As toupeiras também têm coração

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 27/05/2016)

quadros

João Quadros

Um espião português foi detido, em Roma, por suspeita de estar a vender segredos a um funcionário dos serviços de informações da Rússia.

A primeira pergunta que me ocorre é: será que isto conta como exportações? Pode haver aqui um mercado a explorar. A quanto estará o barril do segredo?
Eu sou péssimo a guardar segredos. Nota-se logo que estou a esconder alguma coisa. Mesmo que essa coisa não tenha nada a ver com a pessoa que está à minha frente. Jamais conseguiria guardar o terceiro segredo de Fátima, como fez a irmã Lúcia. Haveria de acabar por contar ao oftalmologista.
Percebo, perfeitamente, que um espião tenha necessidade de desabafar. Mas, segundo percebi, este nosso espião estava a desabafar a troco de 10 mil euros do espião russo, com quem se encontrou em Roma. Espero que os 10 mil euros fossem só o sinal. Parece-me pouco por um segredo da NATO. Espiões que se vendem ao preço de um central da II Liga de futebol portuguesa. Que pena o Jorge Mendes não andar, também, metido nisto.

Diz quem o conhece (ao espião) que Frederico Carvalho Gil era “certinho” até que se divorciou. Licenciado em Filosofia, segundo os antigos colegas (espiões), “chegava a ser gozado pela sua correcção considerada excessiva”, “incapaz sequer de dizer um palavrão”. Resumindo, estavam habituados a vê-lo como intelectual e “certinho” até que o viram “de rabo-de-cavalo e a fazer vida nocturna.” Por acaso, eu associo muito os espiões à vida nocturna. Deve ser por isso que muitos espiões portugueses vêm da maçonaria. As mulheres já estavam habituadas a que eles saíssem à noite sem explicar bem onde iam.

Nos livros e filmes de espiões, alguns baseados na realidade, os espiões trocam de lado numa terrível vingança depois de terem sido traídos ou abandonados à morte numa missão. Os nosso espiões mudam de lado porque estão com uma crise de meia-idade pós-divórcio. O mais provável é o nosso espião ter ido vender um segredo da NATO aos russos para ter dinheiro para ir comprar um Porsche.

Se os amigos e colegas do espião dizem que ele, desde o divórcio, começou a usar rabo-de-cavalo, deixou de usar gravata e passou a ir para a noite, isto tem muito pouco a ver com espionagem. Estamos perante o clássico caso do recém-divorciado que quer convencer a ex-mulher que já é outra pessoa. Usa rabo-de-cavalo, sai à noite e vende segredos aos russos. Como quem diz: “Já não sou o bota de elástico com quem te casaste. Até fiz uma tatuagem a dizer Fuck e, agora, sou o bandido que todas adoram.”

A nossa espionagem é isto, muito pouco John le Carré, bastante Corín Tellado.

Anúncios

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s