A lei também é para os “portugueses de bem”

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 31/05/2021)

Daniel Oliveira

As guerras internas no Chega interessam-me pouco. Para quem já viu a capacidade de atração do poder junto de matilhas de medíocres, a coisa é mais ou menos óbvia. Num partido unipessoal, onde à boa maneira da direita autoritária o líder tem poderes disciplinares e políticos absolutos, umas centenas de fura-vidas que apanharam a boleia do radicalismo da moda acotovelaram-se na esperança de estar no lugar certo quando chegar o momento de ir ao pote do sistema. Não há, nas zangas internas, qualquer questiúncula ideológica ou programática relevante. A mudança do programa contra o Estado Social ficou, aliás, para mais tarde, que as exigências de Ministérios tem prioridade em relação à vida das pessoas. Como nos partidos do centrão, há carreiras a construir. O líder, sabendo-se dono dos votos, usa a fome de todos para alimentar a discórdia e reforçar o seu poder.

A relevância das ideias nas lutas medíocres dentro do Chega é a mesma que existe para os afastamentos ou aproximações de Rio a Ventura. Depois de assinar um acordo para formar governo nos Açores e partilhar um palco numa reunião de autoajuda da direita deprimida, o PSD decidiu não comparecer no encerramento da convenção, como resposta às declarações violentas de André Ventura contra o partido. “Há limites de decência e bom senso”, disse o PSD em comunicado.

Saiba mais aqui

Rui Rio convive com Ventura em acordos de governo e convenções, depois de ele insultar ciganos, deputadas de origem africana e beneficiários do RSI. Só quando insulta o PSD é que passa os limites da decência. Para Rui Rio, a fronteira da decência está à volta do seu umbigo. Como em torno da convenção do Chega a decência parece ser o último dos critérios, prefiro tratar dela para falar de uma condenação exemplar.

Instalou-se uma ideia extraordinária: que a forma mais eficaz de combater a anormalidade política do Chega (que resulta, entre outras coisas, do seu discurso xenófobo e racista) é normalizá-la. Que se vence debatendo com ele. Não me parece que o fracasso político dos democratas dos anos 30 tenha resultado da falta de argumentos. Não se vence a extrema-direita esperando que a razão prevaleça sobre a irracionalidade. Muito menos ela será vencida em terapias de grupo, como a organizada pelo MEL, onde não faltaram elogios ao Estado Novo.

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Também não acho que o caminho seja a ilegalização do Chega. Não é o peso eleitoral do partido que determina que isto seja um erro. Se houvesse argumentos para ilegalizar um partido com 6% ou 8% nas sondagens teríamos de lidar com isso. Em democracia, a força eleitoral de um jogador não determina as regras do jogo. Se deixarmos que assim seja, ele acabará por virar o tabuleiro e interromper a partida quando estiver em vantagem. Sou contra este processo porque ele muito dificilmente seria indiscutível à luz da da Constituição – a natureza ideológica do Chega não é de tal forma explícita nos seus documentos que não deixe espaço para escapatórias. Ou a ilegalização é decretada sem que seja uma evidência para todos os democratas ou, mais provável, oferece-se ao Chega uma vitória judicial. Mas a lei existe e é para ser usada. Foi o que aconteceu no caso do Bairro da Jamaica.

No debate presencial com Marcelo, Ventura exibiu uma “selfie” do Presidente com uma família do Bairro da Jamaica e disse que ali estavam “bandidos”. Cinco dos sete fotografados têm o cadastro limpo. O sexto é uma criança que agora tem cinco anos. Três são arguidos e assistentes – assim como um polícia – no mesmo processo. Dos sete, apenas um foi condenado por crimes. A esse, Ventura chamou-lhe “bandido verdadeiramente”. Há “bandidos” que não o são “verdadeiramente”. Mas se forem candidatos a autarcas do Chega, basta não terem uma condenação transitada em julgado para não ser da “bandidagem”. A presunção de inocência é para consumo da casa.

Já esta família foi exposta ao país, incluindo os que nela nunca tiveram problemas com a Justiça. O racismo é isto: a desindividualização do outro, que passa a representar um grupo de suspeitos. Só que, para o tribunal, cada uma daquelas pessoas tem o direito individual à sua honra e à sua imagem. Por isso, Ventura terá de se retratar publicamente. Já disse que não o fará, mostrando que a lei é sempre para os outros.

