“O que está a acontecer no mundo não é só profundamente imoral, mas também suicida”

(Entrevista a Noam Chomsky, in Diário de Notícias, 09/10/2021 )

Teórico da linguagem, pensador polémico, Noam Chomsky acaba de publicar Um guia essencial sobre capitalismo, política e o funcionamento do mundo. Na entrevista à TSF e DN fala de vacinação, clivagens políticas, Afeganistão e alterações climáticas.


Acredita que os países ricos estão dispostos a assumir as suas responsabilidades e ajudar a fornecer o que o mundo em desenvolvimento ainda precisa em termos de vacinação?
É um escândalo e também é suicida. Os países ricos praticamente monopolizaram a vacina. Tem havido alguns esforços para distribuí-la aos países que precisam dela desesperadamente. Na África, Ásia, América Latina. Não só monopolizaram as vacinas, mas insistem em que as taxas de lucro exorbitantes das empresas farmacêuticas sejam protegidas pelos chamados acordos de livre comércio altamente protecionistas. O que está a acontecer não é apenas profundamente imoral, mas também suicida. Todos entendem que quanto mais tempo levar para o resto do mundo ser vacinado, mais tempo há para o vírus se transformar em variantes que serão incontroláveis, que irão, claro, voltar aos próprios países ricos, como foi com a variante Delta. É um exemplo de como a ganância e a estupidez superam não apenas os valores morais elementares, mas mesmo um sentido de auto-preservação. Agora, há um forte movimento anti-vacinação que, nos EUA, é localizado. De forma esmagadora, nos estados republicanos, praticamente na velha confederação e em alguns estados do noroeste, há uma oposição muito forte à vacinação. E os hospitais estão lotados com quase 100% de pacientes não vacinados. Estão a morrer e dizem “não quero uma vacina, não vou deixar o governo fazer isso comigo”. Sabe, é maníaco, doentio, até alguns segmentos da esquerda são apanhados nisso. Mas a maioria dos republicanos dizem que, simplesmente, não serão vacinados.

Isso relaciona-se com as clivagens e a polarização na política americana atual. Vê-as como uma ameaça importante para a democracia dos EUA?
Bem, a democracia dos EUA está moribunda, está de partida. Podemos ver isso no Congresso agora que está a debater a legislação que levaria os Estados Unidos, em alguma medida, na direção de social-democracia que é normal na Europa. Cuidados de saúde universais dificilmente radicais, ensino superior gratuito, creches, isto é, as coisas normais na maior parte do mundo mas que nos Estados Unidos são consideradas radicais. Os republicanos são totalmente contra.

“A democracia dos EUA está moribunda, está de partida. Podemos ver isso no Congresso agora que está a debater a legislação que levaria os Estados Unidos, em alguma medida, na direção de social-democracia que é normal na Europa.”

Pensa que um Partido Republicano orientado e controlado pelo ex-presidente Trump pode ganhar as eleições intercalares do próximo ano e voltar ao poder na Casa Branca em 2024?
É muito provável. E se o fizerem, o mundo estará em grande perigo. Eles sabem que são um partido minoritário e que não podem ganhar eleições livres. Portanto, têm uma estratégia que passa por reduzir os direitos de voto. Em praticamente todos os estados republicanos estão a impor novas leis que tornam mais difícil o voto de eleitores que tendem a ser democratas, tornam mais difícil para que votem as minorias, os pobres, os trabalhadores, as populações urbanas e assim por diante. Dessa forma, aumentam o poder da base republicana, da direita, da supremacia branca, do nacionalista cristão, do tradicional. A outra tática é desviar a atenção das questões económicas e de classe, onde os republicanos estão muito à direita e a esfaquear os seus próprios eleitores pelas costas, desviando a atenção para as chamadas questões culturais. Concentram-se nisso, ou no aborto, ou em garantir que todos tenham um arsenal de fuzis na garagem, qualquer coisa menos a classe e as questões económicas. Isso faz sentido para um partido totalmente leal aos super-ricos e ao setor corporativo. Pode ver isso dramaticamente com Trump, um homem com uma autoconfiança brilhante, ele poderia levantar-se, com uma mão dizer, “eu amo-te e trabalho para ti”; e, com a outra mão, apunhalar-te pelas costas. Uma terceira parte da estratégia, que é muito aberta e explícita, é fazer com que o país sofra o máximo possível. Se ler os projetos agora no Congresso: seguro-desemprego, creche, uma ajudinha de saúde para o escandaloso sistema de saúde dos Estados Unidos, tudo isso seria muito benéfico para a população. São medidas muito populares, mesmo entre os eleitores republicanos. Mas Trump precisa ter a certeza de que não serão aprovadas. Porque se o país sofrer o suficiente e for ingovernável, eles podem culpar os democratas e voltar ao poder. Algumas das coisas com as quais os republicanos se safam são quase cómicas, como a retirada do Afeganistão, planeada por Trump. Fez um acordo com os talibãs, sem sequer notificar o governo afegão, que era “vocês podem fazer o que quiserem, assumir aquilo. Sem condições. Nós retiramos as tropas. A única condição é não dispararem contra as tropas americanas que vão embora. Fora isso, façam o que quiserem”. Foi uma traição total.

