Marques Mendes e outros bruxos, quiromantes e lançadores de búzios da política

(Carlos Esperança, 01/11/2021)

Ontem foi um fartar vilanagem contra o PCP e o BE pela primeira leva de comentadores que surgiram nas TVs a explicar o que todos vimos, com reincidência no dia de hoje.

Para atacar António Costa esteve Ana Gomes, referida como sendo da área do Governo, ao serviço dos neoliberais do PS, enquanto resguardam Francisco Assis, Sérgio Sousa Pinto, Henrique Neto e outros ressabiados do PS. Os trânsfugas e adversários internos aguardam o momento de glória para se vingarem e serem vistos e ouvidos em casa.

Os panegiristas do PR justificaram a imprudência, ao ter anunciado as eleições antes do chumbo do OE-22, ninguém acreditava e o PR não tinha outra alternativa, o que é falso. Aproveitaram para dizer que Marcelo, embora tivesse obrigação de dizer a Rui Rio que recebia Rangel, recebe quem quiser, a ética tem dias, Marcelo não tem de esconder as preferências nem os protegidos. Já lhe basta Nuno Melo valer tão poucos votos.

António Barreto não faltará a zurzir tudo o que estiver à esquerda da ala neoliberal do PSD e não deixará de fazer campanha a favor de Rangel, o líder dos eurodeputados com piores resultados de sempre, PSD – 6, PS-9, BE-2, PCP-2, PAN-1 e CDS-1, Nuno Melo, agora a lutar pela vaga improvável em Lisboa no partido em comissão liquidatária.

Apesar de os vários partidos defenderem a necessidade urgente das eleições, 9 ou 16 de janeiro, com a esmagadora maioria a apontar o dia 16, os comentadores afetos a Belém e a Paulo Rangel já fazem campanha pelo dia 30 de janeiro ou mesmo fevereiro. O PR dará explicações para tudo e, se não convencerem, Marcelo tem outras.

Os próximos dias são para preparar o país para a possibilidade de derrotar as esquerdas e, durante a campanha, unir toda a direita para que possa ter mais votos do que o PS. A chantagem já começou com um apelo à obrigação de o PS apoiar a direita, para evitar o partido fascista, como se a direita o dispensasse, depois do precedente nos Açores.

Ninguém duvide da violência mediática contra a esquerda em geral e António Costa, em particular. Não será mais urbana do que há seis anos, quando Cavaco ululava anátemas, devorando sais de fruto a debelar a azia do Governo apoiado por toda a esquerda, que o velho salazarista fora constrangido a empossar.

Já então, Marques Mendes e os habituais comentadores intrigavam, em sintonia com os jornais, enquanto as redes sociais faziam eco dos despautérios da direita mais jurássica e Cavaco e Passos Coelho apregoavam o apocalipse que lesaria Portugal se, casualmente, tal dupla merecesse crédito para lá de Vilar Formoso.

Enquanto se repete que o PR falará ao País na quinta-feira, como se não fosse habitual, várias vezes ao dia, todos os dias, e os vassalos promovem Rangel contra Rui Rio, vale a pena revisitar as capas dos jornais de há seis anos, já que as profecias do bruxo e dos avençados habituais se perderam no tempo e ruído da intoxicação da opinião pública.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

2 pensamentos sobre “Marques Mendes e outros bruxos, quiromantes e lançadores de búzios da política

Leave a Reply to Paulo Guerra Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.