Cavaco Silva e a PGR cessante

(Carlos Esperança, 28/09/2018)

cavaco_papa

 

Não sei se o antigo PR tinha dívidas a pagar ou alguma vingança a exercer, mas as suas declarações, com a sensibilidade e argúcia das cagarras das Ilhas Selvagens, são a prova reiterada da falta de sentido de Estado que revelou em Belém, onde foi forjada a cabala contra um PM e cujo inquérito às despesas, ordenado pelo sucessor, nunca foi revelado.

Cavaco é a maior referência ética do condomínio fechado da Praia da Coelha e é preciso nascer duas vezes para alguém ser mais honesto do que ele, mas ver “com estranheza”, achar “estranhíssimo”, aquilo a que chamou “afastamento” da PGR cessante, é esquecer o direito do Governo, a propor, e do PR, a nomear, o/a titular da PGR. A ofensa gratuita ao PR que lhe sucedeu é maior do que o rancor ao PM que empossou.

Confundir ‘afastamento’ com ‘renomeação’ é o velho problema de quem nunca leu “Os Lusíadas” e tem recorrente conflitualidade com a língua portuguesa, quer na ortografia do verbo ‘haver’, no preenchimento da ficha da Pide, ou na conjugação oral do futuro do verbo ‘fazer’. Trata o idioma com a delicadeza com que mastiga bolo-rei.

Para que não o julgassem em defunção ou a gozar as delícias da vivenda Gaivota Azul, apareceu na comunicação social a dizer: “Sou levado a pensar que esta decisão política de não recondução de Joana Marques Vidal é a mais estranha tomada pelo Governo, que geralmente é conhecido como ‘gerigonça’”. Com a argúcia conhecida, afirmou que “foi uma decisão política”, como se alguma vez o não fosse uma nomeação governamental. Passos Coelho não conseguiu dizer melhor e Cavaco limitou-se a secundá-lo.

Há em Cavaco, o finório que ganhou uns cobres na compra e venda das ações da SLN, não cotadas na Bolsa, ele e a filha, e fez o excelente negócio com a permuta da Vivenda Mariani (Maria e Aníbal) pela Gaivota Azul, aquele sentido de oportunidade que o levou a jantar com Ricardo Salgado para preparar a primeira candidatura vitoriosa a PR.

Portugal deve-lhe a posse que conferiu ao atual Governo, depois de pérfidas tentativas para assustar os portugueses e os mercados internacionais, mas não é esse ato meritório que o iliba da amargura permanente que consome o ressentido salazarista.

O homem que ‘punha as mãos no fogo’ por Dias Loureiro, o modelo de empresário para o experiente gestor da Tecnoforma, Passos Coelho, podia optar pelo silêncio, mas não lho permitiu o ressentimento e a inveja da popularidade do seu sucessor. Este homem acaba com uma úlcera gástrica se não fizer a neutralização da bílis que segrega.

O avatar de Salazar deve à democracia os lugares de PM e de PR, a que o voto popular o conduziu.

É um ingrato.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Cavaco Silva e a PGR cessante

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.