Na Economist, há algumas semanas , o senhor escreveu que os EUA permanecem sem rival em força militar e económica, mas com terríveis consequências para o mundo. Porquê?
Há uma luta em curso, que é muito mal compreendida pela imprensa. É, sobretudo, uma questão de liberdade de navegação. São questões relacionadas com o direito do mar. Há uma disposição que estipula que os países têm uma zona económica exclusiva de 200 milhas, a partir da costa. Agora, a questão da liberdade de navegação com a China está nesse ponto. Os EUA não assinaram a Lei do Mar, nem a ratificaram, mas insistem que a liberdade do direito do mar permite ações militares e de inteligência dentro da zona económica exclusiva. A China aceita a liberdade de navegação, mas sem nenhuma ação militar e de inteligência. É aí que está o conflito que, certamente, pode ser resolvido por diplomacia e negociações, mas os EUA querem resolvê-lo enviando uma armada de navios de guerra para as zonas contestadas da China. Ao mesmo tempo, enviam uma frota de submarinos nucleares avançados para a Austrália, que a Austrália vai pagar, mas que estarão sob o comando americano. Ao fazer isso, deram um pontapé na cara à França. E a Austrália é que teve que lidar com a França, que ficou certamente muito chateada e chamou os seus embaixadores na Austrália e nos EUA. Não se preocuparam com a Inglaterra, porque reconhecem que a Inglaterra é apenas um estado vassalo dos EUA, não um país independente. O principal correspondente militar australiano fez uma análise detalhada do caráter grotesco do negócio e como põe a Austrália em perigo. Mas isso não chega à imprensa ocidental, aqui é um acordo maravilhoso.

“Pode ver isso dramaticamente com Trump, um homem com uma autoconfiança brilhante, ele poderia levantar-se, com uma mão dizer, “eu amo-te e trabalho para ti”; e, com a outra mão, apunhalar-te pelas costas.”

No caso do Afeganistão, o senhor é dos que pensa que invadir foi uma opção má, e que a retirada foi provavelmente ainda pior. E agora? Acha que este novo governo talibã, pode ser melhor para o povo afegão do que o que houve entre 1996 e 2001?
Bem, a traição de Trump ao povo afegão e ao governo afegão foi severa. O acordo que ele fez com os talibãs, de lhes entregar o país, foi uma decisão para maio de 2021, o início da temporada de combates. Foi o pior momento possível, não havia oportunidade para acomodações ou qualquer outro arranjo. Bem, Biden tentou torná-lo um pouco melhor, acrescentou algumas condições que Trump não havia adicionado. Era óbvio que o governo afegão estava afundando, não era apenas um atoleiro de corrupção, mas sim um colapso completo. Era bastante óbvio que o exército afegão entraria em colapso. Eles não têm nada para lutar, os soldados estão lá, mas não são pagos. Por que deveriam lutar pelo poder estrangeiro? O colapso era óbvio. As únicas pessoas que não entenderam isso foram as agências de serviços secretos. Eles sabem exatamente o que está a acontecer e fornecem relatórios precisos. Mas, à medida que esses filtros sobem na cadeia de comando, são modificados de acordo com o que as pessoas no topo desejam ouvir. Quando chega ao poder executivo, eles não têm nenhuma relação com o que está a acontecer. Há um longo historial disso. Os serviços secretos no terreno são muito eficientes. Mas o sistema leva a uma grande confusão no topo. Era bastante óbvio que o exército afegão não resistiria; que o chamado governo afegão, com uma corrupção massiva no seu interior, entraria em colapso imediatamente. E foi o que aconteceu.

“China, Rússia, os estados da Ásia Central querem tentar trabalhar com os talibãs para tentar melhorar a situação e ver se os podem mover numa direção mais moderada. Isso teve a oposição de dois países, os EUA e a Índia.”

