Quando a desigualdade mata

(Joseph Stiglitz, in Expresso, 12/12/2015)

Autor

Joseph Stiglitz

Os norte-americanos brancos também estão a morrer mais cedo à medida que os rendimentos decrescem, como revela Angus Deaton, Prémio Nobel da Economia.


NOVA IORQUE — Esta semana, Angus Deaton receberá o Prémio Nobel da Economia “pela sua análise do consumo, pobreza, e desenvolvimento”. Merecidamente. Na verdade, pouco depois de o prémio ter sido anunciado em outubro, Deaton publicou um trabalho impressionante com Ann Case nos Proceedings of the National Academy of Sciences — uma investigação que é, pelo menos, tão digna de nota como a cerimónia do Nobel.

Ao analisarem uma grande quantidade de dados relativos a saúde e mortes entre os americanos, Case e Deaton mostraram que a esperança de vida e a saúde estavam a piorar para os americanos brancos de meia-idade, especialmente para aqueles com instrução secundária ou inferior. Entre as causas estavam o suicídio, as drogas e o alcoolismo.

A América orgulha-se de ser um dos países mais prósperos do mundo, e pode gabar-se de, em todos os anos recentes exceto num (2009), o PIB per capita ter aumentado. E a boa saúde e a longevidade são aparentemente um sinal de prosperidade. Mas, embora os EUA gastem mais dinheiro per capita em cuidados médicos do que quase qualquer outro país (e mais como percentagem do PIB), estão longe de liderar o mundo na esperança de vida. A França, por exemplo, gasta menos de 12% do seu PIB em cuidados médicos, comparando com os 17% dos EUA. Contudo, os americanos têm uma expectativa de vida inferior, em três anos completos, à dos franceses.

Durante anos, muitos americanos tinham uma explicação para esta distância. Os EUA são uma sociedade mais heterogénea, defendiam, e a distância refletia a grande diferença na esperança média de vida entre os afro-americanos e os americanos brancos.

A barreira racial na saúde é, claramente, demasiado real. De acordo com um estudo publicado em 2014, a esperança de vida para os afro-americanos é cerca de quatro anos menor para as mulheres e mais de cinco anos menor para os homens, relativamente aos brancos. Esta disparidade, contudo, é dificilmente apenas um resultado inócuo de uma sociedade mais heterogénea. É um sintoma da desgraça americana: discriminação generalizada contra os afro-americanos, refletida num rendimento familiar mediano que é menos de 60% do das famílias brancas. Os efeitos do rendimento menor são exacerbados pelo facto de os EUA serem o único país avançado que não reconhece o acesso aos cuidados de saúde como um direito básico.

Alguns americanos brancos, no entanto, tentaram desviar a culpa de morrer mais novo para os próprios afro-americanos, citando os seus “hábitos de vida” [NdT: lifestyles]. É talvez verdade que os hábitos pouco saudáveis estejam mais concentrados entre americanos pobres, e que muitos destes sejam negros. Mas estes hábitos em si são uma consequência das condições económicas, para não falar das pressões do racismo.

O PIB não é normalmente uma boa medida do bem-estar de uma sociedade

Os resultados Case-Deaton mostram que essas teorias já não servem. A América está a tornar-se uma sociedade mais dividida — dividida não apenas entre brancos e afro-americanos, mas também entre os 1% e o resto, e entre os que têm um nível de educação superior e os que não o têm, independentemente da raça. E a divisão pode ser medida não apenas em salários, mas também em mortes precoces. Os americanos brancos, também, estão a morrer mais cedo à medida que os seus rendimentos decrescem.

Esta evidência dificilmente choca aqueles que estudam a desigualdade na América. O rendimento mediano de um trabalhador masculino a tempo inteiro é inferior ao que era há 40 anos. Os salários dos trabalhadores masculinos com educação secundária caíram perto de 19% no período estudado por Case e Deaton.

Para não se afundarem, muitos americanos contraíram dívidas junto de bancos a taxas de juro usurárias. Em 2005, o Governo do Presidente George W. Bush fez com que fosse muito mais difícil para as famílias declararem falência e solicitarem perdão de dívidas. Depois veio a crise financeira, que custou os empregos e lares a milhões de americanos. Quando o seguro de desemprego, desenhado para pequenos períodos de falta de trabalho num mundo em pleno emprego, se esgotou, foram abandonados à sua sorte, sem rede de segurança (além dos vales-alimentação), enquanto o Governo resgatava os bancos que tinham causado a crise.

Os privilégios básicos de uma vida de classe média estavam cada vez mais longe do alcance de um conjunto cada vez maior de americanos. A Grande Recessão mostrara a sua vulnerabilidade. Aqueles que investiram no mercado bolsista viram desaparecer muita da sua riqueza; aqueles que aplicaram o seu dinheiro em títulos de dívida pública viram os rendimentos da sua reforma a diminuir quase até zero, à medida que a Fed baixava incessantemente as taxas de juro tanto no curto como no longo prazo. Com o aumento das propinas da faculdade, a única maneira para os seus filhos terem a educação que lhes permitisse uma réstia de esperança seria pedir emprestado; mas, com empréstimos a estudantes praticamente nunca reembolsáveis, a dívida para estudar parecia ainda pior do que outras formas de dívida.

Não havia maneira para que esta crescente pressão financeira não colocasse os americanos de classe média e as suas famílias sob uma maior tensão. E não surpreende que isto se tenha refletido em maiores taxas de abuso de drogas, de alcoolismo e de suicídio.

