O Nazismo e a Ucrânia

(Raquel Varela, in Blog raquelcardeiravarela.wordpress.com, 28/04/2022)

Uma nota rápida inicial: sobre a cruz de ferro ser ou não um símbolo nazi, que alguns jornalistas, em vários media, concluíram que não é. Em história trabalhamos com factos, indispensáveis, mas não trabalhamos só com factos, trabalhamos com contextos, estruturas, dinâmicas, processos, teorias, a história é um filme, não é uma fotografia; e em jornalismo também não deveria ser assim. Caso contrário bastaria alguém – até um computador hoje – coleccionar factos, colocá-los numa linha do tempo, e podíamos dispensar o trabalho dos historiadores. Toda a automação e pressão algorítmica vai aliás nesse sentido para o jornalismo…Muitos jornalistas, infelizmente, acreditam que a sua profissão está resumida a elencar factos.

Aquilo que é a Ucrânia é um país nascido no século XX do colapso dos impérios na I Guerra, passou por várias disputas entre elas movimentos anarquistas contra os exércitos anti bolcheviques brancos, que depois se rebelaram contra os bolcheviques também; mais tarde a Ucrânia – essencial às tropas nazis pela sua capacidade produtiva de trigo e milho, a base de qualquer alimentação – , foi o palco de recrutamento de aliados pró-nazis (descritos magistralmente em As Benevolentes), porque Estaline tinha feito aí a brutal colectivização forçada. Hitler foi recebido bem na Ucrânia, por isso. Até começar a pilhar os camponeses locais e estes terem feito um aliança para derrotar os nazis, mas sempre assente num nacionalismo radical. Um dos líderes pró nazi, que se tornou herói nacional, é Bandera, que é o inspirador do Batalhão Azov, um dos batalhões que até há pouco tempo toda a imprensa internacional classificava de “milícia neonazi” ( e as ONGs ainda classificam) e agora são “resistentes nacionalistas”. Este símbolo passou a ser usado, com outros, pelos neonazis ucranianos, e pelos nacionalistas ucranianos. O Chega foi ouvir Zellensky à AR no dia 25 de Abril ostentando, como sempre, a bandeira de Portugal na lapela, e o braço ao peito. Neste contexto a bandeira de Portugal é evidentemente um símbolo de extrema-direita como o é a cruz de ferro.

O mais importante é isto. Toda a história desta guerra, supostamente para “desnazificar a Ucrânia” tem tido o efeito contrário. Essa é uma das grandes consequências desta guerra. A Ucrânia é hoje o palco de uma nazificação acelerada, que a invasão russa (e a resposta bélica da NATO) só veio acentuar.

A normalização na UE e no mundo ocidental da extrema direita, sob a capa de resistência do povo ucraniano tem permitido a incorporação destas milícias no exército, o seu treinamento pela NATO, a abolição de partidos políticos, jornalistas, perseguições a gente de esquerda e imposição da censura nos media ucranianos – um clima explosivo feito sob a lei marcial em nome de salvar “o povo ucraniano”.

A guerra da Ucrânia criou mais nazis do que toda a extrema-direita junta nos últimos anos em qualquer país, armou-os, preparou-os militarmente, e sobretudo, o mais perigoso, naturalizou-os. Hoje, estes nazis, ontem banidos e proibidos, são legais, foram reintegrados pelo Facebook e por outras redes sociais, e nos jornais aparecem como “nacionalistas”.

Não tenho dúvidas que a maioria do povo ucraniano não é nazi, como não tenho dúvidas do peso que hoje têm os nazis na direcção do Estado ucraniano, na direcção militar, política do país. Zellensky ostenta a cruz de ferro porque tem uma alienação objectiva, em guerra, com neonazis e nacionalistas. Isso não torna a invasão russa legítima, mas tão pouco torna Zellensky o líder que povo ucraniano mereceria para resistir.

A outra grande questão interessante é tentar perceber que tipo de país é a Ucrânia para ter sido tão facilmente transformado num Estado que permite milícias nazis (portanto o Estado, pelo menos desde 2012/14, tinha perdido o monopólio da violência), e como foi transformado, também com relativa facilidade, num palco de uma guerra entre os EUA e a China, e seus aliados, UE e Rússia. A hipótese da Ucrânia como um Estado falhado é uma hipótese real. Um Estado corrupto, que perde o monopólio da violência, e mais de 15% da população activa a fugir dos baixos salários, é um Estado inviável – como a UE vai descalçar a bota da adesão é o que vamos ver nos próximos anos.

Entretanto o país está destruído, conquistado a leste pela Rússia, e a ocidente, onde os camponeses nacionalistas têm força (a Ucrânia tem uma das maioires populações europeias na agricultura porque até Zellensky era proibido vender as terras herdadas das leis pós queda do Muro, e agora estas terras vão passar a estar concentradas e sob a égide de multinacionais da UE). Portanto, uma nova vaga de migrantes do Oeste, fugidos à expropriação de terras (“venda” de terras em economês liberal), outros à guerra no Leste, espera-se nos próximos anos. Ou seja, um Estado a desaparecer, a Oeste e a Leste. Que deu entretanto à UE mão de obra barata, à Rússia domínio geopolítico, à NATO/UE venda de armas, e à China/Rússia e aos EUA um campo de disputa onde se medem forças pelo domínio do mundo, e não só da Ucrânia.

