A morte de BB, aquele que sabia bem onde estava no 25 de Abril

bbmorte

Durante meses publiquei as crónicas de Baptista Bastos do Jornal de Negócios e também do Correio da Manhã, sempre que conseguia ultrapassar a aversão de visitar este último.

Baptista Bastos era senhor de uma prosa magnífica e de um refinado domínio da palavra, um português sempre cerimonial mesmo quando escrevia sobre casos simples, da vida dos mais simples, mas que nunca eram pequenos casos porque se transformavam em grandes paradigmas quando tratados pela sua pena.  É sempre com mágoa que vemos partir um viciado da liberdade, um lutador pela democracia, um artífice da palavra e do verbo a servir a liberdade e a democracia.

Que fiques entre flores, Baptista Bastos, para todo o sempre. Qual Cão Velho entre flores, como intitulaste um dos  teus mais emblemáticos romances que nos deixas.

Estátua de Sal, 09/05/2017


(In Diário de Notícias, 09/05/2017)

1934-2017. Conhecido como colunista nos últimos anos, começou na António Arroio pois queria ser arquiteto. Foi das palavras, apenas

Quem morreu hoje aos 83 anos nunca ponderou retirar o “P” do nome à conta de modernices e por isso ficou sempre Armando Baptista-Bastos. Havia esse cuidado nas redações em evitar um deslize que irritaria o jornalista, o escritor e o polemista que ficou conhecido por muitas reportagens e entrevistas, bem como o género que gostava de cultivar: a crónica. E livros, muitos, reeditados há uns anos em género de obras completas. Mesmo que a frase que mais lhe estava agarrada à pele nos últimos anos fosse “Onde é que você estava no 25 de Abril?”, que era a pergunta que lançava de rajada no início de um conjunto de entrevistas que fez. Sobre esse tema, desiludido com os passos atrás na Revolução de Abril, escreveu Elegia Para um Caixão Vazio. Está tudo dito.


Fonte aqui: Óbito – A morte de BB, aquele que sabia bem onde estava no 25 de Abril

Anúncios

3 pensamentos sobre “A morte de BB, aquele que sabia bem onde estava no 25 de Abril

  1. Portugal fica mais pobre.
    O jornalismo mais pobre ainda, assim como a arte das letras.
    Ficam as obras, muitas e diversificadas quanto recomendáveis, mas também a memória que não apenas do autor – a do HOMEM!…
    À família enlutada a mais sentida solidariedade pelo triste momento. E que o nosso BB descanse em PAZ!
    Ao Mestre, ao camarada e ao amigo, um até SEMPRE porque vais continuar por aqui, agora com muita saudade, mas na certeza de que a luta que aqui travaste vai continuar também com a minha modesta ajuda…

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s