Madonna: o olhar pequeno sobre a pequenez 

 

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 03/07/2018)

madona

Desde que Madonna chegou a Portugal que o festival de provincianismo tem sido deprimente. E quem mais tem contribuído para ele tem sido a comunicação social, que vai alimentando o orgulho pátrio e bairrista fazendo cada lisboeta e português sentir que respira o mesmo ar que a estrela pop. Que a imprensa cor de rosa se dedique a isso, é natural. Faz parte da sua “função”. Que os jornais de referência o acompanhem sempre me pareceu um pouco mais estranho. Mas adiante.

Quando saiu a primeira notícia sobre o estacionamento de Madonna – excelente deve estar o país e a cidade para esta ser a polémica que alimenta as nossas preocupações – julguei estar perante mais um episódio de bimbalheira nacional. A senhora dona Madonna quer uns lugarzinhos, que não seja por isso, cá estão eles. Não seria de espantar, sabendo que quando Madonna chegou a Lisboa teve direito a boas-vindas de Fernando Medina. O deslumbramento denuncia o atraso. As primeiras notícias sobre este caso confirmavam o meu receio: não tinham conseguido confirmar se havia um contrato e quanto ela pagava e houve jornais que até nos garantiram que o acordo tinha sido oral.

Passados uns dias, as coisas eram um pouco diferentes. A cedência a título precário, de que Madonna não é a única beneficiária na cidade, feita no Palácio Pombal, foi contratada em 2018. Dela resulta o pagamento de 720 euros mensais e é justificada pelo facto dos imóveis que comprou estarem em obras. O contrato foi divulgado e corresponde a outras duas dezenas similares. Incluindo para particulares quando há edifícios em obras. Mas é um contrato difícil de se celebrar, porque é preciso que sejam obras significativas e por um tempo que justifique e que haja espaço disponível próximo.

Há alguma arbitrariedade na forma como estas cedências precárias são feitas e Medina esteve péssimo quando não divulgou imediatamente o contrato. Mas entre o que a comunicação social insinuou no início e o que sabemos agora vai uma razoável diferença. E esta polémica é o melhor retrato da pequenez com que olhamos para nossa própria pequenez

Pelo menos um órgão de comunicação social (a agência Lusa) tinha a obrigação de o saber porque tem um acordo igual. Estes espaços cedidos para estacionamento são espaços temporariamente vazios para necessidades temporárias e com um pagamento que resulta de uma tabela da EMEL. Tudo está enquadrado pela lei (artigo 148.º e seguintes do Código do Procedimento Administrativo), apesar do CDS ter dúvidas sobre o rigor dessa aplicação. E, ao que parece, faz parte da gestão corrente que não tem de ser discutida em reunião de Câmara. Mas a verdade é que outras cedências precárias de espaço (ao que parece toda a gente sabe que eles sempre existiram, mas resolveu fazer-se tudo de parvo durante uns dias) passaram pela Câmara.

O parque mais próximo tem um custo mensal de 65 euros por carro, o que corresponderia a mais 255 euros mensais, mas com a vantagem de ser uma solução definitiva e a desvantagem de não ser fácil arranjar 15 lugares. As razões invocadas pela Câmara de Lisboa para ceder o estacionamento em troca de pagamento estipulado pela tabela da EMEL foram semelhantes a de outras cedências – Madonna adquiriu imóveis na zona envolvente à Rua das Janelas Verdes que estão em obras e a ausência temporária de estacionamento para os carros da sua equipa causaria ainda mais problemas numa zona onde o estacionamento é ainda muito difícil.

