Zelenskymania e a imagem arruinada da Suíça

(Guy Mettan, in StandPoint, 10/04/2022)

Enquanto as negociações parecem estar progredindo e os primeiros contornos de uma possível solução na Ucrânia estão surgindo (neutralidade e desmilitarização parcial do país, entrega do Donbass e da Crimeia), os antecedentes do conflito começam a ser melhor compreendidos. No entanto, não se espera um cessar-fogo rápido: os americanos e os ucranianos ainda não perderam o suficiente e os russos ainda não ganharam o suficiente para cessar as hostilidades.


Mas antes de ir mais longe, gostaria de convidar aqueles que não partilham da minha visão realista das relações internacionais a não seguirem em frente na leitura. O que se seguirá não lhes agradará e evitarão o azedume estomacal e o tempo desperdiçado a denegrir-me. Com efeito, penso que a moralidade é um péssimo conselheiro em geopolítica, mas que se impõe em matéria humana: o realismo mais intransigente não nos impede de ativar, incluindo no tempo e no dinheiro como eu, para aliviar o destino das populações testadas pelos combates.

As análises dos peritos mais qualificados (estou a pensar em particular nos americanos John Mearsheimer e Noam Chmsky), nas investigações de jornalistas de investigação como Glenn Greenwald e Max Blumenthal, e nos documentos apreendidos pelos russos – a interceção de comunicações do exército ucraniano a 22 de janeiro e um plano de ataque apreendido a um computador abandonado por um oficial britânico – mostram que esta guerra foi inevitável e muito improvisada.

Uma guerra inevitável e improvisada

Inevitável porque desde a declaração de Zelensky sobre a recaptura da Crimeia à força em abril de 2021, ucranianos e americanos decidiram desencadeá-la o mais tardar no início deste ano. A concentração das tropas ucranianas no Donbass desde o verão, as entregas maciças de armas pela NATO nos últimos meses, o treino acelerado de combate dos regimentos azov e o exército, o bombardeamento intensivo de Donetsk e Luhansk pelos ucranianos já em 16 de fevereiro (tudo isto permaneceu ignorado pelos meios de comunicação ocidentais, claro), provam que uma grande operação militar foi planeada por Kiev no final deste inverno. O objetivo era responder à Operação Tempestade lançada pela Croácia contra a Krajina sérvia em agosto de 1995 e apreender donbass num blitzkrieg sem dar tempo aos russos para reagirem, de modo a tomar o controlo de todo o território ucraniano e tornar possível a rápida adesão do país à NATO e à UE. Isto explica porque é que os Estados Unidos têm vindo a anunciar um ataque russo desde este outono: sabia que uma guerra iria ocorrer, de uma forma ou de outra.

Improvisada porque a reação russa foi feita à pressa. Notando que as manobras diplomáticas da NATO – não resposta dos EUA às suas propostas, blinken-Lavrov reunidos em Genebra em janeiro, os apelos de Zelensky para a calma e a mediação de Macron-Scholz em fevereiro – não estavam dispostos, ou incapazes de ter sucesso, e talvez servissem para as pôr a dormir, os russos retaliaram de uma forma magistral e muito arriscada. Decidiram tomar a iniciativa de atacar primeiro em cerca de dez dias (reconhecimento das repúblicas, acordo de cooperação e operação militar), a fim de apanhar os ucranianos de surpresa.

E em vez de atacarem um exército bem equipado e solidamente fortificado, decidiram contorná-lo com uma vasta manobra de cerco/desvio, implantando-se em três frentes ao mesmo tempo, norte, centro e sul, de modo a destruir a aviação e o máximo de equipamento desde as primeiras horas e perturbar a resposta ucraniana. Se tivessem deixado a Ucrânia atacar primeiro, a sua situação tornar-se-ia crítica e teriam sido derrotadas ou condenadas a uma guerra interminável de desgaste no Donbass. Recorde-se que os números russos são ridículos: 150.000 homens contra 300.000 ucranianos com a Guarda Nacional.

