacional.

Como proclama o lema da minha página do Facebook, “Entre as fendas dos dias e os sons feéricos dos vídeos dos novos tempos. Entre as palmas digitais dos novos mensageiros”, a Estátua de Sal continuará por aqui.

A todos os que me lêem e me seguem e que por aqui tem passado, só me resta deixar uma palavra final: obrigado, regressem, e na medida do possível, ajudem-me a manter viva a Estátua de Sal.



Advertisements

17 pensamentos sobre “5 000 000

  1. 5 milhões é obra! Mais que parabéns, um muito obrigado pela lufada de ar, se não diária, pelo menos regular.
    Força na PTT!!

  2. muitos parabéns , e ainda bem que continua escrevendo para que possamos ter uma visão critica e inteligente da realidade do da a dia.

  3. Um forte e audível aplauso à iniciativa, à reflexão feita e como estímulo para continuarmos a “fazer pela vida” sem encarneiramento!

  4. A Estatua de Sal e uma paragem obrigatoria na minha visita diaria aos blogs. Muito obrigado pela qualidade das publicaçoes e votos de longa vida. Peço desculpa pela falta de acentos (sistema linux Ubuntu com um teclado nao standard).

  5. Nota. Olha lá, ó d’A Estátua, ontem não te percebi muito bem: disseste que o primeiro texto aqui publicado se chamava “O José no País das Maravilhas”, em 26.9.2014 hein?, e que era uma espécie de fábula à La Fontaine que pretendia desmontar exactamente o quê?; e esses tais 5 000 000 da WordPress também faziam parte do cofre do José Sócrates e do seu amigo, é isso? É qu’eu estava sem óculos, e portanto…

    🙂

    Parabéns!

      • Hum, artrite é? Olha vê lá bem…

        Adenda. Pois-pois, razão tinha o José do Remanso Pernalta – a propósito: onde estará montado o seu chapitô agora para podermos voltar a assistir aos seus gagues sempre tão divertidos? -, é que afinal sempre existia mesmo uma qualquer coisinha de estranho escondida no passado d’A Estátua de Sal! “O José no País das Maravilhas”, postado em 26.9.2014 hein? Queres confessar, pá, isto do blogue era também uma homenagem né?

        Entre 26 de setembro de 2004 e 23 de julho de 2011, JOSÉ SÓCRATES foi Secretário-Geral do Partido Socialista.

        #jesuisjoaoperna, agora tu…

        🙂

  6. Parabéns à Estatuadesal parabéns ao seu responsavel!!!…..força amigo!!!!….não seremos muitos, mas se formos todos seremos os bastante!…..chega de Andrés Ventiras e de chegas!!!!!…..o sistema está em crise o Titanic continua a navegar mas sem boias de salvação e sem rumo certo que não seja ao encontro do iceberg que lhe está reservado: está em franca agonia aqui e ali com alguns espasmos nas em fase terminal: . Como ensinou Sócrates: o mal jamais pode ser feliz!!!!…..
    Abraços d coração por prudência e precaução meu caro Estatuadesal!!!!!……

  7. Andrés Ventiras não: Andrés Ventura pois claro;
    Aqui e ali com alguns espasmos mas em fase terminal!….

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.