Sidónio e batatinha 

(Daniel Oliveira, in Expresso, 13/01/2018)

Daniel

Daniel Oliveira

Tendo Passos Coelho dado ao PSD um cunho ideológico que nunca tivera, seria expectável que o debate da sucessão passasse pelo recentramento da sua identidade. Pelo contrário, a grande discussão entre Rui Rio e Santana Lopes foi saber qual dos dois foi mais fiel às posições do líder cessante. Porque não há identidade alguma para discutir.

Costuma dizer-se que o PSD é o mais português de todos os partidos. De facto, do ponto de vista das grandes famílias políticas europeias, é filho de pai incógnito. Isto resulta do contexto histórico em que se fundou: quando ser de direita era impensável, quis aderir à Internacional Socialista enquanto herdava grande parte da base de apoio do Estado Novo.

Os contactos internacionais de Soares permitiram que fosse o PS a ocupar o espaço que Sá Carneiro desejou e os combates do PREC determinaram que fosse o PS a liderar o combate aos comunistas e à extrema-esquerda. Para o PSD ficou uma função: ser alternativa ao PS. Do ponto de vista prático, é o grande partido da direita portuguesa. Só que o equívoco do seu nome e da sua fundação e a necessidade de falar para uma maioria social de esquerda impedem-no de construir um discurso coerente. As suas lideranças formam-se nesta crise identitária que erradamente se toma por pragmatismo. E nesta disputa isso foi muito evidente, até porque Santana representa a tralha “passista” com a qual teve uma relação distante e Rio não parece querer representar nada.

Não é por serem do mesmo partido que Rio e Santana não conseguiram discutir grandes diferenças políticas. Até dentro dos pequenos partidos elas existem. A ausência de clivagens com substância não resulta da falta de clivagens, resulta da falta de substância. Sobrou o estilo e esse foi miserável. Por isso, nos dois penosos debates televisivos, ficámos a saber, para além de uns vaguíssimos estados de alma sobre economia, com quem Rui Rio foi almoçar e quantas vezes Santana disse que ia sair do PSD.

O problema não é os debates terem sido violentos. Ficaram a léguas do momento em que Seguro acusou Costa de representar os negócios. Mas essa acusação tinha interesse para o conjunto dos eleitores. As conversas entre Rio e Santana ficaram ao nível da concelhia e não deviam ter saído das sedes. A violência supera-se, a mediocridade não.

PSD e PS passam, ciclicamente, por momentos em que nos perguntamos se alguma vez recuperarão. Quando estão na oposição quase todos os candidatos a líder parecem péssimos. Depois, se o poder lhes cai no colo, logo ganham uma certa gravitas. O único a quem isso não aconteceu foi mesmo Santana Lopes. Só que se olha para estes dois e percebe-se que não vai sair daqui o próximo primeiro-ministro. Rui Rio, que cheguei a pensar que seria um autoritário destinado a representar o cansaço com regime, não tem carisma para ser o Sidónio Pais modernizado que desejava. O que diz de extravagante, que costuma vir de candidatos antissistémicos, não o diz por ser um populista, que até mostrou não ser. É só a autoconfiança de um amador a falar. E Santana continua Santana, um bobo cheio de malícia que, não sendo levado a sério, sabe que nem as suas baixezas o prejudicam. É uma anedota demasiadas vezes contada da qual já ninguém se vai rir. O que a campanha revelou dos dois explica porque se discutiu tanto o que cada um fará se perder as eleições. É, se formos realistas, o tema mais relevante para o futuro próximo do PSD.

Anúncios

Um pensamento sobre “Sidónio e batatinha 

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s