Este amigo que eu canto, (Portugal)

(Joaquim Vassalo Abreu, 18/04/2020)

Na Pandemia do Covid 19 o campeonato dos números está na ordem do dia!

Se isso me interessa? Interessa! Se me interessa de sobremaneira? Não! Se estou atento? Estou! Se me deixa feliz estar Portugal num óptimo lugar no ranking mundial da luta? Deixa e muito! Se isso me sossega? Não!

Mas há várias coisas que me deixam extremamente feliz e nem é preciso comparar com os nossos vizinhos espanhóis que em nada se entendem! Nós felizmente entendemo-nos e assumimos nesta “guerra” que somos todos soldados!

Na união por um objectivo e, ultrapassando demais considerandos, sabendo e intuindo ser por ora a grande batalha das nossas vidas!

Os nossos vizinhos olham para nós e não entendem como o nosso Parlamento, com pequenas divisões apenas de pormenor, não amplifica qualquer diferença e ao contrário deles se mostra solidário e uno nessa mesma missão, missão essa que, de resto, pertence a todos. E sem ódios nem acrimónias! Somos assim, nem convencidos nem arrogantes, somos assim…

Como pode um qualquer país vencer uma guerra se os seus Generais não se entendem, nem quanto à táctica nem quanto à acção? É o paradoxo espanhol numa ocasião como esta.

E aí sinto-me particularmente orgulhoso do nosso sentido de Nação mas, muito mais ainda, da nossa consciência solidária e no deixar para outros tempos o explicitar das diferentes visões! Pois elas são hoje uma só: A Nossa sobrevivência colectiva! Sem mais…

E a homenagem de gente que tem estado permanentemente no terreno, numa atitude sempre profilática e aconselhadora, que não repressiva, mas cumprindo e zelando sempre de modo eficiente e ao mesmo tempo condescendente a causa comum, numa sabedoria inata que vem do sentir de comunidade, Todas as Forças de Segurança, aos verdadeiros “soldados” das frentes de trincheira, emocionou-me ontem! 

 E emocionou-me porque senti não ser nada programado e nem sequer com qualquer resquício de hipocrisia, mas sim um acto voluntário de gente que estando de corpo e alma na mesma batalha reconhece que é ali, nos Hospitais, que trabalhando e doando, se salvam vidas mas também de arrisca a sua própria vida. E eles, todas as Forças de Segurança e de Protecção, que sabem ter um estatuto de exclusividade aceite e normativo, melhor reconhece que outra classe que não o tem, isso mesmo aceite e cumpra! De louvar? Sim, e duplamente!

Mas isto relembrou-me uma coisa que eu pela vida já um pouco longa que tenho nunca esqueci, nem a nossa História recusa: podemos ser tudo, ter todos os defeitos desta vida e nem vale a pena enumera-los pois também são nosso património ( cada Povo é como é…) , mas quando o nosso mesmo que diverso sentimento converge, venha lá quem venha, como no Futebol, venham Franças, Brasis ou Alemanhas… Somos sempre um só!

E como disse o Presidente ( que agora e nestes tempos também é o meu Presidente) :  Milagre? Milagre é Portugal!

E por isso hoje, sem qualquer rebuço eu digo: que sorte nós temos neste preciso momento histórico:

Ter um autêntico “couraçado” como Primeiro Ministro! Um Capitão do navio equilibrado e colaborante; marinheiros às velas que de tão atentos nem dormem; e todos os restantes membros da tripulação, qual olímpica regata, coordenados e eficientes e apenas fixados na vitória.

E comedidos todos, acrescento agora depois da metáfora!

Orgulho imenso eu sinto em ter nascido neste lugar no extremo da Europa e dando lições de vida ao poderoso vizinho, que é tão meu amigo, no Amor sim, mas muitas vezes exagerado no seu auto convencimento.

