Como a extrema-direita está a aproveitar o conflito na Ucrânia para receber treino militar e criar uma rampa de lançamento para um movimento transnacional

(João Amaral Santos, in Visão, 17/03/2022)

A plataforma bielorrussa NEXTA foi a primeira a publicar imagens da Legião Internacional

Movimentos de extrema-direita norte-americanos e europeus estão a rumar à Ucrânia com o objetivo de ganhar experiência em cenários de guerra. Grupo de Mário Machado viaja no domingo, 20, mas no seio da extrema-direita portuguesa nem todos estão satisfeitos com o lado escolhido.


Pouco mais de 48 horas tinham passado desde o início da ofensiva militar russa, quando o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, apelou aos cidadãos dos países estrangeiros para se juntarem às forças armadas ucranianas e lutarem contra aqueles que designou como “invasores do século XXI”. Numa mensagem de vídeo, Zelensky incitou a uma guerra em nome “da segurança na Europa e no mundo”.

Para agilizar o processo, o governo ucraniano criou um site, chamado Fight for Ukraine (Lutar pela Ucrânia), onde é possível fazer a “inscrição para a guerra” através de um processo simples de (apenas) sete passos.

Duas semanas depois, Kiev garantiaque 20 mil voluntários e veteranos estrangeiros já tinham expressado o desejo em participar na designada Legião Internacional de Defesa Territorial, uma força que, entretanto, se encontra no terreno, sob comando da Direção de Inteligência do Ministério da Defesa ucraniano e do general Kyrylo Budanov.

Mas entre os cidadãos bem-intencionados que fazem fila para lutar pela Ucrânia, encontram-se alguns voluntários com ligações a grupos de extrema-direita e supremacistas brancos, que aproveitaram o apelo de Zelensky para rumarem à Ucrânia, com o principal objetivo de receberem treino e ganharem experiência de combate num cenário real de guerra.

Os governos e as autoridades de vários Países têm sinalizado um aumento da atividade de líderes da extrema-direita (principalmente norte-americanos e europeus), que, desde esse momento, passaram a promover, nas redes sociais – em particular no Telegram –, ações de recolha de fundos, recrutamento de combatentes e planos para a viagem até à linha da frente do conflito.

O “caso” português: nacionalistas divididos

Também o neonazi português Mário Machado viu neste conflito uma oportunidade. Desde o início da ofensiva militar russa, que o antigo dirigente de movimentos de extrema-direita – como os inativos Frente Nacional e Nova Ordem Social – tem publicado, quase diariamente, mensagens de ódio nas suas redes sociais. Aproveitando a (polémica) posição do PCP em relação à guerra, Machado chegou a anunciar, no Telegram, existir a intenção da extrema-direita portuguesa “preparar a invasão e destruição” das sedes daquele partido, passando a terminar os seus textos sobre a guerra na Ucrânia com a expressão “Morte ao comunismo”.

Seguindo a linha ideológica de “combate aos comunistas”, Machado iniciou uma recolha de fundos, conseguindo reunir um grupo de oito indivíduos (sete homens e uma mulher), que agora se preparam para rumar à Ucrânia (domingo, 20) – numa campanha que designou como “Operação Ucrânia 1143” (numa referência ao ano da assinatura do Tratado de Zamora) –, onde se vão juntar a uma milícia da extrema-direita ucraniana, em Lviv, noticiou o Expresso esta semana.

A opção, no entanto, não tem sido consensual no seio da extrema-direita portuguesa, pois o “inimigo” de Machado, Vladimir Putin, tem sido, na realidade, ao longo dos últimos anos, o líder político mais “amigo” da extrema-direita europeia, financiando uma lista de políticos e partidos populistas e nacionalistas, onde se contam Marine Le Pen, Eric Zemmour, Matteo Salvini ou o partido Alternativa para a Alemanha (AfD), entre outros. Mais: Zelensky é judeu, e vários membros da extrema-direita portuguesa não aceitam a ideia de se lutar ao seu lado, apurou a VISÃO.