O que podemos esperar destes talibãs 2.0?
Bem, há uma divisão entre os poderes que podem lidar com isso. China, Rússia, os Estados da Ásia Central querem tentar trabalhar com os talibãs para tentar melhorar a situação e ver se os podem mover numa direção mais moderada. Isso teve a oposição de dois países, os EUA e a Índia. Nas reuniões da Organização do Conselho de Cooperação de Xangai, a Índia esteve sozinha e opôs-se aos esforços dos demais países para caminhar nessa direção. O Tesouro dos EUA detém os recursos financeiros do governo afegão. Os EUA congelam esses recursos e pressionam o FMI e o Banco Mundial para reter os financiamentos. O povo afegão está a sofrer muito: enfrentam fome massiva e destruição do país. E é aí que estamos. A China liderou os esforços das potências regionais, são os que estão a seguir a política certa. Os talibãs estão no comando, é um facto, são o governo em funções. Há muitas coisas que são muito más neles mas também há coisas muito más vindas de outros governos. O povo afegão deve ser a nossa preocupação. E a forma de ajudar é exatamente trabalhar com os talibãs, tentar induzi-los a tornarem-se mais inclusivos, menos repressivos, fazer com que mudem a economia baseada na produção de ópio, para o desenvolvimento dos seus próprios ricos recursos minerais, tentar estabelecer projetos de desenvolvimento, para ver se gradualmente podem ser incorporados no sistema regional, o que provavelmente significará incorporarem-se na Organização de Cooperação de Xangai. Bem, os EUA estão ocupados a tentar intimidar todos e a mostrar a sua força. A China está a mover-se discretamente para integrar a Ásia Central, partes da África, até mesmo a orientar-se para a América Latina e integrá-los numa espécie de sistema económico com base na China. Não são pessoas simpáticas que o estejam a fazer por motivos de caridade. Estão a fazer isso por razões de poder.

Estamos a menos de um mês da Conferência do Clima COP 26 em Glasgow, e o secretário-geral da ONU disse recentemente que o mundo deve acordar, estamos à beira do abismo e a mover-nos na direção errada. O senhor escreveu um livro com Robert Poland, em que afirma que devemos ter um Novo Acordo Verde Global, Global Green New Deal. Como é que deve ser esse acordo?
Temos ideias detalhadas explícitas nesse livro. São propostas viáveis para reduzir o uso de combustíveis fósseis de petróleo todos os anos, até atingirmos as emissões zero por volta de meados do século, empregando meios para produzir energia melhor, sustentável e mais barata e uma economia melhor; no fundo, uma vida e economia muito melhores para as pessoas. Agora, voltemos ao mundo real. Os líderes do mundo querem levar-nos ao limite o mais rápido possível, para conseguirem os seus objetivos. Se ler os jornais do setor do petróleo, andam eufóricos a discutir todas as novas perspetivas para novos campos de petróleo enquanto descobrem como podem aumentar a produção de combustíveis fósseis, um futuro maravilhoso pela frente. Se houvesse um observador do espaço sideral a observar-nos, pensaria que somos clinicamente insanos. As grandes empresas de petróleo precisam mudar a sua propaganda de relações públicas. É interessante como fazem isso, continuando a produção de combustíveis fósseis e investindo nalguma tecnologia futurística, – que não existe, já agora -, que será capaz de remover os venenos da atmosfera, depois de despejá-los numa lavagem verde. Essa é a política deles. Veja o Partido Republicano nos Estados Unidos. São todos negacionistas; para eles, não está a acontecer. Ou os chamados democratas moderados, como Joe Mancini, aquele que impede os esforços de fazer algo pelo meio ambiente no orçamento. A sua posição é clara e explícita. Ele diz: só inovação; sem eliminação, continuem a produzir combustíveis fósseis sem limites, mas encontrem uma maneira de superar as críticas. É a pessoa que mais recebe financiamento das empresas de combustíveis fósseis no Congresso, o que é muito significativo porque essas empresas financiam e compram abundantemente membros do Congresso. É o campeão nisso. Os seus próprios constituintes, os mineiros de carvão na Virgínia Ocidental, estão a mover-se no sentido da energia sustentável, mas o seu representante no Congresso está comprado pelas petrolíferas, que querem continuar a correr para o precipício.

“[Greta Thunberg] terminou a dizer: vocês traíram-nos. Essas palavras devem ser gravadas na consciência de todos. Na minha geração e na sua. Traímos a juventude do mundo. Estamos a trai-los agora. Estamos a trair os nossos filhos e netos.”

Há motivos para esperar que os jovens ainda possam fazer uma mudança e salvar o mundo para as gerações futuras?
Eles estão a liderar. Na sexta-feira da semana passada, houve uma greve climática global de jovens, centenas de milhares deles nas ruas da Europa, exigindo que as nossas gerações, a sua e a minha, façam algo para acabar com a crise que está a destruir as vidas deles, mas isso quase não foi relatado nos EUA. Não sei como foi em Portugal. Mas são os jovens que nos imploram. Agora, voltemo-nos para a cimeira de Davos no ano passado, dos ricos e poderosos. Greta Thunberg, uma adolescente, foi lá e teve um discurso sóbrio e cuidadoso sobre a situação atual. O secretário-geral da ONU teria concordado com cada palavra. Terminou a dizer: vocês traíram-nos. Essas palavras devem ser gravadas na consciência de todos. Na minha geração e na sua. Traímos a juventude do mundo. Estamos a trai-los agora. Estamos a trair os nossos filhos e netos.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.