Contas de Leão

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 22/02/2021)

Daniel Oliveira

Em 2020, gastou-se menos 2,6 mil milhões do que o previsto. Confinar não é só uma questão de vontade. Se os apoios não chegam, se o dinheiro não entra na economia, as pessoas fazem pela vida. No meio do incêndio, Leão fechou a torneira por causa da conta da água. Somos dos países que menos gastou na resposta à pandemia numa zona Euro que gasta muito menos do que os EUA. Quem não tenta minorar a crise económica alimenta a crise política. A política, ao contrário das contas de Leão, não paira sobre a realidade.


donativo

AJude a Estátua de Sal. Click aqui.

Perante a tragédia social e económica que vivemos, visível a olho nu quando se caminha pelas ruas de Lisboa ou do Porto e se vêem estabelecimentos comerciais definitivamente encerrados e centenas de placas de casas à venda, o Governo foi anunciando a uma velocidade extraordinária mais e mais apoios. Uns sobre os outros, uns corrigindo os outros. No início ainda se fazia o rastreio público das medidas, agora é um remoinho de palavras, siglas, nomes estimulantes. Confesso que houve uma altura que quase me assustei. Tinha de ser, mas este dinheiro viria de onde? Até que veio o milagre.

O salário médio subiu 3,5% e o emprego cresceu no último trimestre do ano passado. Não é incrível? Num momento em que o PIB cai num ano mais do que toda a última crise, a recessão nunca aterrou na Portela. Não chegou às pessoas. E só isso poderia explicar que, chegados ao fim de 2020, o défice tenha ficado muito abaixo do previsto. 3,7 mil milhões abaixo do estimado pelo Governo em outubro. João Leão explicou: as receitas foram mais do que se esperava. Alguns liberais rejubilam: os impostos são o problema! Sim, a receita total deveria ter sido de 83 mil milhões e foi de 84 mil milhões. A diferença entre a despesa prevista (97 mil milhões) e a que foi executada (94,4 mil milhões) é mais significativa: 2,6 mil milhões. Ela nem sequer chegou ao que foi previsto antes da pandemia. Gastou menos 835 milhões do que tinha previsto. Como é possível?

Tudo o que o governo poupou pode ser medido, como fez a economista Susana Peralta, em dinheiro para trabalhadores em situações dramáticas, apoios às empresas, compra de material para o SNS, de computadores para as escolas. Mário Centeno, o ministro das Finanças com os mais medíocres níveis de investimento público da nossa história recente, dizia que era preciso uma almofada para quando viesse uma tragédia. Acham que a tragédia chegou? Como dizia Passos Coelho, não sejam piegas.

No meio do incêndio, João Leão fechou a torneira por causa da conta da água. Estas poupanças não se medem só num SNS que resistiu enquanto pôde, mas não consegue os milagres da contabilidade criativa das Finanças, empurrando mortos para o ano seguinte. Medem-se na nossa capacidade de resistir à pandemia. Confinar como outros fizeram não é apenas uma questão de vontade, é uma questão de possibilidade. Se os apoios não chegam, se o dinheiro não entra na economia por outra via, as pessoas têm de fazer pela vida. No fim, para além dos péssimos números na pandemia, pagaremos com uma destruição ainda mais profunda da economia. E sem economia, as contas públicas e o equilíbrio orçamental vão à vida. João Leão só tem de perguntar porquê a um antigo líder da oposição, que o disse vezes sem conta: chamava-se António Costa.

À minha volta, vejo precários ou pessoas com pequenos negócios que ficaram sem chão debaixo dos pés. Mandava-lhes notícias de vários apoios que o Governo anunciava. As histórias que me contaram são a de uma gincana burocrática que acaba quase sempre da mesma forma: não é elegível. Ou em nada. E isso explicará porque somos o terceiro país que menos gastou na resposta à pandemia numa zona Euro que, ela própria, gastou muito menos do que os EUA.

Está na altura de dar alguma substância aos apelos de estabilidade, para quando esta pandemia passar.

Todos os dias, importantes figuras do PS dizem, em tom de ameaça, que quem for responsável por uma crise política pagará por isso. A estratégia está a resultar otimamente: o PS mantém-se bem nas sondagens enquanto o Chega absorve descontentamento. Mas antes que cheguemos aos impasses franceses e italianos, onde a alternativa é qualquer coisa para não ser a extrema-direita, seria bom assentarmos nisto: quem não faz tudo para minorar o impacto de uma crise económica e social alimenta uma crise política. E pagará caro por isso. Porque a política, ao contrário das contas felizes de João Leão, não paira sobre a realidade.


2 pensamentos sobre “Contas de Leão

  1. É lamentável que para pessoas tão “cultas” e viajadas o país se resuma a Lisboa e ao Porto, embora me pareça que o Porto aparece aqui apenas como apendice.
    Já agora caro Daniel, como não sais da cova dos leões, (metáfora biblica, não futebolísticas) informo-te que no resto do país, ou seja a província, quando passo pelas ruas e veredas das cidades, vilas e aldeias é uma alegria, corre o leite e o mel e até o marfim pois os brutamontes provincianos continuam a matar elefantes. Claro que são elefantes brancos que os doutos lisboetas obrigam a amamentar. E não falta marfim tantos são os elefantes. Brancos está claro.
    Pois meu caro Dany (permite- me que te trate assim é mais in mais Lisboeta) pela provincia é uma fartazana, as lojas estão todas abertas, os bares apinhados, os restaurantes à cunha as ruas abarrotadas de turistas, as reservas dos hotéis esgotas ate à próxima decada.
    Se pensasses um bocadinho fora da cova, saberias que se Lisboa chora a provincia grita e dessespera. Lembra-te que em Lisboa há mais funcionários publicos, funcionários das sedes das grandes empresas, assessores governamentais, comentadores da treta, etc, pagos pricepesca e atempadamente enquanto no resto do país os provincianos tem que apanhar as batatas da terra, mas dos quais eu me orgulho de ser um soldado da mesma guerra.
    Vá lá não fiques triste Dany, embora não te possa perdoar esta grave gafe o resto da tua peroria é aceitável.

    • Caro Cogito.

      Sou o primeiro a malhar no Dany quando ele faz merda, especialmente na sua tese neo-racista dos brancos maus.

      Mas francamente não vi critica nenhuma do Dany contra o interior.

      Ele falou em Lisboa e Porto, porque é aí que vive e vê as lojas a fechar.

      O que é que isso implica que ele esteja a dizer que a província esteja melhor ?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.