A discussão levou Mário Machado a ter de dar explicações, através de um áudio partilhado nas suas redes sociais, em que esclarece que esta “é uma ação a favor do povo ucraniano”, mas “não é contra o povo russo e muito menos (…) a favor de nenhum governo”. “Odiamos o Putin, e tudo aquilo que ele representa (…) mas o Zelensky não é um dos nossos”, diz, acrescentando que o presidente ucraniano – “um judeu”, destaca – “defende a narrativa dos governos traidores da União Europeia (UE)”. “Não estamos ao serviço de governos com os quais não nos identificamos”, assegurando que a sua participação no conflito vai acontecer “num pelotão” que não integra as forças armadas ucranianas.

Anticomunismo e oportunismo: o risco da extrema-direita transnacional

O politólogo José Filipe Pinto explica à VISÃOa participação da extrema-direita neste conflito, e as divergências entre quem ataca e defende Putin. O especialista em movimentos extremistas e populismo considera que estes combatentes têm duas motivações essenciais: a ideológica e a oportunista. E as suas prioridades (e metas) não passam, necessariamente, pela defesa da Ucrânia e dos ucranianos.

Por um lado, os movimentos de extrema-direita “têm uma dimensão ideológica que os faz olhar para a Rússia como uma potência ainda ligada ao comunismo, conotada com tudo aquilo que abominam, no que é uma reminiscência do combate contra a URSS, por outros ideais civilizacionais” – precisamente a linha defendida por Mário Machado.

Por outro, estes grupos “têm uma posição interesseira, aproveitando a ocasião para desenvolver aquilo que eles julgam ser os seus talentos” no palco de guerra. “Lutam não só pela ideologia, mas também por interesse imediato, que passa pela afirmação pessoal e coletiva como elementos indispensáveis para a mudança civilizacional que desejam concretizar”, diz.

Obcecados pelo militarismo e pela ordem, palavras-chave desta ideologia, muitos destes combatentes identificam-se com a personalidade e liderança de Vladimir Putin, que consideram “um verdadeiro chefe”, próximo de uma linha conservadora e nacionalista – o que explica as divergências no interior dos movimentos.

Autor de várias obras – entre as quais o recém-lançado As Europas e os Novíssimos Príncipes, Os escândalos populistas (Sílabo, 208 págs, €15,90) –, José Filipe Pinto alerta para “um sério risco” da participação da extrema-direita neste conflito, pois não tem dúvidas que esta experiência está a ser usada como”rampa de lançamento” para “ser criado um movimento de extrema-direita transnacional, não circunscrito às fronteiras de determinado País, mas com base em ideais”, que vão ao encontro daquilo que são os seus principios identitários: uma Europa branca, cristã e tradicionalista (independentemente de nacionalidades).

“Não tenho dúvidas que o objetivo da extrema-direita europeia, a médio prazo, será coligar todos estes grupos e pessoas em nome de uma Europa que comunga dos seus princípios”, garante. Para isso, contam com o treino e a experiência na guerra (e armas na mão).

O risco das armas de guerra “perdidas” no rescaldo do conflito

Quando, na década de 1980, o Afeganistão era palco de uma guerra entre soviéticos, que suportavam o governo de Cabul, e mujahidines, apoiados pelos Estados Unidos, o País tornou-se no epicentro do jihadismo mundial, com militantes islâmicos radicais (como Osama Bin Laden) a se reunirem para lutarem contra os comunistas.

Os milhares de milhões de dólares norte-americanos permitiram treinar e armar os guerrilheiros islâmicos – incluindo com mísseis Stinger (que se tornariam um flagelo para a força aérea soviética), decisivos para o desfecho do conflito –, mas Washington ignorava, na altura, que a vitória talibã no Afeganistão iria galvanizar os radicais e lançar as bases para o que seriam os futuros ataques terroristas no Ocidente, como o 11 de setembro de 2001.

