Pequena memória das ruas e das raparigas

(Baptista Bastos, in Jornal de Negócios, 01/04/2016)

bb1

Baptista Bastos

Há muito tempo que não passava por estas ruas. Aqui nasci, aqui aprendi a sobreviver. As ruas não são locais amenos; são instâncias de desaforo e temos de saber como nos defender. Foi nestas ruas e nas Redacções dos jornais que sempre me senti ameaçado e, simultaneamente, protegido. Fiquei, com sete anos, órfão de mãe. O meu pai trabalhava de noite, dormia de dia, e a minha avó Palhaça, assim como o meu primo Armando, surdo-mudo, enorme e atento, tomavam conta de mim. O meu primo armava aos pássaros e, por mais de uma vez, fui com ele vê-lo montar os bretes. Ele percebia e entendia os pássaros como nunca mais vi assim ninguém.

A minha família era enorme, com muitas primas e primos, e habitava zonas diferentes do bairro. Eu percorria todo aquele território, era amigo dos muitos ciganos que também lá moravam, e eram mantidos na ordem por um velho senhor de longas barbas, vestido de negro, Dom Teodósio, que costumava sentar-se à porta de casa, a observar o movimento e, ocasionalmente, a conversar com os homens seus amigos. Toda a gente gostava daqueles ciganos, e havia um, mais novo, grande jogador de bilhar às três tabelas, muito bem vestido, que ostentava um enorme anel de ouro, no dedo mindinho da mão esquerda

Era um bairro bom e acolhedor, cheio de sol e de raparigas.

As raparigas cheiravam bem e iam aos bailes das colectividades, aos sábados, e nós encostávamo-nos a elas, por vezes beijávamos-lhes as orelhas e elas sorriam felizes e divertidas.

Nesses sábados penteávamo-nos com fixador e usávamos umas popas a preceito. As camisas tabeladas, custavam 50 escudos, e descíamos até Alcântara ou amarinhávamos o Bairro Alto, para ir aos bordéis. As donas dos bordéis enxotavam-nos para a rua, éramos muito novos para aquelas assistências, e as mulheres riam muito e alto.

Quando morria alguém, as pessoas faziam “quêtes”, ou para se comprar flores ou para se ajudar quem cá ficava. Quando uma rapariga era desonrada, quer dizer: quando deixava que o namorado ou outro lhe tirasse os três, era ostracizada caso o tunante não casasse com ela. Com as ciganas ninguém se metia. Os ciganos usavam navalhas e outros métodos dissuasores e viviam num mundo de honra e de defesa e manutenção de outros valores.

Estava a escrever esta crónica quando, de repente, se me impôs o perfume das raparigas e o riso claro e único delas, nas épocas em que a Primavera causa tonturas e as exacerba. Agora, pergunto eu: tudo isto poderá ser esquecido?


Um grande romance de amor e de guerra

Pouso este belíssimo romance de João Paulo Guerra, cuja leitura me enche daquela alegria de que falava Montesquieu: “Não há uma boa hora de frequência de um bom livro que me não atenue e o sofrimento, qualquer que ele seja.” “Corações Irritáveis” (estimulante título camiliano) constitui o combate que João Paulo Guerra tem estabelecido contra as iniquidades da política que levam aos infortúnios da guerra. Ele sabe que todas as histórias beligerantes contêm, no seu bojo, uma grande história de amor. Escrito num português de lei, como é timbre do autor, “Corações Irritáveis” leva-nos a percorrer os caminhos da consciência lesada por uma circunstância medonha, que nada tem a ver com obtusas ideias de “patriotismo.” Todas as guerras têm uma causa económica, adverte João Paulo Guerra. Um texto invulgar pelos níveis de leitura que propõe.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Pequena memória das ruas e das raparigas

  1. maravilhoso coração maravilhoso. BB no seu melhor. Como poderia eu escrever uma cronica assim se nasci e brinquei no Campo de Santana? Não HAVIA NADA DO QUE BB ESCREVE, HAVIA E HÁ DOIS JARDINS LINDAS. O DE SANTANA E O DO TOREL. UM GRANDE XI Coração PARA O HOMEM QUE TODAS AS MIÚDAS ADORAVAM. as mais velhas babavam-se para o ver passar.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s