Vanusa Coxi, que trabalha desde os 16 anos e sempre cumpriu a lei, teve a coragem de dizer: eu sou cidadã, não sou uma metáfora para a propaganda do Chega. Os que acham que palavras são apenas palavras deviam acompanhá-la, numa ida ao supermercado, no dia seguinte ao ter sido exibida como “bandida” em horário nobre.

Infelizmente, no mesmo dia em que foi condenado foi possível dar uma entrevista de vinte minutos na SIC Notícias recusando-se a dizer mais sobre o tema do que adiar respostas para o dia seguinte, em terreno mais favorável, e que ia recorrer. Que outro líder partidário poderia dar uma entrevista no dia de uma condenação judicial sem que esse fosse o tema central, mesmo que isso não lhe desse jeito? E o que tinha a dizer no dia seguinte é que não tencionava cumprir a decisão judicial.

“É isto que faz crescer Ventura”, diz-se sobre tudo e um par de botas, transformando-o em legítimo portador de todas as frustrações nacionais. Até a aplicação da lei faz crescer o homem que só acredita nela quando se aplica aos de baixo. Temos de combater as causas que dão força ao Chega. Mas, mesmo que houvesse acordo sobre elas, é como dizer que a criminalidade se combate reduzindo a desigualdade. É verdade, mas nem por isso suspendemos a lei contra o crime.

Os impasses que levaram ao renascimento da extrema-direita no mundo ocidental são profundos e demorarão muito tempo a resolver. Já a nossa democracia é frágil e a defesa das suas regras é determinante para que a receita do sucesso de Ventura não seja copiada por outros, com muitas vítimas como Vanusa Caxi. A resposta política é complexa. Mas a imediata é simples: a aplicação da lei, que vigora no Bairro da Jamaica e nos debates em que Ventura participa.


3 pensamentos sobre “A lei também é para os “portugueses de bem”

  1. De facto vai ser dificil convencer o tribunal constitucional que o Chega é racista quando tem negros e mestiços entre os seus dirigentes e fundadores.

    Por exemplo, o vice-presidente e ideólogo do Chega, Mithá Ribeiro, orgulha-se de ser mestiço de negro, branco, árabe e indiano. E é um académico especializado em estudos africanos.

    Mandar bocas em colunas de jornais é fácil. Fake news não pagam imposto. Mas levar o Chega a tribunal por causa disso só vai envergonhar publicamente os acusadores e dar uma auréola de mártir ao Ventura. O espertalhão do tóni já percebeu isso e quer ficar-se pelas bocas atiradas ao ar nos jornais.

    E enquanto a esquerda insiste em criar uma guerra racial que nunca existiu, o Ventura vai capitalizando com as patadas na poça dos seus acusadores e fazendo-se passar por salvador de um povo a toda a hora enxovalhado por idênticas acusações de nazismo.

    Logo o povo português, criador do mulato e que celebrou nas ruas o fim da ditadura de direita e o fim do império colonial e elegeu um indiano para primeiro ministro. É mesmo o povo ideal para tratar de nazi !!!!!!

    A direita agradece. Toda esta guerra racial instigada pela esquerda, para além de dar força ao Ventura divide pretos e brancos naquilo que devia ser a luta de todos UNIDOS por melhores condições de vida.

    Enquanto apelam à destruição do padrão dos descobrimentos, à morte do homem branco, e à destruição da obra dos “fascistas” padre António Vieira, Camões e Eça de Queiroz, desvia-se as atenções da actualização do salário minimo que iria beneficar todos, pretos e brancos.

  2. Quanto áquela familia que o toni tenfa apresentar como martir do nazismo.

    Lembro que a policia foi chamada naquele dia por habitantes NEGROS daquele bairro alegadamente por estarem a ser agredidos por vários membros daquela familia – que recerenciam por alegadamente estar constantemente envolvida em desacatos e agressões contra outros membros NEGROS daquela comunidade.

    E quem o presidente abraçou para uma selfie foi precisamente o cadastrado que tinha mandado um policia para o hospital com uma pedrada nos dentes.

    Sim, aquela selfie provocou muito desconforto a muita gente, a começar pelos habitantes NEGROS do bairro que tinham chamado a policia por estarem a ser agredidos por membros daquela família.

    Mas o pior é chamar racismo a esse desconforto.

    É que não tenham dúvidas, esta atitude hilpócrita até vai atrair o voto de negros para o Ventura. Tal como no Alentejo já atraiu o voto de eleitores que costumavam votar no PCP.

Leave a Reply to Pedro Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.