A derrota dos princípios

(Baptista Bastos, in Jornal de Negócios, 06/01/2016)

bb1

Nada parece travar a sanha do Daesh contra as sociedades ocidentais ou suas, historicamente, associadas. O ano que passou foi um caudal de violência e, apesar da aparente queda de Alepo, a miséria moral e conceptual persiste. O que restou foi a imagem medonha de uma guerra ilimitada, sem regras e desprovida de qualquer sentido de humanidade. Tudo indica que esta violência insana e, aparentemente, sem sentido vai prosseguir, um pouco pela Europa, sem que a Europa demonstre o mais leve sentido de acabar com a terrível pouca-vergonha.

A aliciação feita a imensas camadas jovens amedronta todos aqueles que se julgam a salvo da ameaça. Mas a verdade é que o mundo está em guerra, uma guerra cuja enunciação é uma espécie de regresso ao passado, e de vingança pelo ocorrido há séculos.

A crise das instituições e a crise dos governos (o caso de França e a tibieza moral do seu dirigente François Hollande são particularmente eloquentes) conduzem os povos a uma perplexidade sem nome. Manifesta-se a derrota dos princípios, e a ascensão de relações de poder que reduzem a nada os mais salientes padrões morais e sociais. A guerra do Daesh é uma guerra de princípios sórdidos, como temos visto em diversos programas de televisão. As degolações e o terror infundido inserem, nesta agonística, um novo capítulo do medo. E deixa-nos indignados com a indiferença amplamente demonstrada pela União Europeia, mais propensa a analisar o mundo pela “moral” económica do que pela eficácia das soluções que, afinal, não apresenta.

Alguns dos princípios que inspiraram as nossas oposições éticas foram dizimados e, até, ultrajados pelo comportamento de muitos ex-dirigentes da União Europeia que se bandearam, com ordenados e posições sociais inenarráveis. Estou a pensar, claro, naquele português, ex-dirigente de uma das extremas-esquerdas nacionais, cuja trajectória é a desgraçada vergonha de quem a tem. O pior de tudo são as poderosas companhias, como a Goldman Sachs, sempre dispostas e pressurosas a contratar tipos desta natureza e feitio.

A contrademocracia apoia-se neste género de gente sem vergonha, que constitui quase um exército desprovido do sentido da nobreza e da honra, e disposta a todo o género de bandalhices. Eis porque o que tem feito de nós seres éticos e políticos está a desaparecer. Repare-se, por exemplo, no que tem acontecido em França, onde a implicação de cada um no assunto público havia criado uma grande geração de pensadores e de críticos, que fizeram escola e animaram o pensamento europeu, com uma generosidade sem mácula.

Hoje, ao que parece, o dolo e a manigância somos quase todos nós. Caídos na aparente facilidade concedida por uma sociedade sem grandeza nem objectivo e, sobretudo, sem leis éticas, o pensamento foi derrotado e desfeito (como se tem verificado) a troco da venda ou do aluguer do próprio carácter.

O que ocorre, na Europa e no resto do mundo, é a sobrevalorização do pensamento segundo o qual o importante é a maneira de conduzir os comportamentos. Adquirindo-as, se for preciso para essa estratégia, a troco de dinheiro e de lugares excepcionalmente remunerados.

Advertisements

4 pensamentos sobre “A derrota dos princípios

  1. E verdade caro Sr Baptista Bastos, o nosso mundo actual se rege unicamente pela força do dinheiro e não entendo como esta construção magnífica que poderia ter sido a União Europeia não encontrou os leaders capazes de realizar aquilo em que acreditei quando me casei na Suécia há 43 anos com um Português com quem vivo ainda, feliz sim, mas ambos desolados de constatar que nos enganamos sobre o nosso então “futuro” que viámos tão belo!

    Gostar

  2. “Também tu, Brutus?!”.
    Vem esta célebre frase a propósito da expressão “queda de Alepo”, que utiliza.
    A Síria, um país soberano, com um regime constitucional, vê-se em 2011 invadida por grupos mercenários apoiados diretamente pelas forças da chamada “Civilização Ocidental”, liderada pelos inefáveis Estados Unidos da América.
    Rapidamente se apoderam de grande parte do território sírio, incluindo a quase totalidade da cidade de Alepo.
    No final de 2016, a Síria e os seus aliados, escorraçam de Alepo, os terroristas, os americanos, os franceses, os ingleses, os sauditas e outros salafrários.
    Acha, Sr. Batista Bastos, que isto foi a queda de Alepo?!
    Discordo em absoluto. Esse é o discurso do chamado “mainstream desinformativo”.
    O que ocorreu, de facto, foi a libertação de Alepo.

    Gostar

  3. Subscrevo em pleno, o que escreveu este grande senhor do jornalismo decente, e que, dá pelo nome de Baptista Bastos. Quero que saiba que tenho imensas saudades das suas inteligentes e humana crónicas que durante muito tempo tive o privilégio de ler no Diário de Noticias . Infelizmente deixaram de contar com o seu precioso trabalho e ao que me pareceu, de uma forma muito ingrata. Permita-me caro senhor Baptista Bastos, enviar-lhe um grande abraço deste operário que também já não vai para novo (72 anos) apenas com a 4ª classe, mas que sempre admirou a sua pessoa e o seu digno e honesto trabalho de escritor e de grande Jornalista. Obrigado Baptista Bastos.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s