Sabias que és de direita?

(Isabel Moreira, in Expresso, 17/12/2016)

ISA_MOR

Uma das traves mestras do discurso da direita é a defesa do princípio da liberdade com uma certa configuração. A direita tem no seu património a liberdade como valor absoluto ou, de certeza, como valor que se sobrepõe aos demais, como o da igualdade.

Este discurso tem colonizado a sociedade e até pessoas que se afirmam de esquerda. Pensam que se compartimentarem a defesa do princípio liberdade à questão da liberdade de expressão, à defesa da recusa da não contenção do discurso, não se movem ideologicamente.

É precisamente aqui que está o equívoco. A esquerda, por definição, não absolutiza a liberdade em qualquer dimensão – e por isso também não o faz na liberdade de expressão – porque isso é a base da exploração dos mais fracos, das mulheres, dos pobres, dos negros, da comunidade LGBT, enfim, da parte mais frágil da sociedade, pelos mais fortes, pelos sexistas, pelos racistas, pelos xenófobos, pelos homofóbicos.

Para a esquerda, não há valores absolutos e o princípio da liberdade articula-se com o princípio da igualdade.

Esta premissa concretiza-se em todas as dimensões da nossa vida em sociedade, concretiza-se, portanto, no debate em torno dos limites da liberdade de expressão. A esquerda não defende que se cale quem diz uma frase que desagrada, só se cala o que é crime, mas a esquerda tem por imperativo ético a valorização da linguagem em sentido empático e integrador, ao invés de lhe dar uma função de exclusão do outro ou de perpetuação dos desvalores sociais, como o racismo, o sexismo, a xenofobia ou a homofobia.

Quando decido não perpetuar anedotas sobre deficientes, quando decido parar a cadeia histórica de repetição das palavras que são a tradução dos insultos dirigidos às mulheres ou aos homossexuais, estou a exercer a minha liberdade de expressão negativa, estou a escolher – e aí reside a grandeza da minha liberdade – não contribuir pela linguagem para a desigualdade e para a discriminação.

Estou a ser, na linguagem de agora, politicamente correta, diz-se. Seja, mas antes de mais estou a ser de esquerda. Estou a fazer uma ponderação entre liberdade e igualdade.

Quem faz o contrário está a aderir à tese da lei do mais forte. Diz que está apenas a falar de liberdade de expressão. Mas a tese deriva de uma mais geral e que se aplica a todas as dimensões da vida.

Se achas mesmo que a liberdade de expressão não deve ter limites e que não devemos ceder à autocontenção do discurso, és de direita, sabias?

Tens todo o direito a isso. Só não te apresentes como pertencendo a um campo ideológico incompatível com o que dizes (sem freios), pode ser?

Anúncios

Um pensamento sobre “Sabias que és de direita?

  1. Interessante! Esta perspetiva sobre a liberdade consubstancia uma outra forma de interpretar o imperativo categórico de Kant. Creio que nenhuma outra é aceitável. Porém, o problema do não respeito pela pessoa subsiste.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s