Dadas as circunstâncias, e apesar dos soluços e perdas do início, a operação russa terá sido um êxito e será um marco na história militar, se não um modelo a nível humano, é claro. Com esta fase concluída, os russos podem agora concentrar-se no seu principal objetivo, nomeadamente a liquidação dos bolsos Kharkiv e Mariupol detidos pelos regimentos neonazis azov e a redução do caldeirão de Kramatorsk, onde a maior parte do exército ucraniano está entrincheirado. Depois disso, podem decidir se querem lançar os seus tanques através da planície ucraniana para Lviv ou parar por aí.

Vencedores e vencidos

Analisemos agora o aspeto político. Quem são os verdadeiros vencedores e vencidos desta guerra? Vejo um verdadeiro vencedor, vencedores menores e muitos perdedores. O maior vencedor são, sem dúvida, os Estados Unidos. Há que reconhecer que a equipa Biden, apesar da senilidade do seu presidente, tem manobrado magistralmente. Ao sair do Afeganistão em agosto passado, abriu-se aos olhos da opinião pública e impediu-o de ser responsabilizado pela invasão e ocupação desastrosas daquele pobre país. Ao montar um guião que o brilhante comediante Zelensky interpretou admiravelmente, eles parecem à opinião ocidental como piedosos cavaleiros brancos enquanto eles criaram tudo. Fecharam as fileiras da NATO e transformaram os europeus em úteis ansiosos por defender as democracias ameaçadas pelo odioso ditador-ditador-Putin. Obrigaram-nos a comprar o gás de xisto, enquanto a esquerda alemã e os Verdes se apressaram a mobilizar 100 mil milhões de euros em créditos militares para comprar os seus F-35. Bingo, bingo! A única sombra no quadro: o plano não correu como planeado. Os russos não caíram na armadilha. A Ucrânia será desmembrada, neutralizada e não entrará na NATO como se esperava.

Os outros vencedores são a China, a Índia e os países do Sul, que estão a observar gananciosamente os ocidentais, especialmente os europeus, entre si e enfraquecem-se durante muito tempo. Inesperadamente, encontram a posição conveniente de neutralidade ou não alinhamento. Os chineses teriam preferido um acordo amigável, mas não tinham escolha: sabem que, se deixarem a Rússia, serão os próximos da lista, como evidenciado pelo dilúvio da Sinofobia derramado pelo Ocidente sob o pretexto de defender os direitos dos uigures (enquanto os direitos dos iemenitas bombardearam impiedosamente durante seis anos completamente indiferentes aos ocidentais).

O grande perdedor será, naturalmente, a Ucrânia, desmembrada, mutilada, desmembrada, devastada, massacrada por nada, uma vez que, no final, perderá muito mais do que os acordos de Minsk o teriam forçado a fazer se os tivesse aplicado em vez de os desprezar. O Presidente Zelensky assumirá uma grande responsabilidade a este respeito, à luz da história, uma vez que preferia a ruína do seu país em vez de um compromisso quando ainda havia tempo.

Os outros grandes perdedores são os europeus. Num futuro imediato, é claro, podem gabar-se da sua nova unidade, do seu rearmamento acelerado, da sua feroz vontade de defender a democracia e a liberdade para o último ucraniano, a sua generosidade para com os refugiados, a sua futura independência energética da Rússia, etc. Tudo isto é certo e verdadeiro, de facto. Mas amanhã, o preço a pagar será extremamente pesado. O seu comportamento mostra que não pesam absolutamente nada contra os americanos, uma vez que se tornaram puros vassalos. A decisão de Ursula von der Leyen, na semana passada, de transferir os dados pessoais dos cidadãos europeus para os americanos mostra a extensão da submissão europeia.

Idem para a economia: que sentido faz ao libertar-se da dependência energética russa para cair na dos americanos com preços de gás quatro ou cinco vezes mais altos? O que dirá a indústria alemã quando se trata de pagar a conta? Especialmente porque não existem transportadoras de GNL, portos, instalações de deliquefação de gás, nem gasodutos suficientes na Europa. Como é que o gás de xisto americano será entregue aos eslovacos, romenos e húngaros? Na parte de trás de um burro?