Este Amigo que eu Canto-

Portugal ( Ary dos Santos)

Desde quando nasci

Que o conheço e lhe quero

Como a um irmão meu

Como ao pai que perdi,

Como tudo o que espero.

É um homem que tem o condão da doçura

No sorriso de água, nos olhos cansados,

É metade alegria, é metade ternura

Nas palavras cantadas, nos gestos dançados,

Nos silêncios magoados.

Tem um rosto moreno

Que o inverno o marcou

E apesar de ser forte,

É um homem pequeno

Mas maior do que eu sou.

Tem defeitos, é certo. Como todos nós.

Sonha, às vezes demais,

Fala, às vezes no ar

Mas quando dentro dele a alma ganha a voz

É tal como se fosse o som do nosso mar,

Se pudesse falar…

Foi capaz de mentir,

Foi capaz de calar

É capaz de chorar e de rir,

Tem um quê de fadista,

Tem um quê de gaivota,

E a mania que há-de ser artista.

Quando vê que precisa

É capaz de roubar,

Mas também sabe dar a camisa.

Foi capaz de sofrer,

Foi capaz de lutar,

È capaz de ganhar

E perder.

É um amigo meu que às vezes me ofende

Mas que eu sei que me escuta,

Que eu sei que me ouve

E também compreende.

Quantas vezes lhe digo que tenha juízo,

Que a mania dos copos só lhe faz é mal,

Que a preguiça não paga e que o trabalho é preciso.

Ele encolhe-me os ombros num despreso total,

Este tipo é assim, mas…

Foi capaz de mentir,

Foi capaz de calar

É capaz de chorar e de rir,

Tem um quê de fadista,

Tem um quê de gaivota,

E a mania que há-de ser artista.

Quando vê que precisa

É capaz de roubar,

Mas também sabe dar a camisa.

Qual o nome final

Deste amigo que eu canto?

Pois é claro que é

Portugal.


6 pensamentos sobre “Este amigo que eu canto, (Portugal)

  1. Gosto muito do Ary dos Santos, mas estas “romantizações” do povo comuns á esquerda e á direita são uma grande treta.

    O verdadeiro povo é amigo da onça, costuma ser amigo pela frente e lixar-te por detrás.

    Aliás, estes romantismos “populistas” da esquerda e da direita costumam ser contrabalançados por “narrativas negras” completamente contraditórias completamente desproporcionadas de sentido oposto.

    Assim, para a direita, o povo ora é o “bom povo” honesto trabalhador temente a deus e herói dos descobrimentos, ora é um animal que é preciso fazer trabalhar, se necessário á porrada e preferencialmente com salários de fome.

    Já para a esquerda, o povo ou é este imaginado bom tipo, porreiraço e ternurento, ou é, segundo a “lenda negra” do “actual racismo estrutural” uma corja nojenta de nazis que passa todo o tempo disponível a perseguir sem piedade negros e ciganos.

    Venha o diabo e escolha…

    Até pelo facto de tanto a esquerda como a direita manterem narrativas grotescamente desproporcionadas e irracionalmente auto-contraditórias se vê que o povo que segue as diferentes ideologias não vale grande coisa.

    Embora claro, não chegue ao extremo das “lendas negras” por sua vez mantidas á esquerda e á direita, igualmente desproporcionadas ao ponto da caricatura disforme.

    No que toca á especificamente esquerda, não, o povo não é um bondoso “porreiraço”, asim como também não é nazi.

  2. Nota. A Covid-19 ampliou a tendência para as tuas bebedeiras na blogosfera está visto, camarada Vassalo. Como peão de brega ao serviço do PS, que és quando te puxa ao sentimento, o Ary escreveu para gajos como tu a tourada… Para trás mimosa!…

  3. Esqueceu-se de referir que o factor que mais contribuiu (e continua) para reduzir a quantidade de mortos, foi o MEDO! Ou já se esqueceu das catavento tomadas de posição da DGS e do 1.º ministro, o responsável-mor pelas mortes dos incêndios de 2017?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.