Um debate inventado para o “abominável Galamba”

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 18/10/2018)

daniel2

Os políticos não são especialistas. Não o devem ser. Os especialistas têm o saber técnico, aos políticos são exigidas outras qualidades: imaginação, capacidade de negociar e de mobilizar vontades, conhecimento do aparelho de Estado, capacidade de lidar com a incerteza e com as forças que se movem na sociedade. Tudo coisas que a esmagadora maioria dos técnicos não conseguiria fazer. Os cemitérios políticos estão pejados de extraordinários académicos. E não faltaram pessoas com pouco ou nada a ver com as áreas a marcar pontos nas suas pastas: António Costa foi um excelente ministro da Justiça (e ser jurista não faz dele um especialista), Paulo Macedo foi elogiado como ministro da Saúde e o fundador do SNS foi um advogado.

Para onde devem ser escolhidos especialistas é para lugares técnicos. O facto de ministros e secretários de Estado se rodearem de boys partidários em vez de serem assessorados por especialistas é que deve merecer crítica. E ainda mais quando enchem o Estado, em lugares que são de confiança política mas não correspondem a cargos políticos, pessoas que não são da área. Ou, caso mais ainda grave, quando escolhem para entidades reguladoras deputados. A regulação, sendo uma função política do Estado, depende de conhecimento técnico. Mas a competência técnica de ministros e secretários de Estado é a política. E devem rodear-se de técnicos para tomar boas decisões políticas. Sempre assim foi e qualquer debate que desqualifique um governante apenas por não ter currículo técnico na área é tonto e ignorante em relação à longa história de excelentes ministros que o foram apenas por serem excelentes políticos.

Não me recordo de alguém alguma vez se ter perguntado quais eram as qualificações de Assunção Cristas para a Agricultura ou de Aguiar Branco para a Defesa. O problema é mesmo o “abominável Galamba”, como lhe chamou Pulido Valente, cujo estilo a direita detesta. São livres de ter as suas embirrações. Mas não me parece que elas mereçam ser tema de debate nacional.

Mesmo assim, instalou-se um estranho debate: a competência de João Galamba para ser secretário de Estado da Energia. Estranho porque inédito. Não me recordo de alguém alguma vez se ter perguntado quais eram as qualificações de Adolfo Mesquita Nunes para a pasta do Turismo, de Luís Campos Ferreira ou de Francisco Almeida Leite para a Cooperação, de Berta Cabral para a Defesa, de João Almeida para a Administração Interna, de Pedro Lomba para o Desenvolvimento Local.

E se subirmos a ministros, de Assunção Cristas para a Agricultura e de Aguiar Branco para a Defesa. E fiquei-me apenas pelo Governo anterior. Encheria parágrafos e parágrafos com nomes de políticos nomeados para pastas nas quais não tinham experiência técnica ou política. Pessoas cuja nomeação não provocou este debate. Nem neste nem em todos os Governos anteriores.

Perante a escolha de João Galamba para a Secretaria de Estado da Energia, David Justino exclamou, no seu Facebook, que “anda tudo doido”. Com maiúsculas. Devo recordar que David Justino foi ministro de um Governo que teve Celeste Cardona como ministra da Justiça (depois foi para a CGD), Isaltino Morais como ministro das Obras Públicas, Paulo Portas como ministro da Defesa e Teresa Caeiro como secretária de Estado da Segurança Social e, no Governo seguinte, das Artes e Espetáculos.

A razão para esta polémica é óbvia e nada tem a ver com a adequação de João Galamba ao cargo. Tem a ver com o facto de João Galamba ser um deputado que, pelo seu estilo, irrita a direita. Tanto que levou o Vasco Pulido Valente a lançar uma fatwa contra ele, chamando-lhe de “abominável Galamba”.

Não é a competência de Galamba para o cargo que os preocupa, pois nunca ouvimos de Rui Rio críticas a Passos por todas estas escolhas que referi. E em alguns dos casos seriam críticas injustas. O problema é mesmo Galamba. São obviamente livres de ter as suas embirrações. Mas não me parece que elas mereçam ser tema de debate nacional.

Anúncios

10 pensamentos sobre “Um debate inventado para o “abominável Galamba”

  1. E eis que, de repente, os técnicos não são supostos ser capazes de pensamento político, e os «politicos» se arvoram em casta social a quem os técnicos são supostos prestar assessoria. Li algures que 80% (oitenta por cento) dos membros do comité central do partido comunista chinês são cientistas, no sentido restrito desta palavra. Mas posso estar enganado e serem só 50%… Em todo o caso conseguiram – os chineses, governados por cientistas – fazer o que fizeram em 30 anos. Devo concluir dizendo que até tenho simpatia pessoal pelo jovem João Galamba.

    Gostar

  2. Este senhor saltitão partidário e comentador diário da opinião escrita e falada do país escreve no “Expresso Diário”, reproduzido acima, onde é “pensionista” do Ti’ Balsemão, em defesa do amigo Galamba recém-nomeado Secretário de Estado que Vasco Pulido Valente, a certa altura, lançara “uma fatwa” contra o amigo chamando-lhe de “abominável Galamba”.
    Pois este mesmo inqualificável opinador tudólogo no mesmo “Expresso Diário” do dia 11 passado-recente teve a ideia pulha, como se fora um bandalho, de informar os portugueses que:
    “Bastaria acontecerem duas coisas (em Portugal) para tudo descambar: o início de uma nova crise económica, com origem na Europa, e José Sócrates ser absolvido por falta de provas ou a acusação estar mal preparada” para imediatamente estarem reunidas as condições para a existência de um Jair Bolsonaro em Portugal.
    E segundo a mui douta e expedita opinião do coiso o André Ventura estaria bem posicionado para ser o Bolsonaro português pois até tinha a “vantagem de ter sido caucionado por um primeiro-ministro e um dos principais partidos portugueses”.
    O que este subversivo originalíssimo “juiz” Oliveira faz é mil vezes pior do que tem feito o insuportável juiz de jure Alexandre, saloio de Mação. Este rebusca em todos os recantos e esconderijos da imaginação e escrevinha toneladas de papel para inventar ou descobrir “ligações” e “insinuações” que simulem e substituam, junto do pagode, a total falta de provas necessárias para condenar num julgamento justo.
    Implacável, o ‘espontâneo’ juiz Oliveira vem advertir o juiz real do processo e informar os portugueses que Sócrates, com provas ou sem provas, tem de ser condenado caso contrário temos a “tempestade perfeita” que nos trará de volta a cavalgadura ditaturial montada por um qualquer André Bolsonaro.
    Ao imitar o Vasco P. Valente lançando a sua própria fatwa sobre Sócrates a ideia que Oliveira tem da Democracia é, certamente, que o Estado de Direito é uma bandalheira.

    Gostar

  3. Perguntas simples
    19 OUTUBRO 2018 ÀS 14:24 POR VALUPI

    A Justiça à moda de Mação, onde os juízes passam a trabalhar para o Ministério Público e se permitem condenar arguidos ainda sem acusação formada, e onde esses mesmos juízes vão para a TV sugerir que estão cercados por criminosos na própria Justiça e no sistema político, porra!

    Manuel G., por falar em perfomances televisivas, lembras-te se postaste esta n’A Estátua de Sal?

    SIC Notícias | Carlos Alexandre: O Confronto
    https://sicnoticias.sapo.pt/especiais/jose-socrates-o-confronto

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.