A história legitima a pergunta: a extrema-direita que, hoje, combate na guerra da Ucrânia – de ambos os lados –, representa os mesmos riscos para o futuro das democracias ocidentais?

Quando tudo isto terminar, as autoridades têm obrigatoriamente de estar mais atentas às atividades destas pessoas e destes grupos.

Jorge Bacelar Gouveia

Contactado pela VISÃO, Jorge Bacelar Gouveia, presidente Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT), admite “alguma preocupação” com estas movimentações, e alerta para “a circulação de armas”, quando o conflito terminar. “As armas, para mais de guerra, não podem voltar para os Países de origem destes combatentes e circular livremente”, sublinha.

O presidente do OSCOT refere que, para já, “nada impede que estas pessoas possam sair dos Países e seguir para a Ucrânia”, mas avisa que “as consequências podem, de facto, ser perigosas”. “No futuro, quando tudo isto terminar, as autoridades, incluindo as portuguesas, têm obrigatoriamente de estar mais atentas às atividades destas pessoas e destes grupos”, conclui.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

4 pensamentos sobre “Como a extrema-direita está a aproveitar o conflito na Ucrânia para receber treino militar e criar uma rampa de lançamento para um movimento transnacional

  1. O mundo vai ficar mais perigoso ,mas a UE,parece alimentar o “folclore” ,,as os Povos Europeus (a Russia)tb é Europeia ,e os seus POVOS,não são párias ,como as “cornetas” comunicacionais fazem acreditar em couro alimentando ódios em vez de caminhos para a Paz…..

  2. Na Ucrânia não está a acontecer um “conflito” mas sim uma “Invasão”, e se essa invasão alimenta os grupos de extrema direita (e eu acredito que sim, infelizmente), agradeçam ao senhor Putin pois foi ele que desencadeou a “invasão” (parece que esta palavra queima na boca de alguns…).
    Objetivamente é ele o causador desse fenómeno. Não será assim?

  3. Comecemos pela declaração de não alinhamento: Sou pela paz e contra qualquer guerra imperialista como é o caso da invasão em curso. Eu sei que para os agentes do Ministério da Verdade, isto não é suficiente, eu sei que para todos vocês é imprescindivel denunciar os hereges citando-os pelos nomes, eu sei que por isso me vão, apesar de não o ser, acusar de putinista. É o preço a pagar por não engulir a propaganda do ministério da verdade. Quanto ao escrito do “jornalista” realço os factos comprovadamente assumidos sem recurso a pressões ou tortura: o nazi foi autorizado por uma juiza para ir combater ao lado de nazis e o nazi, autorizado pela juiza, arrebanhou dinheiro e mais sete nazis para irem todos combater na Ucrânia. Realço ainda a nebulosa especulação que o “jornalista” incluiu no escrito, recorrendo a um alegado “especialista” e sem conseguir citar um nome ou uma organização nazi discordante do futuro mercenário. Fico com a dúvida: o “jornalista” sofreu alguma pressão (laboral, pecuniária, moral) para incluir a especulação no escrito ou fê-lo por pura desonestidade intelectual? E note-se que nem tenho nada contra mandar os oito nazis para a ucrânia combater tanques e aviões com misseis stinger e javelins. Muito pelo contrário, desejo-lhes uma longa estadia nesses confins da união europeia. Uma estadia suficientemente longa para que os insectos lhes limpem os ossos e as húmidades lhos decomponham, muito longe por isso de lhes desejar um fim de vida nos fornos ond3 os defuntos correlegionários reduziram a cinzas para cima de 6 000 000 de corpos.

  4. Em torno da Ucrânia estará em renovação a cruzada levada a cabo pelo Steve Bannon que entretanto foi preso a bordo do iate de um milionário, nos EUA. O Bannon andou pela Europa a procurar unir os fascistas. Esses nazistóides portugueses são uns inflamados idiotas sem que deixem de ser perigosos; têm assassínios no cadastro

Leave a Reply to José Pereira Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.