O que dirão os Verdes alemães quando tiverem de aceitar a construção de novas centrais nucleares para satisfazer a procura de eletricidade? Os jovens e os ambientalistas europeus quando descobrem que foram enganados e que a luta contra o aquecimento global foi sacrificada em nome de interesses geopolíticos sórdidos? Os franceses, quando verão o seu país desvalorizado não só a nível mundial, mas também a nível europeu, depois de terem testemunhado o rearmamento da Alemanha e a compra maciça de armas americanas pelos polacos, balts, escandinavos, italianos, alemães? A opinião pública europeia quando será necessário manter milhões de refugiados ucranianos depois de lhes oferecer passes de comboio gratuitos?

E o que ganhará a Europa quando se encontrar cortada em dois por ódios profundos e por uma nova Cortina de Ferro que, pura e simplesmente, terá movido um pouco mais para Leste do que a da Guerra Fria? E o que fará quando descobrir que, longe de ter isolado a Rússia, é por si só que se verá isolado do resto do mundo? Quando olhamos atentamente para a votação das resoluções das Nações Unidas, vemos que os quarenta países que se abstiveram ou não participaram na votação representam a maioria da população mundial e 40% da sua economia. Longe de derreter, o apoio à Rússia melhorou mesmo entre os votos de 2 de março e 25 de março. Quanto aos países que se recusaram a aplicar sanções contra a Rússia, constatamos que uma imensa maioria se absteve e que só os países ocidentais as adotaram…

A imagem arruinada da Suíça

Outro grande perdedor é a Suíça. A oficialidade suíça orgulha-se de ter seguido com uma rapidez histórica as sanções exigidas pelos Estados Unidos e pela União Europeia. Os que estão com pressa já pedem a rápida adesão à UE e à NATO. Muito bem. Mas depois de sucumbir aos assuntos dos fundos judaicos e do sigilo bancário, foi a terceira vez em vinte anos que o Conselho Federal submeteu aos ditames americanos: o que resta da nossa lei e soberania? Mais a sério, capitulámo-nos no campo aberto, abandonando a nossa neutralidade quando ninguém nos pediu. Depois de nos aguentarmos durante dois séculos, aqui estamos a submeter-nos sem lutar em menos de cinco dias!

Este abandono é grave não só para a identidade do país, mas também para a sua credibilidade. Que os conselheiros federais prostram-se em frente a Zelensky na Praça Federal e usam lenços em cores ucranianas, ainda passa. Isto é folclore político. Mas o sacrifício da neutralidade é um ataque sério ao país porque, ao modelarmo-nos nos ocidentais, perdemos a nossa credibilidade com o resto do mundo. E a fiabilidade dos nossos bancos quando bloqueiam contas com uma simples injunção americana? O que acontecerá a Genebra internacional e a nossa política externa, agora boicotada pela Rússia e, provavelmente, por muitos outros países, se já não a conseguirmos articular sozinhos sem nos referirmos a Bruxelas e Washington? Como pode Genebra afirmar continuar a ser a capital do multilateralismo quando o CERN e a OIT suspendem a participação da Rússia e a Suíça, na sequência da Europa, boicota os discursos de Lavrov no Conselho dos Direitos Humanos?