Ou seja, tudo indica que o contrato assinado para a cedência precária de estacionamento num terreno camarário perante obras profundas em vários imóveis de Madonna parece cumprir todas as regras legais (o CDS contesta), não é inédito (são os próprios vereadores da oposição a reconhecer que discutiram outros em reuniões de Câmara) e os valores cobrados correspondem à tabela da EMEL. Não estamos perante um acordo oral ou informal. Parece-me haver alguma arbitrariedade na forma como estas cedências precárias podem ser feitas, graças a critérios demasiado subjetivos? Sim, tanto para a Madonna como para a Lusa e para os outros poucos beneficiários. Parece-me que Fernando Medina esteve péssimo quando não divulgou imediatamente o contrato e não deu as explicações que dá agora. Claro. Todos temos direito a saber os contratos que que a Câmara assina. Mas entre o que a comunicação social disse no início e o que sabemos agora (graças, por exemplo, ao insuspeito “Observador”) vai uma razoável diferença. E o rigor que exijo aos governantes é aquele que exijo a quem os escrutina. Até porque sem esse rigor não temos escrutínio, temos polémicas passageiras e estéreis que acabam sempre numa névoa que vagamente se assemelha à verdade. O provincianismo com que Madonna foi recebida não é exclusivo de Medina. E esta polémica é o melhor retrato da pequenez com que olhamos para nossa própria pequenez.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Madonna: o olhar pequeno sobre a pequenez 

  1. Manuel G., por aquilo que se sabe dos jornais este artigo do Daniel Oliveira tem dois parágrafos típicos de quem parece que tem a boca cheia de papas de farinha (pois não adiantam nada e que só enchem, acho).

    Sendo expedito, e nem cito-citando-o o facto de alguém ser jornalista, o que deveria ser perguntado publicamente é se o tal contrato existe-assim-assim e não foi sequer assinado (já que ele ou algo assim foi divulgado pela CML amputado), o porquê de estar rasurado (porque a/o contratante é uma personalidade exótica?!), ou se é o Expresso (e o Daniel Oliveira que parece ter lido apressadamente o artigo…) quem está a fazer um frete?

    É ver as imagens do alegado “contrato” onde se lê, no fim, que ele “foi feito em dois exemplares devidamente rubricadas (sic) e a última assinada (sic-bis)”. Ou seja, senhores/as, dever-se-ia pegar a sério no assunto até porque não é aceitável que uma entidade pública divulgue um qualquer print manhoso (eu, e imagino que outros maduros, não fazemos isso nem na vidinha-da-gente na gestão do condomínio).

    Aqui ao vivo e a cores, interessam as imagens: http://expresso.sapo.pt/sociedade/2018-07-02-Veja-o-contrato-mais-polemico-do-momento-o-que-a-Camara-de-Lisboa-assinou-com-Madonna#gs.OLsom9U

    _____

    Nota, importante. As trapalhadas do Fernando Medina e a falta de transparência perante os seus iguais e, claro!, os eleitores lisboetas, porque a CML é um bólide demasiado grande para as suas unhas, constitui um padrão que estará para sempre colado à sua pele desde a compra do duplex dos 645 mil euros (que mama!). Não me surpreende, pois, recordo que o PS foi penalizado perdendo a maioria absoluta… de António Costa.

    Gostar

    • Adenda, em tempo.

      Ainda sobre o candente assunto de um alegado fretismo, alguém que anda pelo Expresso online vá-se lá saber porquê parece que resolveu substituir as imagens do alegado “contrato” da CML por umas imagens de baixa-resolução (tornando tudo isto ainda mais nebuloso, literalmente!). É ver, ontem e hoje (que parvos não somos).

      Gostar

      • Segunda adenda (sobre o Fernando Medina com o Vítor Gonçalves, que não sei se viram ontem).

        Tema de abertura: a Madonna, claro!, mas pareceu-me que o Medina se equivocou ao ler os papeis de preparação da entrevista. Em vez do exemplo do hotel acho que estava escrito que era um hospital-para-velhinhos-coitadinos, sabes alguma coisa disto Manuel G.?

        [Confrangedor, só no fim é que um misericordioso Vítor Gonçalves lançou uma escada para o Fernando Medina ter oportunidade de contar pela infinitésima vez a estória do anúncio n’O Século onde a família anunciava, ao Edgar Correia do PCP então na clandestinidade, o nascimento de um filho varão…]

        Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.