A Venezuela revolta-se contra o Petrodólar

(Manlio Dinucci, in Rede Voltaire, 20/09/2017)

dolar_r

A partir desta semana fixa-se o preço médio do petróleo em yuan chinês”, anunciou, em 15 de Setembro, o Ministério venezuelano do petróleo. Pela primeira vez, o preço de venda do petróleo venezuelano já não é estabelecido em dólares.

É a resposta de Caracas às sanções emitidas pela administração Trump em 25 de Agosto, mais duras do que as impostas pela administração Obama, em 2014: elas impediam a Venezuela de receber dólares das vendas de petróleo para os Estados Unidos, mais de um milhão de barris por dia, dólares utilizados até agora para importar bens de consumo, como alimentos e remédios. As sanções também impedem a comercialização de títulos emitidos pela PDVSA, a companhia petrolífera estatal venezuelana.

Washington tem um duplo objectivo: aumentar a escassez de bens de primeira necessidade na Venezuela e, portanto, o descontentamento popular, no qual se destaca a oposição interna (forjada e apoiada pelos EUA) para derrubar o governo Maduro; lançar o estado venezuelano em incumprimento, ou seja, na falência, impossibilitando-o de pagar a dívida externa, ou seja, para fazer falir o Estado que tem as maiores reservas de petróleo do mundo, quase dez vezes mais do que os Estados Unidos.

Caracas tenta escapar ao tormento sufocante das sanções, cotando o preço de venda do petróleo não em dólares americanos, mas em yuan chinês. O yuan entrou há um ano na cesta das moedas de reserva do Fundo Monetário Internacional (juntamente com o dólar, o euro, o iene e a libra esterlina) e Pequim está prestes a lançar contratos de comercialização do petróleo em yuanes convertíveis em ouro. “Se os novos contratos se consolidassem, mesmo que parcialmente, corroendo o poder dos petrodólares, seria um golpe impressionante para a economia dos EUA”, comentou o Sole 24 Ore.

Ao ser questionado pela Rússia, pela China e por outros países não é só o poder excessivo do petrodólar (moeda de reserva gerada pela venda de petróleo), mas a própria hegemonia do dólar. O seu valor é determinado não pela capacidade económica real dos EUA, mas pelo facto de representar quase dois terços das reservas monetárias mundiais e é a moeda com a qual se determina o preço do petróleo, do ouro e das mercadorias. Isso permite à Reserva Federal, ao Banco Central (que é um banco privado) imprimir milhares de biliões de dólares com os quais a dívida pública colossal dos EUA é financiada – cerca de 23 triliões de dólares – através da compra de acções e de outros títulos emitidos pelo Tesouro. Neste contexto, a decisão venezuelana de dissociar o preço do petróleo do dólar provoca um choque sísmico que, do epicentro sul-americano, faz tremer o palácio imperial fundamentado no dólar.

Se o exemplo da Venezuela se espalhasse, se o dólar deixasse de ser a principal moeda do comércio e das divisas das reservas internacionais, uma grande quantidade de dólares inundaria o mercado, provocando o colapso do valor da moeda dos EUA.

Este é o verdadeiro motivo pelo qual, no Mandato executivo de 9 de Março de 2015, o Presidente Obama proclamou “a emergência nacional a respeito da ameaça inédita e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos estabelecida pela situação na Venezuela”.

É o mesmo motivo pelo qual o Presidente Trump anuncia uma possível “opção militar” contra a Venezuela. Ela está a ser preparada pelo U.S. Southern Command, cujo emblema é a Águia imperial a pairar sobre a América Central e do Sul, pronta a mergulhar as suas garras em quem se revolta contra o império do dólar.


Fonte Aqui

Anúncios

8 pensamentos sobre “A Venezuela revolta-se contra o Petrodólar

    • Claro que SIM. Toda a gente sabe isso. O Saddam Hussein quis cotar o petróleo do Iraque em euros. Esse foi o motivo da guerra. A existência da “armas de destruição maciça” (que continuam sem aparecer) foi a mentira inventada para justificar perante a opinião pública ocidental uma guerra ilegal, contra as leis das Nações Unidas.
      Lamentavelmente 4 países da UE (3 países e 1 cujo PM andou a servir os cafés) alinharam a favor dos EUA (e contra o interesse/vontade dos seus povos) e é por isso que agora há carros e camiões a atropelar pessoas a eito nas ruas desses 3 países. Sabem quais: é só ver aonde ocorrem os atentados “terroristas”.

      Liked by 1 person

  1. Há sempre alguém que resiste… Há sempre alguém que esclarece… Todos os impérios tiveram uma ascenção e uma queda… Mas ainda há quem pense que este império é para duara… Já o Hitler acreditava no «Reich» dos 10.000 anos…

    Gostar

  2. Sim todos os impérios caem, o que não é necessariamente bom.
    Quando caiu o Império Romano o que se seguiu não foi bom. Seguiram-se tempos muito conturbados, de desgraça, instabilidade e violência que muito sofrimento provocaram.
    Assim, já pensou que se o Império Ocidental (aqui representado pelo pais mais representativo os EUA) cair , o que poderá suceder ? Eu durmo mais descansado se este império não cair pois o que se seguir pode ser muito mau, segundo a nossa concepção de Liberdade e modo de vida, evidentemente.

    Rui Silva

    Gostar

    • Neste caso (ou melhor, nos dias de hoje) – em rigor – não se deve falar de «Império “Americano”»… Já John Atkinson Hobson – a propósito da guerra dos boeres – escrevia há 110 anos que o «Império» que fazia guerra às repúblicas boeres, era o império do «Capital» (sem pátria) que instrumentalizava o poder militar do Reino Unido.
      De vez em quando há uns «iluminados» – como era o caso de Hitler – que sonham com impérios de base «nacional»… Esses sonhos ainda por aí andam e infectam muitas mentes, como será o caso do sr. Trump. Mas isto é apenas uma opinião… Não é para levar muito a sério!…

      Gostar

      • Sim , por isso no meu comentário não falei em Império Americano mas sim em Império Ocidental, pois existe uma identidade num certo numero de países a que convencionamos chamar ocidente. Os EUA são a maior potencia do império, por isso naturalmente assumem a posição de líder.
        Em relação ao a Trump penso que é o primeiro presidente após Reagan que tem uma visão de império ocidental mais correcta, como atestou o discurso na Polónia…
        Rui Silva

        Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s