Este abandono assinala o afundamento do multilateralismo inclusivo que a Suíça e Genebra afirmaram defender e é extremamente grave para a nossa política humanitária e para as Convenções de Genebra, como evidenciado pelo alarmante comunicado do CICV de terça-feira, 29 de março. Ao alinharmo-nos incondicionalmente por trás da Ucrânia e da Europa, é a neutralidade e a imparcialidade do CICRC que colocamos em perigo. Ambos são inseparáveis aos olhos do mundo. E é por isso que o CICV teve de reagir vigorosamente às tentativas ucranianas de sabotar a sua ação acusando-a de lidar com os russos, quando a neutralidade está no cerne da sua missão. Como podemos confiar numa instituição cujo país anfitrião traiu o espírito, e até a carta, de uma neutralidade consagrada na sua constituição, para agradar aos líderes políticos ocidentais e a uma opinião pública aquecida pela propaganda anti-russa? O silêncio das autoridades e dos partidos políticos de Genebra será dispendioso, tanto mais que a Suíça se está a cobrir com ridículo, deixando a iniciativa de bons cargos a países como Israel, Turquia ou Bielorrússia!

Finalmente, há a Rússia. Vencedor ou perdedor? Ambos, na verdade. Por um lado, é provável que a Rússia vença militar e estrategicamente. No final dos combates, a Rússia poderia muito bem obter a neutralização da Ucrânia, a sua desmilitarização parcial (ausência de bases militares estrangeiras e armas nucleares), bem como uma possível divisão do país. Terá derrubado os fanáticos da hegemonia americana que assombram os escritórios de Washington e Bruxelas. Terá provado que não se compromete com a sua segurança e com a dos seus aliados. E terá mostrado ao mundo que estava a fazer o que estava a dizer e a dizer o que estava a fazer, uma vez que tinha indicado claramente as suas linhas vermelhas três meses antes do conflito. E isto sem a sua economia e moeda a vacilar, como os ocidentais esperavam.

Ao contrário do que pensam, as sanções económicas, por mais severas que sejam, só vão reforçar Putin, como mostram as últimas sondagens do instituto neutro levada, que confirmam o apoio de uma grande maioria da população à “operação especial”. Nunca nenhuma sanção conseguiu derrubar um governo, seja em Cuba, no Irão ou na Coreia do Norte.

Mas Moscovo terá de suportar o estigma do aquecedor, o agressor, mesmo que em termos legais a sua causa não seja menos má do que a invasão do Iraque em 2003 e a agressão da NATO contra a Sérvia em 1999, com a divisão do Kosovo que se seguiu alguns anos depois. O preço humano, cultural, económico e político a pagar será elevado. As tensões geradas pelo conflito não desaparecerão por magia e os russos terão de suportar as consequências desta guerra durante muito tempo.

Cyberwar e stratcom

Concluiremos esta visão geral com uma palavra sobre o incrível sucesso da campanha de propaganda ucraniana no Ocidente. Esta guerra foi uma oportunidade para viver a primeira operação total de ciberguerra. Se a liberdade de imprensa sofre na Rússia, não é muito melhor para nós, que banimos os meios de comunicação russos quando afirmamos defender a liberdade de imprensa e que proscrevem pontos de vista divergentes! Em poucos dias, houve um zelo de mentes, cada um competindo em servilidade para ouvir o Grande Herói e cumprir os seus votos, o Presidente Macron até usando uma barba de três dias e uma t-shirt de azeitona para enfatizar a sua adesão à causa, enquanto os media renunciavam à ética jornalística para abraçar a causa da Ucrânia. Tal colapso da razão em tão pouco tempo é inédito.

Inédito, mas não inexplicável. Dan Cohen, por trás do correspondente noticioso, desmantelou os mecanismos sofisticados da propaganda ucraniana e as razões do seu colossal sucesso nos nossos países. Um comandante da NATO descreveu a campanha no Washington Post como “uma formidável operação de stratcom (comunicação estratégica) envolvendo meios de comunicação, Info Ops e Psy Ops”. Basicamente, tratava-se de mobilizar os meios de comunicação e hipnotizar o público com um fluxo contínuo de notícias reais, fake news, imagens e narrativas que surpreenderiam as pessoas de forma a manter um alto nível emocional e obliterar a capacidade de julgar o público.

