O fim de um mundo

(António Guerreiro, in Público, 02/03/2018)

Guerreiro

António Guerreiro

Há pouco mais de um ano, Emily Bell, directora do Tow Center for Digital Journalism, depois de ter chefiado o sector digital do diário britânico The Guardian, publicou um artigo numa revista dos Estados Unidos que teve um grande impacto, onde anunciava um dos muitos “fins” que configuram o nosso tempo. Título do artigo: “O fim do mundo tal como o conhecemos: como o Facebook devorou o jornalismo”.

Não se pode dizer que seja uma daquelas catástrofes espectaculares, de grandiosos efeitos. Nada disso, é uma catástrofe serena cujo alcance e consequências ainda não foram experimentadas até ao fim e estão em grande parte por avaliar. Há quem diga que o pior ainda está para vir. Como os jornais não gostam de se apresentar a nu perante os seus leitores (acreditam que falar dos seus males é potenciá-los), pouca gente percebe o que se passa e os que percebem  acham que apenas há a registar uma morte natural e portanto inelutável.

Na mesma ocasião, Emily Bell lançou este dado impressionante: “Em cinco anos, o ecossistema da informação sofreu uma mudança mais vasta do que a que se deu ao longo dos 500 anos precedentes.” Já este ano, a revista Wired publicou uma longuíssima investigação que tinha como título “Inside the Two Years that Shook Facebook – and the World”. Fazia-se aí o retrato de uma rede social que acabou por dominar o mundo dos media, ainda que não queira ser uma empresa desse ramo. Em 2015 superou o Google enquanto veículo para a circulação de conteúdos jornalísticos na Internet, tornando-se a força dominante na indústria das notícias, tanto as falsas como as verdadeiras.

E isto, como sabemos, teve profundas implicações éticas e políticas. E levou a uma discussão sobre o impacto desta rede social nas democracias. Em Janeiro, Mark Zuckerberg mudou o algoritmo do Facebook e prometeu um maior controle sobre as notícias falsas, depois de se ter tornado muito evidente que a rede era muito vulnerável tanto à mentira como à propaganda e que, sob determinadas condições, se tinha tornado um instrumento com vocação totalitária. A ingerência russa nas eleições americanas contribui para uma nova percepção pública do Facebook, uma imagem que Zuckerberg quis corrigir.

Antes da mudança do algoritmo, já ele tinha decidido realizar uma experiência em seis países (Sri Lanka, Guatemala, Bolívia, Cambodja, Sérvia e Eslováquia) que consistiu em eliminar os media profissionais, de modo a privilegiar os conteúdos privados. Foi uma decisão muito contestada, considerada “de cariz orwelliano”.

O que se passa é que os jornais se tornaram tão vulneráveis às decisões desta rede social que até uma pequena variação do algoritmo pode ditar-lhes a sorte. Conter e filtrar as fake news causa danos a quem produz notícias verdadeiras. O Facebook tornou-se mais poderoso que os media e ganhou o estatuto de plataforma que é também editora, algo que não fazia parte da sua vocação original. Mas não é apenas por se ter tornado o principal veículo das notícias que está a destruir a indústria mediática: é também porque concentra o mercado publicitário, do qual apenas umas migalhas sobram para os jornais.

Poderiam os jornais deixar de servir de alimento a essa rede social tão voraz? Certamente que podiam, mas estão enredados num terrível paradoxo, para o qual não encontram saída: ao mesmo tempo que são devorados pelo Facebook, não conseguem sobreviver sem ele. E, num plano mais vasto, todos nós fomos apanhados nesta estratégia fatal: quer queiramos quer não, tornámo-nos todos produtores de conteúdos para o Facebook e não há maneira de conseguirmos resistir.

Anúncios

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.