Fui economista-chefe do Banco Mundial no fim da década de 90, quando começámos a receber notícias igualmente deprimentes provenientes da Rússia. Os nossos dados mostravam que o PIB tinha caído perto de 30% desde o colapso da União Soviética. Mas não confiávamos nas nossas medições. Os dados que mostravam a diminuição da esperança de vida masculina, mesmo quando esta aumentava no resto do mundo, confirmavam que as coisas não iam muito bem na Rússia, especialmente fora das grandes cidades.

A comissão internacional para a medição do desempenho económico e do progresso social, a que copresidi e onde Deaton participou, já tinha salientado que o PIB não é normalmente uma boa medida do bem-estar de uma sociedade. Estes novos dados sobre a degradação do estado de saúde dos americanos brancos confirma esta conclusão. A sociedade que representa a quintessência da classe média no mundo está em vias de tornar-se a primeira sociedade pós-classe média no mundo.


(Prémio Nobel da Economia, professor universitário na Universidade de Columbia © Project Syndicate 1995–2014)

Advertisements

5 pensamentos sobre “Quando a desigualdade mata

  1. O exemplo russo mostra que uma Democracia recente e frágil pode cair rapidamente vítima do despotismo se uma rede social de proteção mínima não estiver assegurada. Numa sociedade democrática madura como os EUA as coisas são algo diferentes. Mas a popularidade do Fascismo alardeado por Trump não é um sinal de que existe uma fação da sociedade, provavelmente constituída sobretudo por brancos pobres, que manifesta a sua raiva perante o atual estado de coisas?

    Gostar

    • Uma sociedade democrática “madura”? Que palavra! Madura de pronta para mastigar? Madura, porque velha,enrugada? Madura, a cair de pôdre? Madura, porque sábia,oh,oh,oh,? Madura, porque acabou a evolução? O lapsus calami tem rigorosas explicações psicológicas!

      Gostar

      • O capitalismo tem destas coisas: capacidade para produzir coisas destas — gente que insiste em tentar (abusivamente) “baralhar, para dar de novo”, recorrendo à virtualidade lexical, tentando, deste modo, tapar o sol com a peneira.
        Não foi por acaso que o consulado de passos & portas & gaspar & relvas & macedo & cavaco & cia conseguiu sobreviver até mais do que os 4 anos de uma legislatura [que só não renovada graças à lucidez de um velho operário fabril que, na prática (e pela prática) da sua vida real e concreta, conhece, na pele, os efeitos das desigualdades que o sistema, para sobreviver e se reproduzir, impõe aos mais frágeis] vendendo “gato por lebre” para alimentar esse hediondo sistema que, desde há séculos, vem semeando repressão, tortura, criação e divisão artificial de países, imposição de ditaduras, destruição dos modos de vida das culturas tradicionais, desastres ecológicos, fome e miséria!!!!..
        Ou não será já tempo de ver a verdade, a dura realidade, em que Portugal se encontra depois dos 4,5 anos de troika, que nos impos um programa que, se bem me lembro ter escutado bastas vezes, até era exatamente o programa do PPD/PSD (mas porque esta agremiação sozinha não bastava foi necessário ir para além da troika mesmo sacrificando o famigerado “partido dos contribuintes”), sendo que o dito cujo, apoiado por uma tresloucada maioria composta gente sem escrúpulos e liderada por jovens maçónicos, que se autoproclamam de liberais, neoliberais, sociais-democratas, democratas cristãos e que, nesta sua fase terminal, se travestiram todos (e todas) de PàF tentando ludibriar o Zé-povinho para continuarem as políticas: do “acima das nossas possibilidades”; da quase “bancarrota”; da necessidade “de empobrecermos” para sairmos da crise; que colocaram “novos contra velhos”; humilharam todas as classes sociais que vivem do seu trabalho, designadamente o funcionalismo público, os reformados e pensionistas (quem se esquece dos lamentos do “sr. Silva”, um mísero professor, a quem 10.000 mensais não chegavam para fazer face à vida?!?!?!…); do desemprego e da emigração a dispararem para níveis de há dezenas de anos atrás; das insolvências de milhares de famílias; das insolvências e das falências de milhares e milhares de empresas; da venda a estrangeiros e ao desbarato das “gorduras do Estado”, consubstanciada na alienação de empresas públicas e estratégicas como a REN, a ANA, etc., etc., e, mais recentemente, as tão vergonhosas quanto escandalosas negociatas com a TAP e os transportes urbanos?!?!?!!?

        Gostar

  2. Resultados surpreendentes, ou talvez não, teve um estudo recente sobre a esperança de vida da população residente na area de cada estação de Metro de Londres.(http://life.mappinglondon.co.uk/).
    Causou particular celeuma o caso da Jubilee Line, a que começa a Norte em Stanmore, zona portanto com altos rendimentos, e termina a Leste em Stratford, uma das areas da capital habitada pelos que sofrem as maiores carencias económicas. Entre a estação de Westminster, onde a linha inflecte para Leste, e a de Canning Town, a esperança de vida diminui um ano por cada paragem.(http://www.bbc.co.uk/news/uk-england-london-18917932).
    Os dados são indesmentiveis,(http://spatial.ly/2012/07/lives-on-the-line/.), apesar da surpresa do método.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s