Foi assim que fomos tratados com uma inundação de imagens espetaculares e informações muitas vezes falsas: a alegada morte dos soldados da Ilha das Serpentes, o fantasma de Kiev que teria abatido seis aviões russos sozinhos, as ameaças à central de Chernobyl, o falso bombardeamento da central de Zaporoje, ou os casos da maternidade e do teatro de Mariupol cujas vítimas nunca foram vistas, exceto para duas mulheres, pelo menos uma das quais foi reconhecida como viva. Da mesma forma, assistimos ao branqueamento acelerado dos batalhões azov, convertidos em soldados patrióticos depois de apagarem as suas cristas neonazis, e a negação da existência de laboratórios bacteriológicos americanos na Ucrânia, que foi explicitamente reconhecido por Victoria Nuland durante uma audiência no Senado em 8 de março. É verdade que foi imediatamente posta em prática uma formulação para as negar. No dia seguinte, começou a ser utilizada a conversa sobre “estruturas de investigação biológica” e a opinião pública foi alertada para alegados ataques químicos russos para sufocar o problema dos laboratórios bacteriológicos secretos (cf. BFM TV).

Parece que a comunicação ucraniana emprega, sob a égide do grupo pr network, nada menos que 150 empresas de relações públicas, milhares de especialistas, dezenas de agências noticiosas, meios de comunicação de prestígio, canais Telegram e meios de comunicação russos da oposição para entregar as suas mensagens e formatar a opinião ocidental. Os russos são ridicularizados por proibirem o uso da palavra guerra para “operação especial”. Mas os meios de comunicação ocidentais não fazem melhor, pois são constantemente alimentados com mensagens-chave e elementos da linguagem, proibindo, por exemplo, o uso de expressões como “referendo da Crimeia” ou “Guerra Civil donbass”. Detalhes completos sobre Dan Cohen, a Guerra da Propaganda da Ucrânia: empresas internacionais de RP, lobistas de DC e recortes da CIA, MintPressNews.com.

Este brilhante sucesso no Ocidente esconde um claro fracasso na América Latina, áfrica e Ásia, ou seja, em 75% do mundo habitado. Os países do Sul já não se enganam pelas nossas mentiras e interesses. E a estrela de Zelensky começa a desaparecer. O seu lamentável desempenho no Knesset, onde cometeu o erro de comparar a ofensiva russa com a “solução final” quando foram os russos que libertaram Auschwitz e empurraram Hitler para trás e foram os antepassados dos seus aliados nacionalistas ucranianos de extrema-direita que participaram no Holocausto por balas, terão sido a última gota.

Correndo o risco de me repetir, concluirei este longo artigo dizendo: podemos, até devemos condenar esta guerra. Mas, por favor, deixe-nos parar de nos cegar. Vamos redescobrir a nossa mente crítica e o nosso sentido de realidade. É assim que poderemos reconstruir uma paz duradoura no campo das ruínas em que a Ucrânia se tornou.

* Guy Mettan é cientista político e jornalista. Iniciou sua carreira jornalística no Tribune de Genève em 1980 e foi seu diretor e editor-chefe em 1992-1998. De 1997 a 2020, foi diretor do “Club Suisse de la Presse” em Genebra. Atualmente é jornalista e escritor freelancer.

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

4 pensamentos sobre “Zelenskymania e a imagem arruinada da Suíça

  1. Muito bem.
    E já faltava uma análise ao fim da neutralidade da Suíça.
    Mas um país que nem perante Hitler deixou de ser neutral, e que é o banco sem-lei dos oligarcas e ladrões de todo o Mundo, já tinha a sua imagem arruinada. Agora apenas lhe junta uma nova fase a essa ruína: a submissão total perante a oligarquia de Washington no século XXI.
    Mas conhecendo os Suíços, não é nada que não se resolva num dos vários referendos da sua tradicional Democracia directa.
    Portanto, esperemos para ver o que acontece, se uma correção deste tiro no pé, ou a confirmação do Mundo dividido em 2, com a Suíça a escolher o lado no meio do qual se encontra, para garantir que continua a ser o banco da oligarquia/ladroagem ocidental…

Leave a Reply to João S Andrade Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.