Macron: depois de engolir o sapo, fritar o sapo

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 09/05/2017)

Autor

                                    Daniel Oliveira

O resultado de Le Pen foi tão baixo como as sondagens mais otimistas previram. Depois do Brexit e de Trump, o medo de uma vitória de Le Pen desafiava todas as evidências. Segundo os inquéritos conhecidos, mais de metade dos eleitores de Mélenchon votaram em Macron. Desses, mais de 70% declarou fazê-lo para derrotar Le Pen, uma percentagem mais alta do que os eleitores de qualquer outro campo político. Apenas um décimo votou em Le Pen. Mais de um quinto dos eleitores de Fillon, da direita conservadora, votou na candidata de extrema-direita. Ou seja, a histeria que se abateu sobre a esquerda nos últimos dias nada tinha a ver com a realidade no terreno.

A esquerda mobilizou-se para votar contra Le Pen mas qualquer equívoco sobre o que representa o novo Presidente foi dissipada por Manuel Valls, o ex-primeiro-ministro que depois de derrotado nas primárias socialistas decidiu não acatar o resultado e apoiar Emmanuel Macron. Numa entrevista à rádio Europe1, ainda antes da segunda volta, Valls decretou a morte do partido de que queria ser candidato ainda há poucos meses: “Este é o fim de uma história que conhecemos bem.” Não explicou a decadência dos socialistas com o seu governo e a presidência de Hollande. Para ele, a razão da derrota socialista foi a oposta: “não fomos capazes de mudar o nosso nome, de mudar nossa natureza.” Sobre conversas à esquerda, não podia ser mais claro: “Alguns ainda esperam alianças com Mélenchon. Estamos numa aliança com ambientalistas que esperam aliar-se a Mélenchon. Há socialistas no PS que também esperam esta aliança. O que poderíamos fazer juntos? Nada. Estamos, é claro, no embate principal contra a extrema direita. Mas amanhã, quando for para governar, não teremos nada a fazer juntos.” O objetivo é claro: reduzir o PS à sua expressão presidencial, cortar qualquer ligação ao resto da esquerda e garantir a Macron uma plataforma maioritária ao centro – com ou sem o que sobre dos socialistas.

Como explicou Valls, qualquer diálogo entre Macron e a esquerda que nele votou acabou agora. O seu projeto é isolar a esquerda e enterrar a parte do Partido Socialista que não o quis deixar de o ser. Por isso, a esquerda francesa (e europeia) não deve ter ilusões: era indispensável derrotar Le Pen, mas Macron representa uma das mais perigosas tentativas de a retirar do debate político em França e na Europa.

Não estou a dizer nada de novo. Se se recordam, o maior elogio que foi feito a Macron depois do debate contra Le Pen foi ele ter tido a coragem de reafirmar o seu projeto em vez de optar por uma frente democrática. O que correspondeu a ignorar a esquerda na segunda volta. Graças a essa estratégia, que resultou da certeza que os eleitores de Mélenchon se mobilizariam, como mobilizaram, contra Le Pen, tem toda a liberdade para fazer o que quer: mudar as leis laborais, liberalizar a economia e aprofundar a integração europeia na lógica de Merkel. Com o voto dos eleitores de esquerda.

Nunca sabemos quando vivemos um marco histórico, mas suspeito que estas eleições, da primeira volta às legislativas, sejam um desses momentos: a mais significativa vitória do neoliberalismo na Europa. Hoje, a esquerda que está aliviada é responsável. A que está feliz é suicida

O sistema eleitoral francês é peculiar, feito para favorecer os partidos do centro e os acordos políticos. São círculos uninominais, em duas voltas, em que passam à segunda os candidatos com mais de 12,5% (havendo muitas vezes desistências). Este sistema favorece alianças ao centro e impede os partidos das margens de ter uma representação vagamente aproximada ao seu peso real. Aquilo que Valls se prepara para fazer é fazer por fora o que não provavelmente já não conseguirá fazer por dentro: a construção de uma força política liberal que esvazie o centro-esquerda e capte o centro-direita. O sistema eleitoral, bom para o centro político, favorecerá a sua vontade. Todo este processo passa por acabar o que os partidos tradicionais começaram por si: a implosão do sistema partidário francês. A partir daqui, com um programa claro e sem concessões à esquerda, tudo será mais simples do que até agora.