Um protetorado russo de um lado, uma semi colónia da NATO do outro, e claro, um ninho de neonazis, que voltarão aos nossos países, com treinamento e armas, para fazer o que sabem – perseguir gente de esquerda, sindicalistas, intelectuais de esquerda e democratas. Tudo apoiado pela UE para “salvar a Ucrânia”. Uma cruz, de ferro.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

7 pensamentos sobre “O Nazismo e a Ucrânia

  1. Caros camaradas da Esquerda, venho por este meio avisar-vos, pá, de que de estarem sempre a invocar o nazismo e a comparar ao nazismo tudo aquilo que vocês não curtem, a malta está a ficar um bocado farta e insensível ao tema, mô! Daqui a bocado, quando vocês gritarem “fulano tal é um nazi”, já ninguém vos liga, porque vocês já chamaram nazi e Hitler a muitos gajos e gajas, pá!

  2. Não sei se é a tentativa de não ser (ainda mais) perseguida pelos do pensamento único, mas a Raquel Varela, apesar do texto ser no geral muito bom, comete o erro da inversão de culpabilidade.

    Senão vejamos: bem antes desta invasão, a extrema-Direita (Banderistas e NeoNazis) já estava na Ucrânia, em cargos de poder, no SBU, integrada na Guarda Nacional, nas alterações recentes às leis e Constituição do país. Tudo isto desde o golpe de 2014, tudo isto desde o apoio de milhões que a Victoria “Fuck EU” Nuland deu para dar início à “desestabilização e extensão” da Rússia.
    Um relatório da OSCE de 2021 disse que eram já 40% dos militares ucranianos (102 mil) recrutados nestas forças Banderistas e Nazis. Ou seja, já estavam a ser escolhidos a dedo, ou radicalizados, há uma década!

    Portanto, critique o que quiser da invasão, mas dizer que essa radicalização, e agora a normalização desses Banderiats e NeoNazis pela “imprensa livre” do Ocidente, é culpa da invasão (e como tal culpa da Rússia), é uma inversão de culpabilidade tão grande como a vítima de violência doméstica ser acusada pelo agressor de “mereceste isto” ou “obrigaste-me a dar-ter no focinho”, ou violada ser acusada de “estar a pedi-las”…

    Não. A culpa do crescimento e normalização da extrema-direita não é de quem a combate. É de quem (EUA) a financiou, de quem (NeoLiberais pró-NATO) criou as condições para ela crescer, e de quem (“imprensa livre” do Ocidente) usa o seu monopólio do pensamento único nos órgãos de comunicação social para a normalizar. A culpa é dos culpados! Não é de quem se defende!

    Essa “lógica” da culpa ser das vítimas, é como aquela “lógica” que levou a UE, por várias vezes no passado, a dizer que a ocupação e bombardeamentos feitos por Israel são justificados e “em legítima defesa”, porque a culpa de Israel ser agressiva, é dos Palestinianos. Como se o prédio da Associated Press e as crianças bombardeadas fossem as culpadas.
    Raquel Varela, obrigado pelo resto do texto, mas essa parte da inversão da culpabilidade não é lógica. É insultuosa!

  3. ENTENDO RAQUEL,que tenha de escrever aonde ainda há Liberdadde,pq no programa da TV ,o “ultimo apaga aLuz” os seus “companheiros de Painel” quando tenta falar ,eles “democratas ” da livre expressão (desde que seja asua opinião” caem-lhe em cima qual “matilha” e com algazarra ,”silencião-na” ……mas a sua coragem de enfrentá-los com serenidade ,enquanto eles cheios de “raiva” pela opinião diversa “espumam” …..Não desista pq não está sozinha……lembro-lhe .talcomo Galileu…..apesar da fogueira ela Si Muove ……Coragem ,pois …..querem silinciar-nos,as já vivemos tempos iguais e resistimos……

  4. Pq não publicaram o comentário que acabo de esrever? o meu tempo é a minha maior riqueza,,,,creio que vou desistir de vez,,,,pq parece que há “seleçao” ou “censura”?:….

  5. Caro Armando, tem de dar tempo. Nem sempre os nossos comentários são publicados na hora. Mas não desista de comentar. É mais uma voz contra o unanimismo que tentam impingir-nos à força.

  6. Excelente artigo de Raquel Varela. É necessário e urgente quebrar o unanimismo ambiente e a agressividade dos que se instituíram em censores do pensamento livre e moralistas da guerra de emoções.
    Já basta a infâmia de informação que vai por esta Europa fora, onde não há vozes discordantes nem informação independente. A “soi disant” libérrima Europa não deixa lugar no espaço público para o contraditório e tem como fonte principal de informação o Sr. Zelensky e a sua propaganda inspirada pelo império que representa.
    Hoje ouvi um representante de uma associação ucraniana em Portugal exprimir a sua estranheza por o governo português ainda permitir a existência do PCP. Parece que igual atitude já tinha tido a Sra. embaixadora da Ucrânia. Num Estado que se desse ao respeito, alguém já teria explicado a quem abusa da hospitalidade dos portugueses que o PCP é um partido legal, representado, por vontade do povo, na Assembleia da República, e cujas credenciais em defesa dos trabalhadores toda a gente reconhece, mesmo os adversários políticos. Portugal, ao contrário do que fez o Sr. Zelensky não proíbe a existência de oposição nem mete na prisão os adversários políticos.

Leave a Reply to Zink Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.