Retardantes do Fogo são Tóxicos

(Dieter Dellinger, 10/08/2018)

retardantes

(Com tanto “especialista” em fogos a criticar a forma como se atacou o fogo de Monchique, nomeadamente por não terem sido utilizados retardantes, brada aos céus a ignorância (ou má-fé) dos ditos, não levando em conta os efeitos tóxicos e nefastos dos ditos produtos. Uma cambada ao serviço da direita que usa o fogo e a desgraça alheia para atacar o governo e a sua acção.

Comentário da Estátua, 10/08/2018)


Muita gente critica as autoridades dos diversos governos de há décadas de não utilizarem como os americanos de caldas retardantes do fogo.

Sucede que a maior parte dos retardantes são altamente tóxicos e cancerígenos desde o mais vulgar e barato, o ácido bórico H3BS3 aos ABS – Acrilonitrilo Butadieno Estireno e Trióxido de Antimónio Sb3O3.

Contudo há moléculas químicas inorgânicas que tem alguma ação retardante quando combinadas com os verdadeiros retardantes, contribuindo assim para a redução da toxicidade do soluto retardante. Posso citar a vulgar argila ou montmorillonite abundante em Portugal que micronizada pode ser misturada com os retardantes e ajuda a criar uma espécie de placa antifogo na superfície onde cai ou onde é colocada nos fatos de bombeiros, superfícies de móveis, automóveis, etc. .

Também o dióxido de titânio TiO2 pode minorar a toxicidade quando misturado em forma micronizada ou em partículas ainda menores denominadas nanopartículas.

Não há, contudo, retardantes totalmente inócuos e, por isso, foram proibidos em estados americanos como o Maryland e Vermont, mas não na Califórnia em que se considera que os males dos incêndios gigantescos superam os da toxicidade dos retardantes e os bombeiros utilizam máscaras protetoras que impedem a inalação desses produtos, ou deveriam impedir.

Havendo tantos cientistas conhecedores do fogo em Portugal nas diversas universidades seria aconselhável que estudassem um soluto retardante com baixa toxicidade que aumentasse o efeito antifogo. Nem é preciso fabricar muito porque as diversas empresas químicas fornecem todos os compostos, sendo uma das mais importantes neste campo. a empresa estatal alemã Evonik.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Retardantes do Fogo são Tóxicos

  1. Por um lado , um povo ignorante ou mal informado . Acritico . Por outro , sucessivos incompetentes governos que se alternam para ver quem rouba mais (Jose Saramago) . Já não há mais nada para roubar . E um povo atacado de leucemia social . Aconteceu Pedrogao . Aconteceu Monchique . E vai continuar a acontecer . O culpado é o CLIMA . E o pagode acredita !… Mas para que serve o IMA ? Mas o clima não é previsível ? Previsão e planeamento em vez desta incompetencia de boys … E ainda mais simples : guardas florestais , casas de campo e postos de vigia . Era assim , e assim funcionava e era infinitamente mais barato . Não dava era aso a chorudas negociatas …

    Gostar

    • Absolutamente, AS, como com a CP. Onde não há ‘um’ administrador, ‘um’ assessor, uma secretária,
      capazes de passar revista* ao comboio, no final da passagem das equipas de limpeza das carruagens e casas de banho do comboio antes da partida.
      Vantagens da colocação de mandarins do Partido, capazes ou incapazes, por cara ‘renovação’ do Govern do reino.
      *Revista, termo anacrónico, do tempo em que os animais falavam, do obscuro tempo do serviço militar.
      Faça por ler Felisbela Lopes no Jornal de Notícias de sexta. O Alfa Pendular, como peça do Horror Lusitano.
      A bem do Regime.

      Gostar

    • Mais um especialista, mas agora em retardantes de chama cuja composição é totalmente inventada, pois o componente essencial do retardante é Polifosfato de amónio (mais de 98%) e que nem é mencionado, sendo o restante um corante à base de oxido de ferro que serve de marcador e guia de orientação ao piloto para dar continuidade à descarga seguinte de modo a conseguir-se a circunscrição do incêndio evitando a desordenação das largadas de água.
      O Polifosfato de amónio é um adubo líquido e não é tóxico e é aplicado em Espanha, França, Estados Unidos, Canadá e Austrália. A adição água dos aviões de 5% a 8% de uma solução a 25%, o que significa cerca de 1 a 2% de retardante, representa um custo anual de 50000€ o que não é nada quando comparado com o custo dos meios aéreos de 20 milhões resulta 0,25%.
      A este custo acresce que:
      • Nas largadas de avião a água tem tendência a evaporar a 5oo metros de altura e o retardante mantém, cai no solo e evita a propagação do incêndio e como é vermelho/sangue é visível do ar e a próxima largada é feita na continuidade.
      • É imprescindível para circunscrever os incêndios

      Em Portugal deixou de ser usado em 2004/2005, até aí consumido com sucesso, pois o perecer de um técnico muito conceituado na altura Professor na Universidade de Coimbra, Domingos Xavier Viegas recomendou à comissão técnica do Serviço Nacional de Bombeiros o uso de água apenas.
      Infelizmente, no dia 7 de Agosto de 2018, o prof. D Xavier Viegas alterou a sua opinião, mas já era tarde, mas sem contudo não deixou de referir que não sabia (mais um sem memória) insinuando quiçá que podia ser um lobby

      Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.