Le Pen tinha de ser derrotada. Porque uma vitória sua punha em causa os mínimos civilizacionais de que depende qualquer debate político. Porque não se salva nada se não se salva a democracia. Mas, depois de derrotar Le Pen, é com Macron, Valls e todos os que usaram os partidos socialistas para os esvaziar de programa e de eleitores que a esquerda fará a grande clivagem política. Porque ele representa, nas suas propostas e na sua estratégia de destruição dos sistema político-partidário francês, a derradeira derrota da esquerda europeia e da sua agenda social, o golpe de misericórdia nos socialistas e a definitiva marginalização do resto da esquerda, que o próprio Valls anunciou para depois destas eleições. Ontem, a esquerda antifascista suspirou de alívio. Mas não há razão para transformar esse suspiro num aplauso.

Nunca sabemos quando vivemos um marco histórico, mas suspeito que estas eleições, da primeira volta às legislativas, sejam um desses momentos: a mais significativa vitória do neoliberalismo na Europa. O momento em que a esquerda pode quase ser varrida do mapa político francês, definitivamente substituída pela direita xenófoba como alternativa ao neoliberalismo e futuramente condenada a escolher entre Estado Social e democracia. E para políticos como Macron, Le Pen será sempre a adversária ideal: é ela que lhe garante o voto da esquerda sem concessões. Nas legislativas, este processo pode traduzir-se na destruição do Partido Socialista. Hoje, a esquerda que está aliviada é responsável. A que está feliz é suicida.

O que seria bom, mas não acontecerá, era que esquerda mais radical, comunistas, ecologistas e socialistas (toda a esquerda francesa) conseguissem construir uma plataforma de entendimento (que pode traduzir-se em apoios na segunda volta) para impedir uma maioria de Macron, empurrando-o para os braços dos republicanos. Que toda a esquerda se posicionasse para liderar a oposição à sua agenda de desregulação económica e laboral. Que se construísse uma geringonça francesa, na oposição. Mas o problema será sempre, como é por cá, a questão europeia. Essa é, na realidade, a fratura política que está a dividir e a destruir a esquerda. Não é, como outras, uma falsa fratura. O tempo dirá que esta União é, na realidade, a razão primeira do eclipsar da esquerda europeia. Infelizmente, temo que descubram tarde demais.


Contactos do autor: Email

Anúncios

3 pensamentos sobre “Macron: depois de engolir o sapo, fritar o sapo

  1. Valls é tóxico: Bem pode por-se em bicos dos pés que Macron o ignorará. Aliás, se fosse a União a causa do eclipse da Esquerda, não estaria tão determinada a Direita proto-fascista Britanica em denunciar a Convenção Europeia dos Direitos do Homem e saír da jurisdição do respectivo Tribunal.

    Gostar

  2. Ó DO, você faz-me recordar aquela cantiga da mocidade portuguesa que narrava assim:
    《Lá vamos, cantando e rindo
    Levados, levados, sim
    Pela voz de som tremendo
    Das tubas, clamor sem fim.

    Lá vamos, que o sonho é lindo!
    Torres e torres erguendo.
    Rasgões, clareiras, abrindo!

    Alva da Luz imortal,
    Roxas névoas despedaça
    Doira o céu de Portugal!

    Querer! Querer! E lá vamos!
    Tronco em flor, estende os ramos
    À Mocidade que passa.》

    que eu aqui substituiria este último terceto por:

    “Querer! Querer! E lá vamos!
    Com a mídia vendida, estendendo os ramos
    Ao capitalismo que passa.”

    Até quando?
    Tenho esperanças de que um dia o Zépovinho, pela fome, sairá da hibernação política a que o capitalismo (e seus acólitos ajudados pelos escribas da côrte) sujeitou e julgará todas e todos de uma só vez, porá fim a esse hediondo sistema capitalista que há mais de 400 anos explora, degrada, rouba, tortura, corrompe e mata, iniciando o novo capítulo da História da Humanidade que se lhe seguirá.
    Quero ajudar o Zépovinho nessa epopeia!…

    Gostar

  3. Uma “geringonça francesa” ? Porque não ? Hamon pode muito bem ficar enjoado com Valls e o resto da esquerda “caviar” e juntar~se a Mélenchon. Se este não for demasiado exigente com a visão que só é dele e se tolera outro galo na sua capoeira ! O problema é que parece haver fricções com os comunistas… A ver vamos mas la “France Insoumise” está ela também “en marche” e presta a criar um verdadeiro partido de Esquerda, uma plataforma que muitos como eu desejam.

    Liked by 1 person

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s